Análise financeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde novembro de 2009).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Administração.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

A análise financeira refere-se à avaliação ou estudo da viabilidade, estabilidade e capacidade de lucro de um negócio ou projeto. Engloba um conjunto de instrumentos e métodos que permitem realizar diagnósticos sobre a situação financeira de uma empresa, assim como prognósticos sobre o seu desempenho futuro.

Para que o analista possa verificar a situação económico-financeira de uma empresa, é fundamental o recurso a alguns indicadores. Os mais utilizados são aqueles que assumem a forma de rácios. Estes apresentam uma vantagem, não só de tornar mais precisa a informação, como também de facilitar comparações, quer para a mesma empresa, ao longo de um certo período de tempo, quer entre empresas distintas, num mesmo referencial de tempo. Contudo, convém salientar que os rácios apenas constituem um instrumento de análise. Esse instrumento deve ser complementado por outros tantos. Com efeito, a análise de indicadores fornece apenas alguns indícios que o analista deverá procurar confirmar através do recurso a outras técnicas.

Cquote1.svg A técnica estabelecida pelos analistas financeiros consiste em estabelecer relações entre contas e agrupamentos de contas do Balanço e de Demonstração de resultados entre outras grandezas económico–financeiras". Cquote2.svg
João Carvalho das Neves[1]

A análise financeira é, assim, a capacidade de avaliar a rentabilidade das empresas, tendo em vista, em função das condições actuais e futuras, verificar se os capitais investidos são remunerados e reembolsados de modo a que as receitas superem as despesas de investimento e de funcionamento.

De forma a alcançar a sobrevivência e desenvolvimento pretendido pela empresa, a avaliação e interpretação da situação económico-financeira de uma empresa centra-se nas seguintes questões fundamentais:

  • equilíbrio financeiro;
  • rentabilidade dos capitais;
  • crescimento;
  • risco;
  • valor criado pela gestão.

O recurso à análise financeira é extremamente importante para as diversas partes interessadas numa boa gestão empresarial, sendo que essas partes interessadas são gestores, credores, trabalhadores e as respectivas organizações, Estado, investidores e clientes.

Cada grupo ou indivíduo tem diferentes interesses, por isso fazem a análise financeira mais adequada aos objectivos pretendidos. Apesar desses objectivos poderem ser diferentes, as técnicas utilizadas baseiam-se, fundamentalmente, no mesmo conjunto de informações económico-financeiras:

  • balanço patrimonial;
  • demonstração de resultados líquidos;
  • demonstração dos fluxos de caixa.

A técnica mais utilizada pela análise financeira é a que recorre aos rácios, um instrumento de apoio para sintetizar uma enorme quantidade de informação, e comparar o desempenho económico-financeiro das empresas ao longo do tempo. Constituem assim uma base da análise financeira, mas não dão respostas. Essas encontrar-se-ão nos aspectos qualitativos da gestão.

Índice

Evolução da análise financeira[editar | editar código-fonte]

Nos anos 80, dá-se uma revolução financeira, marcada pelo aumento dos riscos financeiros a que as empresas estavam expostas, pela crescente importância das emissões de títulos no financiamento das empresas e pela consequente relevância quer da gestão de tesouraria, quer das variáveis financeiras. A implicação desta revolução foi o aumento do número de entidades que emitem pareceres sobre a situação financeira das empresas, não estando já este papel reservado apenas aos bancos, aparecendo aí os auditores e suas empresas de auditoria.

Esta evolução foi acompanhada de alterações na gestão das empresas, no sentido de questionar os tradicionais instrumentos de análise financeira (como os rácios ou o fundo de maneio), não para os inviabilizar mas antes para os enriquecer. Ã medida que a Análise Financeira evolui, torna-se assim cada vez mais claro que não se trata de uma ciência exata e que não há uma forma única de analisar a saúde financeira de uma empresa.

Objectivos da Análise Financeira[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico da situação financeira de uma empresa pode surgir de uma necessidade interna ou externa. Um diagnóstico interno pode ser necessário para tomar decisões de gestão, utilizando a análise financeira como um instrumento de previsão no âmbito de planos de financiamento e investimento ou para o controlo interno (acompanhamento da actividade e comparação entre as previsões e a performance real). Pode também servir um objectivo informacional, usando a informação financeira como instrumento de comunicação interna ou como elemento de relações sociais na empresa.

Quanto ao diagnóstico externo, surge como instrumento de decisão para entidades externas com influência junto da empresa, tais como bancos, investidores institucionais, governos, fornecedores e clientes. O diagnóstico externo surge também como ferramenta de comunicação com os investidores, o público, os media, as agências de rating e as entidades que elaboram estudos estatísticos financeiros.

Fontes da Informação[editar | editar código-fonte]

Os dados utilizados para calcular os rácios são na sua grande maioria retirados dos principais documentos financeiros das empresas, já mencionados anteriormente.

Balanço[editar | editar código-fonte]

Documento contabilístico que expressa a situação patrimonial de uma empresa num determinado momento (geralmente um trimestre, semestre ou ano). Este documento permite comparar o activo (bens que a empresa possui assim como o dinheiro que tem e as dívidas de terceiros), com o passivo ou capital alheio (o que a empresa deve a terceiros, quer seja empréstimos bancários, responsabilidades para com o Estado, dívidas a fornecedores, etc.). A diferença entre o que tem e o que deve é designada de Situação líquida (composta pelo Capital que foi usado para criar a empresa, pelo acumular de resultados positivos ou negativos ao longo dos anos de funcionamento da empresa, e por eventuais reavaliações de componentes do activo).

Num Balanço, o Activo é igual à soma do Capital de Terceiro com a Situação líquida, ou seja, o Capital Alheio (Passivo) e a Situação líquida (Capitais próprios) financiam o Activo, logo:

                          Activo = Capital de Terceiro + Situação líquida

Devido às empresas se financiarem com Capitais Próprios e Alheios, o Activo, normalmente, é maior que o Capital Alheio. Caso não se verifique, ou seja, sempre que o Activo for inferior ao Passivo (valor do Capital Próprio vai ser negativo), existe falência ou insolvência técnica da empresa.

Numa óptica financeira, o activo corresponde às aplicações de fundos ou investimento. Estes bens e direitos da empresa são financiados quer por capitais próprios, quer por capitais alheios. Por isso, também se designa o 2º membro do balanço como origens de fundos ou financiamento.

O total das aplicações de fundos iguala, a todo o momento, o total das origens de fundos, podendo enunciar-se a equação fundamental da contabilidade da seguinte forma:

  • Activo = Passivo + Situação Liquida
  • Activo = Capitais Alheios + Capitais Próprios
  • Aplicações de Fundos = Origens de Fundos.

Demonstração do Resultado Líquido[editar | editar código-fonte]

Evidencia a formação de resultados num certo período (entre dois balanços), avalia a situação económica da empresa.

Esta formação de resultados evidencia-se pela síntese dos custos e proveitos em grupos homogéneos, sendo que:

Resultados = Proveitos – Custos

Proveitos > Custos = Resultado Positivo (Lucro)
Proveitos < Custos = Resultado Negativo (Prejuízo)

De acordo com o POC existem duas formas de elaboração da demonstração de resultados:

  • demonstração de resultados por natureza;
  • demonstração de resultados por funções.

Demonstração de Resultados por Natureza[editar | editar código-fonte]

Agrega os proveitos e os custos em grupos homogéneos, consoante a sua natureza.

