Análise crítica da evolução

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte de uma série de artigos sobre
Design inteligente
Um relógio de bolso do tipo savonette
Conceitos

Complexidade Irredutível
Complexidade especificada
Universo bem afinado
Designer inteligente
Realismo teísta
Criacionismo
Tedeísmo

Movimento
do design inteligente

Cronologia
Discovery Institute
Center for Science and Culture
Estratégia da cunha
Análise Crítica da Evolução
Ensine a Controvérsia
Design inteligente na política
Kitzmiller v. Dover Area School District

Reações

Judaísmo · Católica Romana
Organizações científicas

Portal do Criacionismo

A Análise Crítica da Evolução é o nome dado tanto à tática de promover o design inteligente usando aspectos da campanha Ensine a Controvérsia quanto uma proposta de plano de aula de ciências promovendo aulas do design inteligente em escolas de ensino médio.[1] Foi desenvolvida pelo Discovery Institute, os originadores do movimento do design inteligente, como parte de sua campanha para promover o neocriacionismo. É uma parte integral e também um slogan[2] da campanha Ensine a Controvérsia, que tem como objetivo desestabilizar o ensino da evolução nos currículos de ciências das escolas públicas[3] [4] [5] [6] e suplementá-lo com o design inteligente.[7] [8]

A principal característica do plano de aula é de que a evolução seja tratada como uma teoria que deve ser questionada nas aulas de ciências de acordo com o processo científico.[3] A apresentação do Discovery Institute acerca da evolução é completamente oposta a da comunidade científica, onde a evolução é praticamente universalmente aceita.[9] [10] [11] O professor da Universidade McGill, Brian Alters, afirmou em um artigo publicado pela NIH que "99.9 por cento dos cientistas aceitam a evolução" enquanto o design inteligente vem sendo rejeitado pela maioria esmagadora da comunidade científica.[11] A Associação Americana para o Avanço da Ciência já afirmou que não existe uma controvérsia significativa dentro da comunidade científica sobre a validade da teoria da evolução.[4] Outros declararam que a Análise Crítica da Evolução não é nada além de criacionismo e design inteligente disfarçados e, portanto não possui um lugar em aulas de ciência.[5] [6]

Referências

  1. Not in Our Classrooms: Why Intelligent Design Is Wrong for Our Schools by Eugenie Carol Scott, Glenn Branch. Beacon Press, 2006. Page 30.
  2. "…'critical analysis of evolution' may be the new creationist battle cry." Ronald L. Ecker (agosto, 2006; updated July, 2007). Critical Analysis of Evolution. (Or, What Will They Think of Next?). Hodge & Braddock. Página visitada em 2007-08-17.
  3. a b What Are Darwinists So Afraid Of?, Jonathan Witt, World Net Daily, July 27, 2006
  4. a b AAAS Statement on the Teaching of Evolution American Association for the Advancement of Science. February 16, 2006
  5. a b Ohio Expected to Rein In Class Linked to Intelligent Design Jodi Rudoren. New York Times, February 14, 2006
  6. a b Is Critical Analysis of Evolution the Same as Teaching Intelligent Design? FAQ prepared by The Discovery Institute
  7. Barbara Forrest. Understanding the Intelligent Design Creationist Movement: Its True Nature and Goals. A Position Paper from the Center for Inquiry, Office of Public Policy. www.centerforinquiry.net. Página visitada em 2009-02-14..
  8. Wedge Document Discovery Institute, 1999.
  9. "ID has failed to gain acceptance in the scientific community" Ruling, page 64 Kitzmiller v. Dover.
  10. "Not a single expert witness over the course of the six week trial identified one major scientific association, society or organization that endorsed ID as science." Ruling, page 70 Kitzmiller v. Dover.
  11. a b "99.9 percent of scientists accept evolution" as described in Finding the Evolution in Medicine, Cynthia Delgado, NIH Record, National Institutes of Health, Vol. LVIII, No. 15, July 28, 2006
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.