Análise de modo e efeito de falha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Análise do modo e efeito de falha ou simplesmente (FMEA) é um estudo sistemático e estruturado das falhas potenciais que podem ocorrer em qualquer parte de um sistema para determinar o efeito provável de cada uma sobre todas as outras peças do sistema e no provável sucesso operacional, tendo como objetivo melhoramentos no projeto, produto e desenvolvimento do processo.

Modo de falha e análise de efeitos (FMEA) foi uma das primeiras técnicas sistemáticas para a análise de falhas. Ele foi desenvolvido por engenheiros de qualidade na década de 1950 para estudar os problemas que possam surgir a partir de falhas de sistemas militares. O FMEA é muitas vezes o primeiro passo de um estudo de confiabilidade do sistema. Trata-se de rever todos os componentes, montagens e subsistemas, com o objetivo de identificar possíveis falhas, suas causas e efeitos. Para cada componente, os modos de falha e seus efeitos resultantes sobre o resto do sistema são registrados em uma planilha FMEA específica. Existem inúmeras variações de planilhas. A FMEA é principalmente uma análise qualitativa. [1] Há alguns tipos diferentes de análise FMEA. Existem, funcionais, design e processo de FMEA. Às vezes, o FMEA é chamado FMECA para indicar que a análise de criticidade é também realizada.

Um FMEA é um raciocínio lógico em um único ponto de análise de falhas e é uma tarefa central na engenharia de confiabilidade , engenharia de segurança e engenharia de qualidade, é especialmente preocupada com o "Processo" ((Fabricação e Montagem) tipo de FMEA) . Uma atividade FMEA de sucesso ajuda a identificar potenciais modos de falha, com base na experiência com os produtos e processos semelhantes ou baseado na física comum da lógica de falha. Ele é amplamente usado no desenvolvimento dos processos de fabricação das indústrias em diversas fases do ciclo de vida do produto. Refere-se ao estudo das consequências dessas falhas em diferentes níveis do sistema.

Análises funcionais são necessárias como entrada para determinar modos de falha corretos. Um FMEA é utilizado para atenuação do risco baseado em qualquer falha (modo) de redução da severidade ou em reduzir a probabilidade de falha ou de ambos. O FMEA é, em princípio, uma análise completa, no entanto, a probabilidade de falha só pode ser estimada ou reduzida através da compreensão do mecanismo de falha. Idealmente esta probabilidade deve ser reduzida "impossível ocorrer", eliminando as causas (raiz). Por isso, é importante incluir no FMEA uma profundidade adequada de informações sobre as causas do fracasso (análise dedutiva).

A FMEA é uma técnica e identificação e análise de risco eficiente quando aplicada a sistemas ou falhas simples, enquanto a árvore de falhas é a técnica recomendada para sistemas complexos. A diferença é que a metodologia usada pela técnica FMEA categoriza as falhas para priorização das ações corretivas, e a Árvore de Falhas determina a sequência mais crítica de falhas que leva à ocorrência de um evento indesejado.


Ícone de esboço Este artigo sobre Administração é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referencias[editar | editar código-fonte]

System Reliability Theorie, Models, Statistical Methods, and Applications, Marvin Rausand & Arnljot Hoylan, Wiley Series in probability and statistics - second edition 2004, page 88