Resultados Operacionais = Proveitos Operacionais - Custos Operacionais

Resultados Financeiros = Proveitos Financeiros - Custos Financeiros

É de salientar que existe uma distinção nítida entre resultados operacionais e resultados financeiros. Nos resultados operacionais integram-se os proveitos e custos respeitantes à exploração, enquanto que nos resultados financeiros consideram-se os proveitos de aplicações de capital e os custos dos financiamentos, assim como ganhos ou perdas resultantes de aplicações financeiras.

Resultados Correntes = Resultados Operacionais + Resultados Financeiros

Resultados Extraordinários = Proveitos e Ganhos Extraordinários - Custos e Perdas Extraordinários

Resultado antes de Impostos = Resultados Correntes + Resultados Extraordinários

Por fim, temos então o Resultado Líquido do exercício:

Resultado Líquido do exercício = Resultado antes dos Impostos - Imposto sobre o Rendimento Extraordinário

Demonstração dos Fluxos de Caixa (Cash-Flows)[editar | editar código-fonte]

A demonstração de fluxos de caixa deve relatar os movimentos de caixa durante o período, classificados por actividades operacionais, de investimento e de financiamento, de forma a proporcionar informação que permita aos utentes das demonstrações financeiras determinar o impacto dessas actividades na posição financeira da empresa e nas quantias de caixa e seus equivalentes.

Pode-se dizer que cada um destes itens dá-nos a respectiva comparação:

  • Balanço → Posição Financeira
  • Demonstração de Resultados → Desempenho
  • Demonstração de Fluxos de Caixa→ Alterações na Posição Financeira

Devido ao carácter sintético dos documentos contabilísticos referidos, estes não respondem por inteiro às exigências da análise financeira. Resumindo, temos como principais limitações dos documentos contabilísticos, os seguintes aspectos:

  • não reflectem valores actuais;
  • existem contas para as quais é preciso fazer algumas estimativas;
  • enquanto a depreciação do imobilizado é uma prática corrente, a sua revalorização é normalmente ignorada;
  • existem muitas rubricas com valor financeiro que estão omitidas do balanço;
  • os diferentes critérios valorimétricos utilizados podem provocar diferenciações nas várias empresas;
  • as normas contabilísticas são muitas vezes ditadas por imperativos fiscais que reduzem o significado económico-financeiro da informação contabilística.

Dados externos[editar | editar código-fonte]

São também utilizados dados externos como:

  • Dados macroeconómicos;
  • Cotações;
  • Taxas de juro;
  • Valores de referência de empresas concorrentes para comparação.

Utilidade dos rácios[editar | editar código-fonte]

Os rácios são fundamentais para o conhecimento da situação e evolução economico-financeira de uma empresa ao longo do tempo, servem também para perceber a sua evolução futura. Existem muitos rácios que podem ser calculados mas só interessa calcular aqueles que tenham interesse para a análise pretendida, só assim é que terão sentido e serão úteis.

A utilidade dos rácios na análise da situação das empresas faz-se sentir através da comparação com rácios calculados nos anos anteriores e rácios de empresas similares.

Para os analistas é importante saberem escolher bem os rácios que satisfaçam os objectivos da análise que pretendem fazer.

Os principais utilizadores e interessados dos rácios na análise financeira são:

  • Investidores;
  • Accionistas;
  • Gestores;
  • Instituições Financeiras;
  • Bolsa de valores;
  • Fisco.

Os rácios são uma forma de observar aritmeticamente as relações entre os diversos valores extraídos dos documentos financeiros e são de extrema importância para análise da situação das empresas. No entanto, devem ser utilizados com o máximo de cuidado, pois podem levar a conclusões erradas.

A correlação entre diferentes rácios podem determinar se a informação fornecida é a mesma, evitando que se calculem e analisem rácios de forma duplicada. Por outro lado, quando não há correlação entre rácios, pode obter-se informação adicional, se forem analisados ambos os indicadores. Habitualmente, os valores de balanço são utilizados nos rácio financeiros e os de demonstração de resultados nos rácios económicos.

Análise Financeira Estática[editar | editar código-fonte]

A análise financeira estática baseia-se na informação que consta no Balanço, apresentando uma apreciação de:

  • Estrutura: bens e direitos de que dispõe a empresa e meios para os financiar;
  • Solvabilidade: meios para fazer face aos compromissos a Médio e Longo Prazo (incluindo dívidas e respectivos juros, despesas respectivas a obrigações assumidas ou imperativos económicos e prestações fiscais, parafiscais ou sociais).
  • Liquidez: meios para fazer face aos compromissos a Curto Prazo;

A análise financeira estática consiste em estabelecer relações entre conta e agrupamento de contas do Balanço, da Demonstração de Resultados e da Demonstração dos Fluxos de Caixa, ou ainda entre outras grandezas económico-financeiras. Estas relações têm várias designações, tais como rácios, índices, coeficiente, indicadores, etc.

Conforme refere o POC, as demonstrações financeiras devem proporcionar informação acerca da posição financeira, das alterações desta e dos resultados das operações, para que sejam úteis a investidores, a credores e a outros utentes, a fim de investirem racionalmente, concederem crédito e tomarem outras decisões, e contribuam assim para o funcionamento eficiente dos mercados de Capitais. A informação deve ser compreensível para aqueles que a desejam analisar e avaliar, ajudando-os a identificar a eficiência da gestão de recursos económicos. São os administradores/ gerências que têm a responsabilidade pela preparação da informação financeira. A qualidade essencial da informação proporcionada pelas Demonstrações Financeiras é a de que seja compreensível aos utilizadores e deve satisfazer as seguintes características:

  • Relevância – a relevância deve ser entendida como a qualidade que a informação tem de influenciar as decisões dos utilizadores, ao ajudá-los a avaliar os acontecimentos passados, presentes e futuros, ou a confirmar ou corrigir as suas avaliações.
  • Fiabilidade- a fiabilidade significa que a informação tem de estar liberta de erros materiais e de juízos prévios, ao mostrar apropriadamente o que tem por finalidade apresentar ou se espera que razoavelmente represente.
  • Comparabilidade- a divulgação e a quantificação dos efeitos financeiros de operações e de outros acontecimentos devem ser registadas de forma consistente pela empresa e durante a sua vida, para se identificarem tendências na sua posição financeira e nos resultados das suas operações. Além disso, as empresas devem adoptar os princípios de normalização contabilística, a fim de se conseguir comparabilidade entre elas.

Estas características resultam da aplicação de conceitos, princípios e normas contabilísticas adequados. Se assim for, as demonstração financeiras evidenciarão uma imagem verdadeira e apropriada da posição financeira e do resultado das operações da empresa.

Fundo de Maneio, Necessidades em Fundo de Maneio e Tesouraria[editar | editar código-fonte]

Fundo de Maneio[editar | editar código-fonte]

O conceito de fundo de maneio pode referir-se a diversos indicadores, pelo que é usual recorrer-se ao conceito de fundo de maneio líquido ou permanente. Sendo o fundo de maneio bruto igual ao activo circulante (existências + créditos + disponibilidades), o fundo de maneio líquido é dado pela diferença entre o activo circulante e os débitos de curto prazo.

O fundo de maneio líquido pode ser interpretado de duas formas:

  • Como a proporção dos capitais permanentes que podem ser alocados para o financiamento do activo circulante;
  • Como a parte do activo circulante que pode ser transformada em meios líquidos em menos de um ano.

Um fundo de maneio líquido negativo ou nulo é indicador de problemas de solvabilidade.

Podemos ainda definir o fundo de maneio próprio como os capitais próprios deduzidos do activo imobilizado líquido. Outra forma de calcular o fundo de maneio próprio é como a diferença entre o fundo de maneio líquido e os débitos de médio e longo prazo.

