Análise da Inteligência de Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Análise da Inteligência de Cristo é uma coleção do psiquiatra e escritor brasileiro Augusto Cury que tem por objetivo promover uma abordagem do lado psicológico e comportamental de Jesus com aplicação nas diversas áreas do conhecimento humano.

Sua obra, publicada em dezenas de países, é dividida em cinco livros: O Mestre dos Mestres, O Mestre da Sensibilidade, O Mestre da Vida, O Mestre do Amor e O Mestre Inesquecível.

Devido ao alcance da linguagem empregada na obra, vários psicólogos, psiquiatras e professores universitários têm recomendado a leitura dos livros da sua coleção, os quais não são lidos apenas por cristãos, mas também islamitas e budistas.

O Mestre dos Mestres[editar | editar código-fonte]

O Mestre dos Mestres tem por objetivo analisar as características da personalidade de Jesus Cristo. Augusto Cury considera que a ciência teria se omitido em pesquisar sobre Jesus e, por isto, busca neste livro expor seus estudos sobre a personalidade "daquele que dividiu a história da humanidade". Segundo o livro, Jesus era uma pessoa que pensava antes de reagir, não impunha suas idéias limitando-se a expor o que pensava e que tratava cada ser humano como um ser único. A seu ver, a personalidade de Jesus seria complexa, misteriosa e de difícil compreensão.

O Mestre da Sensibilidade[editar | editar código-fonte]

O Mestre da Sensibilidade tem como objetivo o lado emocional de Jesus. Neste livro, Augusto Cury diz que Jesus teria tido todos os motivos para ter desenvolvido uma depressão ou ter sofrido de ansiedade. Porém, o autor busca explicar como que Jesus conseguiu ser uma pessoa alegre, livre e segura. De acordo com o livro, Jesus encontrava o significado da vida nas coisas mais simples e anônimas.

O Mestre da Vida[editar | editar código-fonte]

O Mestre da Vida investiga as etapas do julgamento de Jesus, diante das dramáticas situações de tortura e de humilhação experimentadas. Cury ressalta o fato de que, através de seu silêncio, Jesus conseguiu gerar uma enorme perplexidade nas pessoas através de olhares e de pequenas frases. Neste livro, o autor prestigia também em seus estudos a brevidade da vida e a importância de se valorizar cada momento na trajetória humana.

O Mestre do Amor[editar | editar código-fonte]

O Mestre do Amor analisa,e investiga o amor incondicional de Jesus pelo ser humano, estudando as reações e as palavras proferidas por Jesus em suas últimas horas de vida durante o seu martírio na cruz. O autor dá suas explicações sobre como Jesus conseguiu praticar o amor no auge da dor.

O Mestre Inesquecível[editar | editar código-fonte]

Por fim, o Mestre Inesquecível estuda rigorosamente as transformações complexas pelos discípulos de Jesus e como que eles conseguiram desenvolver aquilo que o autor denomina como inteligência espiritual, multifocal, emocional e interpessoal. Segundo o livro, Jesus teria escolhido pessoas despreparadas, incultas e cheias de limitações, mas conseguiu formar um grupo de nobres pensadores que propagaram o cristianismo pelo mundo. Cury, nesta obra, identifica Jesus como um educador e artesão da personalidade humana.

A experiência de Augusto Cury ao empreender suas pesquisas[editar | editar código-fonte]

Segundo o próprio autor, ele mesmo teria sido um ateu convicto antes de empreender os seus estudos sobre a análise psicológica de Jesus. Cury, anteriormente, acreditava que Jesus nunca existiu e que suas biografias foram invenções criadas pelos discípulos.

Augusto Cury compartilha sua inclinação em estudar a personalidade de pessoas que influenciaram a história e, por viver intrigado com a pessoa de Jesus, passou a estudá-lo através dos quatro Evangelhos, concluindo ao final que uma personalidade tão complexa assim jamais poderia ter sido inventada.

Devido ao empreendimento de suas pesquisas, Cury teria mudado o seu modo de pensar, conforme ele mesmo conta no final do último livro da coleção:


(...) Eu analisei a inteligência de Cristo criticando, duvidando e investigando as quatro biografias de Jesus, os evangelhos, em várias versões. Estudei as intenções conscientes e inconscientes dos autores das suas quatro biografias. (...) O primeiro resultado é que descobri que o homem que dividiu a história não poderia ser fruto de uma ficção humana. Ele não cabe no imaginário humano. Ele andou e respirou nesta terra. (...) - O Mestre Inesquecível. 31ª ed. São Paulo: Academia da Inteligência, 2003, págs. 249 e 250


Cury também compartilha que, ao estudar sobre Jesus, teria compreendido melhor suas limitações e se sentiu contagiado por ele, acreditando mais em seus sonhos de vida.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]