Análise de sensibilidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A análise de sensibilidade procura determinar o efeito de uma variação de um determinado item no seu valor total. Pode ser um instrumento útil em diferentes áreas para determinar a importância de uma variável sobre o resultado final de outra.

Referências

A análise de sensibilidade é um método de decisão assente num estudo técnico de carácter financeiro com o objectivo de determinar qual a viabilidade ou sucesso de um determinado projecto, quer ele seja de investimento, um projecto de reorganização empresarial, os aspectos relacionados com o lançamento de um novo produto ou mesmo a antevisão do eventual sucesso num novo mercado. Esta análise e, consequentemente, a sua conclusão é, muitas vezes, fundamental para a tomada de decisão de um gestor ou investidor com vista a perspectivar do interesse ou não em realizar um determinado investimento. A avaliação da sensibilidade faz-se através de simulações possíveis para diferentes variáveis do projecto que constituem maior incerteza no futuro, em regra, varia-se o preço e/volume das vendas, alguns custos, taxas de câmbio e as condições de financiamento do projecto, tais como taxas de juro e prazos,determinando-se o impacto de tais alterações na rentabilidade do projecto. As variáveis são consideradas isoladamente, quando alteradas implicam consequentemente a alteração do VLA e a TIR do projecto, sendo possível medir a sensibilidade do VAL/TIR relativamente às variações. Consegue-se medir a implicação da variação da variável na variação do VAL (Exemplo: A variação das condições de financiamento em 3% leva a uma variação no VAL em 5%). Permite detectar relativamente ao VAL, quais as variáveis sensíveis e o grau de sensibilidade; é possível estimar o intervalo do VAL e identificar as variáveis que mais influenciam o VAL.

A análise de sensibilidade identifica as variáveis que determinam o sucesso do projecto, mas não mede o risco associado a essas variáveis. È evidente que qualquer estudo de viabilidade económica tem inerente sempre um factor de incerteza e a análise de sensibilidade não foge a esta regra. Recomenda-se pois que para além de estudos de mercado sobre o sector que a análise de sensibilidade possa avaliar diferentes tipos de cenários e não apenas os cenários optimistas onde todas as variáveis são perfeitas (vendas elevadas, baixos custos, taxas de juro mais favoráveis, períodos de financiamento mais alargados, etc.) e podermos ter também cenários mais pessimistas ou com variáveis mais realistas. Pelas razões atrás aduzidas e após a análise de sensibilidade deve-se efectuar uma análise do risco.[1]

A identificação das variáveis críticas do projecto faz-se deixando flutuar as variáveis do projecto segundo uma dada variação percentual, e observando as variações subsequentes nos indicadores de desempenho tanto financeiros como económicos.

Só se deve fazer flutuar uma variável de cada vez, mantendo os outros parâmetros constantes.

São críticas as variáveis para as quais uma variação positiva ou negativa de 1% causa uma variação correspondente de 5% no valor base do VAL. Podem ser adoptados critérios diferentes, se esse for o entendimento.

Análise de sensibilidade do risco[editar | editar código-fonte]

Avaliar o impacto de certas variações percentuais de uma variável sobre os indicadores de desempenho do projeto não reflete a probabilidade de ocorrência dessa variação. Atribuindo distribuições de probabilidade adequadas às variáveis críticas, podem-se estimar distribuições de probabilidade dos indicadores de desempenho financeiros e econômicos. Isto permite ao analista apresentar estatísticas interessantes sobre os indicadores de desempenho do projecto: valores esperados, desvio-padrão, coeficiente de variação.

Em alguns casos, como a falta de dados históricos sobre projetos semelhantes, pode mostrar-se bastante difícil encontrar hipóteses sensatas sobre as distribuições de probabilidade das variáveis críticas. Nesses casos, deve ser feita pelo menos uma avaliação qualitativa dos riscos para apoiar os resultados da análise de sensibilidade.

Gestão e controle dos riscos[editar | editar código-fonte]

A gestão e controle de riscos deverá assentar na constante identificação e análise da exposição a diferentes riscos, e na adopção de estratégias de maximização dos resultados considerando os riscos e mantendo-os dentro de limites preestabelecidos e devidamente supervisionados. A gestão e controlo de riscos e\ou oportunidades deverá ser complementada pela análise, a posteriori, de indicadores de desempenho.

Tipificação dos riscos[editar | editar código-fonte]

RISCOS DA ENVOLVENTE - Ocorrem quando existirem forças externas que possam alterar de modo significativo os objectivos e estratégias da empresa(ameaças)

RISCOS DOS PROCESSOS - Ocorrem quando os processos de negócio: - Não estão claramente definidos; - Não são consistentes com as estratégias de negócio; - Não respondem com eficácia e eficiência á satisfação das necessidades dos clientes; - Não acrescentam valor aos stakeholders; - Expõe activos financeiros, físicos e intelectuais, a perdas, tomada de riscos, desvios e má gestão.

RISCOS DA INFORMAÇÃO PARA TOMADA DE DECISÃO - Riscos da informação operacional, financeira e estratégica, não ser relevante ou confiável.

RISCOS DE PROCESSOS Riscos de Operações - Serem ineficientes ou ineficazes na satisfação dos clientes e no alcance dos objectivos da empresa.

Riscos de "Empowerment" (Liderança)- Os riscos inerentes aos processos de delegação de competências e responsabilidades.

Riscos Tecnológicos / Processamento da Informação - O risco de os sistemas e as tecnologias de informação não apoiarem eficazmente e eficientemente as necessidades actuais e futuras do negócio, pondo em risco a salvaguarda de activos, informação e as operações da empresa.

Riscos da Integridade - Os riscos de fraude, e de ocorrência de actos ilegais ou não autorizados, que possam comprometer a reputação da empresa.

Riscos Financeiros - Incluem um largo espectro de riscos que o CRPG enfrenta diariamente. A sua gravidade depende de vários factores que incluem a dimensão da instituição, sector de actividade, situação financeira, e a direcção do mercado.

1. Fonte: Carlos Barros, Decisões de investimento e Financiamento de Projectos.