A existência de fundo da maneio (fundo de maneio positivo) pode, exprimir uma margem de segurança (liquidez aparentemente excessiva) pois, uma determinada parcela dos capitais permanentes, caracterizada por um grau de exigibilidade de médio e longo prazo, financia um certo montante do capital circulante total, cujo grau de liquidez é de curto prazo.

O conceito de fundo de maneio aparece, então, associado ao grau de liquidez das aplicações de fundos e ao grau de exigibilidade das origens de fundos.

Regra de ouro da gestão financeira[editar | editar código-fonte]

Em termos gerais, o que a regra de ouro da gestão financeira nos diz é que "os capitais utilizados pela empresa no financiamento dos seus activos devem ter uma maturidade (período em que estão ao dispor) igual ou superior à vida económica destes".[2] Em termos numéricos, esta regra implica que o activo imobilizado deve ser igual aos capitais permanentes ou que o activo circulante deve ser igual aos débitos de curto prazo.

Relação fundamental de tesouraria[editar | editar código-fonte]

A relação fundamental de tesouraria diz-nos que:

Tesouraria = Aplicações de tesouraria – Origens de tesouraria = Fundo de maneio líquido – Necessidades em fundo de maneio = Tesouraria Activa - Tesouraria Passiva

Sendo as Necessidades em fundo de maneio calculadas pela diferença entre as necessidades cíclicas (existências, mercadorias e matérias, clientes c/c) e os recursos cíclicos (dívidas a terceiros a curto prazo relacionadas com exploração).

No que diz respeito ao equilíbrio financeiro, é desejável que a Tesouraria apresente sinal positivo, ou seja, que o fundo de maneio líquido é mais que suficiente para financiar o ciclo de exploração.

Uma Tesouraria cujo valor é bastante positivo, poderá ser sinónimo de existência de demasiado capital ocioso, ou seja, recursos financeiros disponíveis e não aplicados de forma eficiente, perdendo-se, assim, oportunidades de capitalização que poderão ser significativas.

Por oposição, uma Tesouraria cujo valor apresenta sinal negativo, é sinónimo de preocupação, pois a empresa poderá correr risco de crédito.

Os rácios[editar | editar código-fonte]

A técnica mais utilizada pela análise financeira é a que recorre aos rácios, um instrumento de apoio para sintetizar uma enorme quantidade de informação, e comparar o desempenho económico-financeiro das empresas ao longo do tempo.

Constituem assim uma base da análise financeira, mas não dão respostas. Essas encontrar-se-ão nos aspectos qualitativos da gestão.

Os rácios financeiros contêm, como qualquer instrumento de medida, vantagens e inconvenientes.

No que concerne às vantagens dos rácios, estas podem sintetizar-se em:

  • A elaboração do diagnóstico financeiro de uma empresa baseia-se no triângulo da liquidez, estrutura financeira e rentabilidade que tem subjacente os rácios;
  • Permitem tirar conclusões com base em dados quantificados;
  • Possibilitam a utilização de grandes quantidades de informação de modo relativamente sintético, simples e objectivo;
  • Permitem tratar uma amostra constituída por dados de várias empresas num só momento de tempo ou usar dados de uma só empresa reportados a vários anos;
  • Contribuem para determinar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro.

Quanto às desvantagens podemos resumi-las em:

  • Se tiver havido incorrecções ao nível dos Balanços, Demonstrações de Resultados e Anexos, os rácios reflectirão essas incorrecções;
  • Em relação a determinados fenómenos, os relatórios financeiros podem não ser a base de dados mais adequada para a sua análise;
  • As empresas podem realizar actividades em vários segmentos de negócios. Cada empresa tem uma classificação das actividades económicas que corresponde à área de negócio mais importante, se as conclusões disserem respeito a um só segmento e não à actividade global da empresa, os resultados dos rácios podem ser enviesados;
  • As políticas de provisões e de amortizações adoptadas pelas empresas podem ser diferentes e conduzir a distorções ao nível dos rácios;
  • Um grupo económico pode seguir uma política de transferência de preços entre empresas no seio do grupo, motivada por interesses de optimização fiscal. Esses preços podem não corresponder aos custos obtidos através da Contabilidade Analítica, conduzindo a que numa empresa os resultados sejam superiores e que noutra sejam inferiores aos que de facto se verificariam se o critério fosse somente o dos preços de mercado, sem que houvesse outras motivações;
  • Os rácios financeiros são apenas um instrumento de análise que pode e deve ser complementada por outros; tratam apenas dados quantitativos, não tendo em consideração factores qualitativos como a ética, motivação, etc.

A análise financeira através de rácios só tem sentido se existir uma base de comparação. Para tal, uma fonte de informação são as centrais de balanços (tais como Dun & Bradstreet, Banco Português do Atlântico e Banco de Portugal), bem como a informação publicada pelas associações de indústria e comércio.

Outra fonte possível, são os relatórios de contas das empresas concorrentes. Podem construir-se inúmeros rácios, mas a sua utilização vai depender sobretudo dos objectivos de análise: qual a natureza dos fenómenos que se pretende medir ou revelar, quais as fontes de informação que se vão utilizar, etc.

Tipos de Rácios[editar | editar código-fonte]

Apesar de se poderem construir inúmeros rácios, a sua utilização depende dos objectivos da análise: qual a natureza dos fenómenos que pretende revelar ou medir, quais as fontes de informação utilizadas, etc.

Quanto aos fenómenos a revelar, estes podem ser rácios financeiros, económico-financeiros, técnicos e de funcionamento.

Definição de Alguns Rácios[editar | editar código-fonte]

Rácios de Rendibilidade Chama-se rácio de rendibilidade ao indicador (expresso em %) da relação entre o resultado (lucro ou prejuízo) e as vendas ou uma grandeza de capital. Podem ter - se assim vários indicadores de rendibilidade. Numa empresa, a rendibilidade toma três dimensões distintas segundo os objectivos da análise: rendibilidade comercial, rendibilidade económica e rendibilidade financeira.

Rendibilidade comercial Está estreitamente relacionada com a política de preços da empresa e a margem bruta que esta reserva sobre o preço de custo das mercadorias vendidas. É o Rácio que analisa a relação entre os resultados e as vendas. Consoante o tipo de numerador, assim se tem uma diferente noção de rendibilidade das vendas.

A Rendibilidade operacional das vendas É independente da política financeira adoptada pela empresa (antes de encargos financeiros) e a incidência fiscal resultante da sua política de investimento (dotações às amortizações), dependendo evidentemente, do sector de actividade em causa e do grau de integração vertical do ciclo de produção.

Rendibilidade líquida das vendas Obtém-se a partir da margem líquida obtida pela empresa após a dedução de todos os encargos.

Rendibilidade financeira A rendibilidade dos capitais próprios analisa a remuneração que eles geram. Este rácio pode considerar-se o mais importante em finanças empresariais. Mede a rentabilidade absoluta entregue aos accionistas. Um bom número traz êxito ao negócio, tornando fácil atrair novos fundos que permitirão à empresa crescer, havendo condições favoráveis de mercado, e isso, por sua vez, conduz a maiores proveitos. É a medida de eficiência privilegiada dos accionistas e investidores.

Rendibilidade Económica Caso se queira analisar a rendibilidade, separadamente das decisões financeiras, tem de se recorrer ao rácio Rendibilidade do Activo, que é um rácio de avaliação do desempenho dos capitais totais investidos na empresa, independentemente da sua origem (próprios ou alheios): A rendibilidade do investimento total permite avaliar a eficácia da aplicação de capital na operação. Este é o melhor indicador para comparações entre empresas. Pode ainda ser comparado com o custo do capital alheio, podendo concluir-se se o endividamento pesa favorável ou desfavoravelmente na rendibilidade dos capitais próprios. É um rácio que de avaliação do desempenho dos capitais totais investidos na empresa.

