Análise crítica do discurso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Análise crítica do discurso (ACD) é uma abordagem interdisciplinar ao estudo dos textos, que considera a "linguagem como uma forma de prática social" (Fairclough 1989: 20) e pretendem "desvelar os fundamentos ideológicos do discurso que se têm feito tão naturais ao longo do tempo que começamos a tratá-los como comuns, aceitáveis e traços naturais do discurso" (Teo 2000).

Os livros de Norman Fairclough Language and Power (1989) e Critical Discourse Analysis (1995) articulam um quadro tridimensional para o estudo do discurso, "onde o propósito é mapear três formas separadas de análise em uma só: análise de textos (falados ou escritos), análise da prática discursiva (processos de produção, distribuição e consumo dos textos) e análise dos eventos discursivos como instâncias da prática sociocultural" (1995: 2).

A análise crítica do discurso fundamenta-se no acesso desigual aos recursos linguísticos e sociais, recursos que são controlados pelas instituições. Os padrões de acesso ao discurso e aos eventos comunicativos são um elemento essencial para a ACD. Em termos de método, a ACD pode ser descrita genericamente como hiperlinguística ou supralinguística, no sentido de que as/os profissionais da ACD consideram o contexto discursivo de maneira não restrita ou o significado que existe além das estruturas gramaticais. Isto inclui a consideração dos contextos político e mesmo económico do uso da língua.

Para além da teoria linguística, esta abordagem também tem base na teoria social — e na produção intelectual de pensadores como:Karl Marx, Antonio Gramsci, Louis Althusser, Jürgen Habermas, Michel Foucault e Pierre Bourdieu — de modo a examinar a ideologia e as relações de poder envolvidas no discurso. Fairclough põe em destaque que "a língua conecta com o social sendo o domínio primário da ideologia e sendo tanto o interesse principal como o lugar em que têm lugar as lutas de poder" (1989: 15).

Pesquisadora|es notáveis incluem Norman Fairclough, Paul Chilton, Teun van Dijk, Christina Schäffner, Ruth Wodak, Peter Teo, Roger Fowler, Gunther Kress, Mary Talbot e Robert Hodge.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Fairclough, Norman. 1989. Language and Power. Harlow: Longman Group UK Limited.
  • Fairclough, Norman. 1995. Critical Discourse Analysis. Harlow: Longman Group UK Limited.
  • Jaworksi, Adam, & Coupland, Nikolas (Eds.). 2002. The discourse reader. New York: Routledge.
  • Talbot, Mary, Atkinson, Karen and Atkinson, David. 2003. Language and Power in the Modern World. Edinburgh: Edinburgh University Press Ltd.
  • Teo, Peter. 2000. Racism in the news: a Critical Discourse Analysis of news reporting in two Australian newspapers. Discourse and Society, 11: 1, 7-49. [Cited in Talbot, Atkinson and Atkinson 2003: 36.]