Amy Dudley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amy Robsart
Miniatura com a imagem de uma mulher desconhecida, provavelmente Amy Dudley à época de seu casamento. (1550)
Outros nomes Amy Dudley
Conhecido(a) por Morte sob circunstâncias misteriosas
Nascimento c. 7 de Junho de 1532
Norfolk, Inglaterra
Morte 8 de setembro de 1560 (28 anos)
Cumnor Place, Cumnor, Inglaterra
Residência Cumnor Place
Progenitores Mãe: Elizabeth Scott
Pai: Sir John Robsart de Syderstone Hall
Cônjuge Roberto Dudley, 1.º Conde de Leicester
Causa da morte Pescoço fraturado

Amy Dudley (nascida Amy Robsart) (7 de junho de 1532 - 8 de setembro de 1560) foi a filha e herdeira de Sir John Robsart e sua esposa, Elizabeth Scott. Amy foi casada com Robert Dudley, favorito da rainha Isabel I em seus primeiros anos de reinado e suposto amante da mesma.

Vida e casamento[editar | editar código-fonte]

Quando Amy tinha cerca de dezoito anos, casou-se com Robert Dudley, conde de Leicester. A natureza do casamento é até hoje discutida por historiadores, mas acredita-se que o motivo possa ter sido amor, embora houvesse certas conveniências para Dudley no casamento.[1]

Robert pode ter sido amante da rainha Isabel I. O relacionamento teria se desenvolvido no período em que Robert e Amy estiveram separados, com ele na corte e ela no campo. Na mesma época, Amy começou a sentir dores, implicações de uma possível doença que a consumia, o câncer.

A morte de Amy Robsart, imaginada por artista vitoriano William Frederick Yeames

Morte[editar | editar código-fonte]

No dia 8 de setembro de 1560, em Cumnor Place, Inglaterra, Amy foi encontrada morta. Sua morte é tida como suspeita até os dias atuais, sendo que há três possibilidades: Amy pode ter morrido pela sua doença, ter-se acidentado (ela foi encontrada morta na escada da propriedade na qual se hospedava) ou sido assassinada, embora ela possa ter cometido suicídio, também.

No caso de ter sido assassinada, seu marido ou alguém mandado por ele pode tê-la matado e um inquérito chegou a ser aberto na época, mas nenhum culpado foi apontado. Também poderia ter sido alguém mandado pela rainha, pelo (suposto) relacionamento desta com o marido de Amy.

Amy foi enterrada na Igreja Universidade de Santa Maria, a Virgem, em Oxford.[2]

Referências