Rácios de Funcionamento Os rácios de funcionamento servem para analisar a eficiência das decisões na gestão dos recursos aplicados. Os rácios de funcionamento apuram - se em termos. Devem utilizar - se valores médios de balanço de forma a não serem afectados pelos valores acidentais em determinadas datam do balanço. Estes rácios só têm sentido se comparados dentro do mesmo sector e entre empresas com características tecnológicas e de mercado semelhante.

Rácios Rotação do Activo É o rácio que indica o grau de utilização dos activos. Um rácio muito elevado pode significar que a empresa está a trabalhar perto do limite de capacidade. O inverso pode significar subutilização de recurso.

Rotação das Existências Evidencia os efeitos da gestão ao nível dos armazéns.

Prazo médio de Recebimentos É o rácio que mede a celeridade com os seus clientes com que os clientes costumam pagar suas dívidas

Prazo médio de Pagamentos É o rácio que mede a celeridade com que a empresa costuma pagar as suas dívidas aos fornecedores.

Rácios Baseados no Mercado É muito útil ao director de marketing e ao director de produção, a fim de definirem as suas estratégias e linhas de actuação, conhecerem respectivamente, os preços e o custo unitário dos produtos concorrentes. O mesmo acontece com o director financeiro relativamente aos indicadores de mercado. São rácios fundamentais para todos os investimentos e credores da empresa.

Liquidez Geral Esse índice mostra se a empresa tem a capacidade de honrar os seus compromissos em curto e longo prazo.

Este rácio também nos indica em que medida o passivo de curto prazo está coberto por activos que se esperam a ser convertidos em meios financeiros líquidos num período correspondente ao vencimento das dívidas de curto prazo, como também em circunstâncias normais uma empresas com dificuldades tenderá a pagar as dividas mais lentamente o que em princípio leva a aumentar o seu passivo de curto prazo.

Podemos concluir que o interesse do rácio reside numa hipótese improvável para a maioria das empresas que é a imediata liquidação do seu activo circulante e o vencimento dos créditos de curto prazo.

Liquidez Corrente Simples divisão entre ativo circulante e Passivo Circulante produz o Índice de Liquidez Corrente, que reflete a capacidade de pagamento da empresa no curto prazo. O crescimento exagerado das contas a receber, principalmente quando ocasionado por aumento de inadimplência, ou ainda o aumento dos estoques, devido a falhas em linhas de produção ou obsolescência, devem ser expurgados do cálculo desse índice.

Liquidez Reduzida A liquidez reduzida é uma medida mais severa da posição líquida da empresa. Dá a ideia clara da capacidade da empresa para, sem grandes riscos, ser capaz de solver os seus compromissos de curto prazo. É utilizado com a mesma finalidade do rácio de liquidez geral, mas admite que as existências não poderão ser transformadas de imediato em dinheiro. Este rácio fazendo a comparação entre o glg e o glr permite destacar o peso das existências numa empresa.

Liquidez Imediata Um terceiro indicador de liquidez é aquele que restringe ainda mais o conceito de activos líquidos, cingindo-os às disponibilidades e aplicações financeiras de curto prazo de uma empresa. É utilizada pelos analistas que pretendem conhecer o grau de cobertura dos passivos circulantes por disponibilidades:(Depósitos Bancários+Caixa+Títulos Negociáveis) / Passivo Circulante.

Este indicador em algumas situações poderá dar-nos informação útil sobre a situação financeira da empresa.

Também temos que ter em conta que aquilo que é actualmente uma prosperidade financeira poderá num curto espaço de tempo deixar de o ser se a empresa dispensar os activos líquidos existentes em investimentos de longo prazo,tornando imprescindível o conhecimento da capacidade da exploração em geral meios líquidos. Todos têm que ter em conta que mais fácil gastar dinheiro do que gerá-lo.

Endividamento Geral Mede o montante da dívida em relação ao património líquido da empresa. Em termos de risco para a empresa, quanto menor for o endividamento, melhor. No entanto, se a empresa (ou os seus proprietários) tiverem a possibilidade de realizar investimentos a taxas superiores àquelas que pagam pelo endividamento é preferível contrair dívida pois maximizará o lucro da empresa. Ou seja, o grau óptimo de endividamento de uma empresa está directamente relacionado com o custo de oportunidade dos capitais investidos.

Solvência Geral A solvência geral mostra a base da situação financeira da empresa, ou seja, a capacidade da mesma em satisfazer suas obrigações de curto prazo, na data do vencimento. Quanto maior, melhor.

Capital de Giro O capital de giro precisa de acompanhamento permanente, pois está continuamente sofrendo o impacto das diversas mudanças enfrentadas pela empresa. Solução definitiva para o problema do capital de giro consiste na recuperação da lucratividade da empresa e a consequente recomposição de seu fluxo de caixa. Esta solução exige a adoção de medidas estratégicas de grande alcance que vão desde o lançamento de novos produtos ou serviços e a eliminação de outros, adoção de novos canais de venda ou até mesmo a reconfiguração do negócio como um todo. Desse modo, a solução dos problemas de capital de giro de uma empresa requer muito mais do que medidas financeiras. Estratégias, operações e práticas gerenciais, entre outras, precisarão ser repensadas para que o capital de giro volte ao estado de normalidade.

Necessidade de Capital de Giro - A necessidade de capital de giro é função do ciclo de caixa da empresa. Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de capital de giro é maior e vice-versa. Assim, a redução do ciclo de caixa - em resumo, significa receber mais cedo e pagar mais tarde - deve ser uma meta da administração financeira. Entretanto, a redução do ciclo de caixa requer a adoção de medidas de natureza operacional, envolvendo o encurtamento dos prazos de estocagem, produção, operação e vendas. O cálculo através do ciclo financeiro possibilita mais facilmente prever a necessidade de capital de giro em função de uma alteração nas políticas de prazos médios ou no volume de vendas.

Perante os factos e noções a tomar em conta, salienta-se os cálculos de maior relevância para a obtenção dos rácios e comparações precisas, daí:

Rácios de Liquidez:

Liquidez Geral = Activo Total / Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo

Liquidez Reduzida = (Activo Circulante - Existências) / Passivo Circulante

Liquidez imediata = (Depósitos Bancários + Caixa + Títulos Negociáveis) / Passivo Circulante

Estes rácios de Liquidez irão permitir aos analistas de crédito analisar a capacidade de reembolso dos empréstimos para um curto prazo.

Sendo um indicador utilizado pela quase generalidade das instituições financeiras como ferramenta importante na sua apreciação de crédito da empresa salientamos que é extremamente frequente que uma evolução extremamente "favorável" deste indicador reflicta não a melhoria mas a degradação da sua liquidez.

Como por exemplo numa situação em que uma empresa enfrenta atrasos de pagamentos dos seus clientes e enfrenta dificuldades no escoamento dos seus stocks afecta a muito curto prazo a capacidade da empresa em satisfazer os seus compromissos de curto prazo.

No entanto o que sucede ao rácio de Liquidez Geral? Os dois acontecimentos, aumento das existências e crédito sobre clientes, contribuem para um aumento do grau de liquidez geral e não uma diminuição dando por consequência indicações completamente opostas das esperadas do indicador de liquidez.

Podemos concluir deste modo que o real interesse do grau de liquidez geral reside numa hipótese largamente improvável para a maioria das empresas que é a imediata liquidação do seu activo circulante e vencimentos dos seus crédito de curto prazo.[3]

Rácios de Funcionamento:

Estes rácios de funcionamento servem para analisar a eficiência das decisões na gestão de recursos aplicados. Apuram-se consoante a rotação ou em dias de funcionamento.

Rotação do Activo = Volume de negócios / Activo médio

Representa o grau de utilização dos activos, sendo que rácios elevados podem indiciar que a empresa está a trabalhar no limite da sua capacidade. O contrário pode indiciar um desaproveitamento de recursos.

Rotação das Existências = Volume de negócios / Existências médias

Este rácio quando elevado é considerado como um sinal de eficiência. No entanto, pode também indiciar rupturas frequentes de stock.

Permanência Média das Matérias Primas em Armazém = Existências Médias de Matérias-primas*365 / Custo das Matérias Consumidas

Permanência Média de Produtos em Curso = Existências Médias de Produtos em Curso*365 / Custo de Produção

Permanência Média dos Produtos Acabados em Armazem = Existências Médias de Produtos Acabados*365 / Custo dos Produtos Vendidos

Permanência Média das Mercadorias em Armazem = Existências Médias de Mercadorias*365 / Custo das Mercadorias Vendidas

Medidas de redução de stock, em função do objectivo de reduzir a permanência em armazém, diminuem estes racios

Prazo médio de Recebimento = Créditos Comerciais*365 / Vendas e Prestação de Serviços c/ IVA

Prazo médio de Pagamento = Débitos Comerciais*365 / Compras e Fornecimentos c/IVA

Estes rácios dão informação sobre o ciclo de exploração da empresa. Um rácio elevado no prazo médio de recebimento é desvantajoso, podendo ter origem na ineficiência de cobrança da empresa ou falta de poder negocial da empresa perante os clientes. No prazo médio de pagamento um rácio elevado pode indiciar um poder negocial da empresa elevado perante os seus fornecedores ou também dificuldades da empresa em satisfazer os seus compromissos.

Rácios de rentabilidade:

Rentabilidade dos Capitais Próprios

O rácio de Rentabilidade dos Capitais Próprios (RCP), constitui o indicador de rentabilidade mais utilizado pelos analistas financeiros, e é calculado da seguinte forma:

RCP = RL / CP, em que RL = Resultados Líquidos e CP = Capitais Próprios.

Este rácio permite aferir a capacidade da empresa em remunerar os seus accionistas/sócios.

Rentabilidade das Vendas

O rácio de Rentabilidade das Vendas serve para analisar a relação entre os resultados líquidos e as vendas e o seu cálculo é efectuado da seguinte forma:

(1) RV = RL / V, onde RL = Resultados Líquidos e V = Vendas + Prestação de Serviços.

Esta é a versão mais vulgarizada, no entanto existe um segundo conceito para cálculo deste rácio, que não recorre ao lucro líquido mas ao cash-flow tradicional (= resultados líquidos + amortizações + provisões). Assim temos:

(2) RV = CF / V, onde CF = Cash-Flow (tradicional) e V = Vendas

Este rácio permite estudar a estrutura de custos de uma sociedade.

Rentabilidade do Activo

O rácio de Rentabilidade do Activo é um rácio de avaliação do desempenho dos capitais totais investidos na empresa, independentemente da sua origem (próprios ou alheios). Procura relacionar os resultados antes de impostos e encargos financeiros com o activo total da empresa, sendo calculado da seguinte forma:

RA = RO / A, onde RO = Resultado Operacional e A = Activo

Este rácio permite analisar a rendibilidade separadamente das decisões financeiras.

Efeito dos Custos Fixos

Efeito dos Custos Fixos = Resultados Operacionais / Margem Bruta

Este rácio, cujo valor se espera ser > 1, indica-nos o peso dos custos fixos na margem bruta das vendas.

Rácios de Endividamento:

Endividamento = Capitais Alheios / Capitais Totais

Debt to Equity Ratio = Capitais Alheios / Capitais Próprios

Peso do Endividamento Longo Prazo = Capitais alheios a longo prazo / Capitais Totais

Debt to Equity ratio de estrutura = Capitais alheios de longo prazo / Capital Próprio

Estrutura de Endividamento = Capitais alheios de curto prazo / Capitais alheios

Estes rácios de alavanca financeira e risco, servem para analisar as dívidas da empresa.

Taxa de Juro Média = Juros Suportados / Dívida Sujeita a Juros

Este rácio permite-nos conhecer a taxa média a que a empresa adquire o capital de que necessita.

Rácios de Estrutura: Autonomia Financeira = Capital Próprio / Activo Total Liquido

Solvabilidade = Capital Próprio / (Passivo+Interes.Mintr)

Estrutura de capitais = Capitais Alheios / Capitais Próprios

Estes rácios analisam o peso do capital próprio relativamente a capitais alheios, passivos e activos.

Tipos de Indicadores[editar | editar código-fonte]

Os indicadores/rácios financeiros podem ser agrupados em várias classes:

Indicadores de Liquidez[editar | editar código-fonte]

Estes indicadores têm por objectivo medir a capacidade que a empresa tem para honrar os seus compromissos financeiros no curto prazo, isto é, analisam em que medida a empresa está em condições de cumprir as obrigações de natureza financeira, tais como o pagamento das matérias-primas, dos salários, da energia, etc.

Podemos salientar como indicadores de liquidez:

Grau de Liquidez Geral = Activo Circulante/Passivo de curto prazo

Este rácio mostra-nos a capacidade que a empresa tem para solver os seus compromissos de curto prazo, isto é, activos que se espera que sejam convertidos em liquidez num período semelhante ao das responsabilidades.

Quando o seu valor é superior a um, é frequentemente assumido que a empresa possui uma boa situação financeira no curto prazo. Há no entanto que tomar em consideração o ciclo de exploração da empresa e os tempos médios de recebimento e pagamento.

Ao analisar este rácio, deveremos ter alguma atenção para que não sejamos induzidos em erro, pois este pode fornecer-nos indicações contrárias às que se deveriam esperar por um indicador de liquidez.

Grau de Liquidez Reduzida ("Acid Test") = Activo maneável/Passivo de curto prazo

Activo maneável = Activo Circulante - Existências

Relativamente ao anterior exclui as existências do numerador. Este rácio indica se as parcelas do Activo Circulante mais líquidas (Disponíveis e Realizáveis) são suficientes para cobrir o Passivo (dívidas) de Curto Prazo. O seu valor para uma empresa que honra os compromissos é normalmente superior a um, mas, pode ser inferior a um, sem que isso signifique que a empresa tem dificuldades financeiras. Basta para isso, que a empresa consiga gerar Disponíveis e Realizáveis a uma cadência superior ao Passivo (dívidas).

Grau de Liquidez Imediata = Disponibilidades/ Passivo de curto prazo

Disponibilidades = Depósitos bancários + Caixa + Títulos negociáveis

Este indicador difere do anterior porque exclui do numerador as dívidas de terceiros. Apesar da grande homogeneidade das rubricas que figuram no activo a sua utilidade prática é muito reduzida visto que as empresas se esforçam por terem uma tesouraria nula. Portanto o valor do rácio ou é zero, ou aproxima-se dele.

Caso contrário, uma relação superior ou próxima de um, pode querer dizer: uma Tesouraria Ociosa, valores disponíveis subutilizados ou/e decréscimos de actividade. Na existência de valores aplicados em títulos de negociação ou outras aplicações, este raciocínio não se aplica.

É importante referir que a avaliação deste indicador deve ter em conta eventuais especificidades de uma determinada empresa ou sector. Por outro lado, é importante proceder a uma análise dinâmica deste indicador, ou seja, proceder à sua comparação e avaliação da evolução ao longo do tempo, na medida em que eventuais variações podem indiciar a ocorrência de algum desequilíbrio ao nível da gestão operacional da empresa a que se refere.

Indicadores de Rentabilidade[editar | editar código-fonte]

Podemos salientar: isso

Rentab.das Vendas (ou margem das vendas)=Resultados Líquidos/Vendas+Prest Serviços

Analisa a relação entre os resultados e as vendas.

Indica-nos a margem total das vendas após os efeitos produtivos (exploração), financeiro e fiscal.

Rentab. da Produção = Resultado Liquido/Produção

Exprime a geração de fundos que a produção proporciona após remunerar os diferentes factores produtivos e pagar os impostos que incidem sobre o rendimento das sociedades. É mais usual nas empresas industriais.

Rentab. do Activo = RAIEF[4] /Activo

Exprime a rentabilidade do activo da empresa. É um rácio útil quando se quer analisar a rentabilidade de forma separada das decisões financeiras. A maioria das empresas está interessada que com um mínimo de activos seja gerado o maior resultado possível. É o chamado "Earning Power). Este indicador além de ser útil ao cálculo da rentabilidade, é importante para a definição da estrutura de capitais ou do endividamento das empresas., permitindo aferir se um aumento de endividamento potencia ou amortece a rentabilidade dos capitais próprios de uma empresa. Se o custo do capital alheio for inferior a este rácio, um aumento de dívida melhora a rentabilidade dos capitais próprios da empresa; se for superior, um aumento de endividamento deteriora a rentabilidade dos capitais próprios da empresa, isto é, diminui a sua rentabilidade financeira.

Este rácio reflecte o efeito conjunto da Margem da empresa (Rentabilidade das Vendas antes Encargos Financeiros e Impostos)e da Rotação dos seus activos, como se pode constatar pelo desdobramento do ráci:

Rentabilidade Activo = RAEFI[4] /Activo = RAEFI/Vendas x Vendas/Activo

Rentab. dos Cap Próprios = Resultado Líquido / Capitais Próprios

É o chamado ROE ou "return on equity". É um rácio de grande utilidade para os investidores porque pretendem conhecer a rentabilidade das suas aplicações. Em muitas empresas, a adopção de um valor alvo a atingir para este indicador afigura-se muitas vezes como um dos objectivos de gestão da empresa.

Análise Dupont[editar | editar código-fonte]

A análise Dupont é uma técnica que procura analisar a evolução da rentabilidade dos capitais próprios através da decomposição desta em vários factores explicativos. Estes incluem rácios de rentabilidade, de actividade e de autonomia financeira.

A análise Dupont assume duas modalidades:

- Análise Sintética

RCP = (RL/Vnd).(Vnd/A)/(SL/A)

Considera três factores explicativos na formação da rentabilidade dos capitais próprios: a rentabilidade das vendas, a rotatividade das vendas e a autonomia financeira.

Assim, uma empresa pode melhorar a rentabilidade dos seus capitais próprios aumentando qualquer um dos termos do numerador (rentabilidade das vendas ou rotatividade das vendas) ou diminuindo o termo do denominador (autonomia financeira).

O 1º Termo (RL/Vnd) rentabilidade das vendas, é um indicador em que as empresas mais direccionadas para nichos de mercado devem ter em bastante atenção, dado que esses mercados por natureza não permitem grandes possibilidades no que respeita a grandes variações de quantidades vendias.

O 2º Termo (Vnd/A) rotatividade das vendas, exprime o valor das vendas por unidade de activo e é um indicador em que as empresas direccionadas ao mass market mais têm em atenção, dado que a sua rentabilidade, depende grande parte da manutenção ou ganho de quota de mercado. Por vezes podemos assistir a empresas que voluntariamente diminuem a sua rentabilidade das vendas para que o aumento da rotatividade das vendas supere essa perda.

O 3º Termo (SL/A) autonomia financeira, é um indicador em que as empresas devem gerir de acordo a maximizar a rentabilidade dos seus capitais próprios através do mecanismo da "alavancagem financeira" e o nível óptimo do endividamento estudados por "Modigliani e Miller"

- Análise Desenvolvida

RCP=(RAIEFRE/Vnd).(Vnd/A).(RAIRE/RAIEFRE).(A/SL).(RAI/RAIRE).(RL/RAI)

Notas:

  • RCP= rentabilidade dos capitais próprios
  • RL = resultados líquidos
  • Vnd = vendas
  • A = activo
  • RAIEFRE = resultados antes de impostos, encargos financeiros, resultados extraordinários
  • SL = situação líquida
  • RAI = resultados antes de impostos

O 1º termo da fórmula traduz em termos globais a chamada rentabilidade operacional do activo, que representa o produto de dois rácios, a rentabilidade operacional das vendas e a rotação do activo.

O 2º termo representa o que podemos chamar efeito da alavancagem financeira. O primeiro desses efeitos será, em princípio, desfavorável do ponto de vista da sua contribuição para a formação da RCP (e do lucro da empresa) já que assumirá em geral valores inferiores a um. É este o efeito com que a generalidade dos gestores se preocupa mais e que decorre directamente do pagamento de encargos financeiros. O segundo dos efeitos, porventura menos considerado pelos responsáveis das empresas traduz-se num efeito favorável (valor do indicador superior a um) que tem a ver com o peso relativo dos capitais próprios no activo da sociedade (inverso da autonomia financeira).

O efeito conjunto dos dois indicadores em termos da sua contribuição líquida para a formação da RCP não é imediato, podendo ser neutro, positivo ou negativo. Tal dependerá do comportamento relativo do crescimento dos encargos financeiros em relação aos resultados operacionais à medida que a empresa aumenta o seu grau relativo a recursos a capitais alheios.

O terceiro termo representa, conforme facilmente se verificará, o efeito dos resultados extraordinários. O valor desse efeito poderá ser maior, igual ou inferior a um consoante a empresa apresente resultados extraordinários líquidos positivos, nulos ou negativos, respectivamente. A observação deste efeito permite facilmente apreciar em que medida os resultados extraordinários têm sido ou não responsáveis pela formação ou evolução da rentabilidade dos capitais próprios de uma sociedade. Poder-se-á deste modo ajuizar mais adequadamente a chamada "qualidade" dos resultados, isto é, a medida em que estes poderão manter-se no futuro. Isto porque, por definição, os resultados extraordinários são eventos não recorrentes.

O último efeito considerado pela expressão acima consiste no efeito fiscal. Facilmente se verifica que o seu valor poderá ser inferior ou igual a um, respectivamente, se a empresa for ou não pagadora de impostos.

Não obstante a RCP apresentar limitações graves enquanto medida da rentabilidade para os proprietários da empresa ou como objectivo a prosseguir pelos responsáveis da empresa julga-se que tal não invalida alguma utilidade para a análise Dupont.

De facto, ao procurar identificar as diversas componentes que contribuem para a formação da RCP poder-se-á, através desta técnica, analisar alguns importantes aspectos que são relevantes para uma compreensão da evolução das actividades da empresa. Nomeadamente, permite uma chamada de atenção para eventuais alterações verificadas no domínio operacional, financeiro, fiscal ou sobre eventos não recorrentes que possam ter afectado algumas das mais importantes rubricas da evolução económico-financeira da empresa mas que nem sempre são de imediata percepção.

Indicadores de Estrutura ou Endividamento[editar | editar código-fonte]

Estes indicadores procuram dar indicações sobre o grau de intensidade de recurso a capitais alheios no financiamento de uma empresa. Dentro dos mais importantes:

Autonomia Financeira = Capitais próprios / (Capitais Próprios + Passivo)

Este rácio é um dos rácios de endividamento mais populares, e exprime em que medida o activo está a ser financiado por capitais próprios e por capitais alheios, ou seja pelo esforço financeiro dos accionistas e dos credores se o valor for significativamente baixo significa que há maior perigo de falência. No entanto isto depende muito de setor para setor. Por exemplo, os bancos têm tradicionalmente uma Autonomia Financeira baixa devido a maior do Ativo ser constituída pelos depósitos de clientes.

Debt do Equity Ratio = Passivo total/Capitais próprios ou Passivo MLPrazo/Capitais Próprios

É usado para analisar a relação entre as dívidas e os capitais próprios.

O rácio cobertura dos encargos financeiros mede o grau com que a exploração consegue cobrir os encargos financeiros. Existem duas versões:

Cobertura dos Encargos Financeiros = Resultados operacionais / Encargos financeiros

Cobertura dos Encargos Financeiros = Excedente Bruto de Exploração/Encargos financeiros

Período de recuperação da dívida =Empréstimos em dívida / Autofinanciamento[5]

Este rácio dá-nos uma estimativa do número de anos em que a empresa é capaz de pagar as suas dívidas, admitindo que tudo se mantém constante.

Variabilidade dos resultados operacionais = (Res operac t – Res operac em t-1)/média dos resultados operacionais

A análise da variabilidade dos resultados operacionais é útil para a análise de risco. Se o rácio de cobertura dos encargos financeiros indicam que ela é baixa, então é conveniente analisar a variabilidade dos resultados operacionais como forma de análise do risco.

Indicadores de Actividade[editar | editar código-fonte]

Estes indicadores procuram caracterizar aspectos operacionais das actividades económicas de uma empresa, nomeadamente, os que procuram determinar a rapidez com que uma empresa cobra os seus créditos de clientes, regulariza as suas dívidas para com os fornecedores e faz "rodar" os seus stocks de existências.

Rotação do Activo = Vendas totais (inclui prest serv)/Activo

Este rácio indica-nos qual o grau de utilização dos activos.

Podemos dizer que o aumento do valor deste rácio ao longo do tempo poderá significar uma melhor eficiência no aproveitamento dos activos da sociedade.

Tempo Médio de Recebimentos = (Clientes/(Vendas+Prest Serv).(1+IVAv)). 365

O rácio procura evidenciar o prazo médio que os clientes da empresa estão a demorar a regularizar as suas responsabilidades. A empresa tem todo o interesse em estudar este rácio para analisar, por um lado, a sua política de crédito, e por outro lado, a eficácia dos serviços financeiros.

Tempo Médio de Pagamento = (Fornecedores/(Compras+FSE).(1+IVAv)).365

Este rácio dá-nos uma ideia do tempo que demoramos a pagar aos nossos fornecedores após fazermos as compras. Um valor muito elevado pode significar dificuldades da empresa em satisfazer as suas obrigações.

Tempo médio de rotação das existências

Numa empresa comercial ou de serviços = (Existências/ CEVMC[6] ). 365

Numa empresa industrial = (Existências/CEVMC+Desp c/pessoal+FSE). 365

Este rácio exprime o número de vezes que as existências em armazém têm de rodar para satisfazerem os consumos anuais da empresa.

Indicadores Baseados no Mercado[editar | editar código-fonte]

Estes rácios são úteis para os investidores, credores da empresa, bem como para a direcção financeira da empresa. Todos os rácios de mercado são muito usados como instrumentos de comparação do valor das empresas.

Como exemplos de alguns rácios podemos salientar, entre muitos outros:

Price Earning Ratio (PER) = Preço de cotação/Resultados por acção

Price to Cash Earnings (PCE) = Preço de cotação/ Cash earnings por acção[7]

Rendimentos em dividendos = (Dividendo por acção/Preço de cotação)%

Market to Book Value = Preço de cotação/Valor contabilístico por acção

EV to EBIT = EV / Resultados operacionais

EV to EBITDA = EV / Excedente bruto de exploração

Nota:

  • EV = enterprise value = valor de mercado dos capitais investidos na empresa líquidos de disponibilidades
  • EBITDA = resultados operacionais mais amortizações do exercício e variação de provisões do exercício

Limitações dos Rácios[editar | editar código-fonte]

Nos tempos que correm, o recurso à técnica de análise através de rácios tem vindo a utilizar-se com frequência para quase todos os fins. Por isso, convém alertar que este instrumento de análise financeira possui algumas limitações:

  • Os rácios tratam apenas dados quantitativos;
  • As decisões de curto prazo podem afectar profundamente os documentos financeiros, assim como os rácios que lhe são inerentes;
  • A comparação de rácios entre empresas do mesmo sector, ou com médias do sector, pode ser incorrecta pelas diferenças das práticas contabilísticas das empresas;
  • Não existe uma definição normalizada a nível nacional e internacional de cada rácio;
  • A contabilidade é feita aos custos históricos, pelo que a inflação verificada na economia afecta formas diferentes as empresas.

Análise Dinâmica[editar | editar código-fonte]

A análise dos fluxos pode ser vista quer como complementar quer como substituta da análise estática. Consiste em analisar as origens e aplicações de fundos na altura de fecho das contas.[8] Os dados para a análise dinâmica podem ser encontrados nos anexos às Demonstrações Financeiras.

Análise da Qualidade dos Resultados[editar | editar código-fonte]

Do que se pode ver anteriormente, os aspectos limitadores da análise dos rácios resultam da qualidade das informações por parte da contabilidade. Por isso, o analista tem de ter sempre em conta a qualidade dos resultados. A utilidade desta análise centra-se principalmente, na identificação dos sinais de perigo sobre os resultados futuros.

Apesar de não haver uma concreta definição quanto à qualidade dos resultados, a prática sugere alguns factores de alta qualidade:

  • Regras contabilísticas - baseadas nos princípios gerais da contabilidade, de forma a que o apuramento de resultados seja comedido e consistente ao longo dos anos;
  • Origem dos resultados - devem ter origem da actividade normal da empresa, e não de actividades esporádicas ou extraordinárias;
  • Fluxos de caixa - vendas e custos que se transformem rapidamente em pagamentos e recebimentos;
  • Fiscalidade - não estar demasiado dependente de favorecimentos pela lei fiscal, pois no caso desta se alterar, poderá haver o risco de grande variação nos resultados;
  • Situação financeira - estrutura de capital e endividamento em níveis considerados razoáveis;
  • Meio envolvente económico - evitar que haja um forte impacto nos resultados em caso de evolução da inflação ou movimentos cambiais;
  • Volatilidade - evolução dos resultados deve ser estável, de modo a servir de indicativo para o futuro;
  • Activos - devem estar preparados para futuros condicionamentos, e também possuir um activo circulante facilmente realizável;
  • Objectivos do utilizador - os resultados devem ser apresentados de forma consistente, de modo a satisfazer as necessidades do analista;

Factores que afectam a Qualidade dos Resultados (QdR)[editar | editar código-fonte]

QdR e Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Factores políticos, económicos, etc., podem afectar a qualidade dos resultados. Estes factores normalmente não são controláveis pelos gestores. É o caso das empresas que actuam em países com instabilidade política e económica, onde há o risco de nacionalização, controlo generalizado sobre os preços ou sobre o movimento de capitais, etc.

QdR e Sector de Actividade[editar | editar código-fonte]

Deve-se ter em conta o sector de actividade em que a empresa actua, pois as práticas contabilísticas aceites num sector, podem ser rejeitadas noutros.

QdR e Aspectos de Gestão da Empresa[editar | editar código-fonte]

Quanto maior a variabilidade potencial dos resultados, menor a qualidade destes e maior o risco para o accionista.

Um elevado grau de alavanca operacional é um factor de risco para a evolução dos resultados.

Elevados graus de alavanca financeira tendem a tende a tornar os resultados mais voláteis, dái menor qualidade dos resultados.

Rentabilidade, QdR e Preço de Mercado[editar | editar código-fonte]

Quanto maior a qualidade dos resultados, maior o rácio PER.

Menor qualidade dos resultados significa volatilidade e incerteza, logo, o investidor tem tendência a atribuir menos valor a essas empresas, pelo que os PER desse tipo de empresas são mais baixos.

O investidor tem tendência para ter mais confiança nas empresas que são transparentes na comunicação e na análise dos seus resultados. Fazendo com que essas empresas tenham tendência para ter PER mais elevados.

QdR e Sinais de Perigo[editar | editar código-fonte]

Uma das importâncias do exame da qualidade dos resultados é a de identificar alterações no valor da empresa que podem não ser claras nos indicadores de medida do desempenho económico e financeiro.

Os aspectos contabilísticos que podem chamar a atenção para sinais de perigo são:

  • relatório de auditores - pode mostrar desacordo entre os gestores e os auditores quanto à contabilização de algumas transacções;
  • redução dos custos geríveis - deve averiguar-se se estas decisões não estarão a comprometer os resultados a médio longo prazo;
  • mudança de métodos contabilísticos:
    • aumento do volume de créditos de clientes - podem estar a criar-se dificuldades financeiras a curto prazo e a aumentar o risco de cobrança duvidosa;
    • alteração do tempo médio de existências - dificuldades de venda;
    • aumento das letras e outros títulos a pagar - dificuldades de liquidez;
    • aumento dos intangíveis;
    • volume de despesas com custo diferido;
    • quebra da margem de contribuição em percentagem das vendas;
    • aumento de empréstimos;
    • aumento das provisões para riscos e encargos.

De toda esta análise podemos facilmente concluir que um dos aspectos limitativos da análise dos rácios resulta principalmente da qualidade da informação que advém a contabilidade, logo, toda a cautela é pouca na sua utilização. De qualquer forma, um bom analista procura sempre determinar a qualidade dos dados em que baseou a sua análise, pois é uma garantia de validade das conclusões por si retiradas.

Análise do Equilíbrio Financeiro[editar | editar código-fonte]

Geralmente diz-se que só uma estrutura financeira equilibrada permite à empresa um funcionamento normal. Esta análise tem como base o balanço. Quanto à noção de equilíbrio, pode ser encarada de duas maneiras, que se complementam:

  • como uma obrigação jurídica e de preocupação dominante dos credores de a empresa estar apta a solver os seus compromissos nas datas de vencimento respectivas;
  • como uma necessidade de manter o equilíbrio funcional entre os recursos, tendo em conta a sua estabilidade e as aplicações, observando o seu destino.

Equilíbrio Financeiro na Análise do risco Financeiro[editar | editar código-fonte]

Como se sabe as decisões de gestão têm efeito sobre os resultados operacionais, mas para além disso, o gestor deverá tomar também decisões quanto à estrutura financeira, ou seja, sobre a forma de financiamento do activo, capitais próprios e alheios. Estas decisões de carácter financeiro poderão ser favoráveis para a rentabilidade do activo, mas por outro lado, induzem um risco adicional sobre a rentabilidade dos capitais próprios (risco financeiro).

Análise Patrimonial do Risco Financeiro[editar | editar código-fonte]

Nesta análise estuda-se a capacidade que uma empresa tem para satisfazer as suas obrigações de pagamento nas datas exigidas. Através do balanço, faz-se o estudo da liquidez.

Para esta análise desenvolvem-se os conceitos de grau de liquidez e exigibilidade, de acordo com o seguinte agrupamento das rubricas de balanço em função desse grau:

  • Activo Fixo:
    • activos com grau de liquidez fraco;
    • a sua transformação em dinheiro é lenta e sempre superior a um ano.
  • Activo Circulante:
    • activos de elevado grau de liquidez;
    • transformam-se em dinheiro num prazo inferior a um ano.
  • Capital Permanente:
    • são capitais com grau de exibilidade reduzida;
    • as datas de vencimento são a mais de um ano de vista da data do balanço.
  • Capital Circulante:
    • dívidas com elevado grau de exibilidade;
    • as suas fatas de vencimento ocorrem no perído máximo de um ano.

A teoria tradicional da análise financeira conclui que a empresa estará equilibrada a curto prazo desde que:

Activo Ciculante > Passivo Circulante

ou

Activo Circulante - Passivo Circulante >0

Esta diferença designa-se como Fundo de Maneio:

Fundo de Maneio = Activo Circulante - Passivo Circulante > 0

Em alternativa a uma análise com valores absolutos, é costume recorrer-se ao rácio:

(Activo Circulante / Passivo Circulante) > 1

Trata-se então do rácio de liquidez. Como o Fundo de Maneio deverá ser positivo para garantir a liquidez, então o rácio de liquidez deverá apresentar-se superior a 1.

O Fundo de Maneio também se pode calcular da seguinte forma:

Fundo de Maneio = Capitais Permanentes - Activo Fixo

A conclusão a que se chegou anteriormente de que o Fundo de Maneio tem de ser positivo para a empresa estar equilibrada, parte de conclusões erradas, pois a análise é demasiadamente estática. Esta parte do princípio de que a actividade da empresa pára, contradizendo o princípio contabilístico da continuidade dos exercícios em que assenta o Balanço.

Assim, actualmente, reconhece-se que o nível do Fundo de Maneio adequado está dependente de diversas variáveis, distinguindo-se a natureza e o volume da actividade.

Princípios Orientadores:

  1. o equilíbrio estará tanto mais assegurado quanto maior for o capital próprio e menor o alheio. Deste último, de estiver a médio e longo prazo, tanto melhor para o equilíbrio. A verificação deste princípio pode fazer-se através dos rácios de endividamento e estrutura do endividamento;
  2. verifica-se tanto mais equilíbrio quanto mais os capitais permanentes cobrirem os imobilizados e outros activos de crácter permanente. Este princípio leva normalmente à análise do Fundo de Maneio, da liquidez ou, em alternativa, à cobertura do imobilizado;
  3. quanto maior a rentabilidade do capital total em relação ao juro a pagar ao capital alheio, tanto melhores as condições de equilíbrio a prazo. Este princípio conduz à análise da rentabilidade e do efeito de alavanca financeira.

Análise Funcional do Equilíbrio Financeiro[editar | editar código-fonte]

Para ser possível esclarecer a influência de algumas políticas, como a política geral da empresa e as políticas operacionais, sobre os fluxos de caixa e o equilíbrio financeiro, será necessário estruturar o balanço funcional em três componentes:

  1. Fundo de Maneio Funcional
  2. Necessidades de Fundo de Maneio
  3. Tesouraria Líquida
Fundo de Maneio Funcional[editar | editar código-fonte]

Apura-se pela diferença entre capitais permanentes e o activo fixo.

O Fundo de Maneio Funcional (FMF) representa a parte de fundos estáveis que financia o ciclo de exploração. Se o seu valor for negativo, significa que parte dos fundos não estáveis estão a financiar activos fixos, o que constitui um factor de risco.

FMF = Capitais Permanentes - Activo Fixo

Necessidades de Fundo de Maneio[editar | editar código-fonte]

A noção de Necessidades em Fundo de Maneio está ligada à necessidade de financiamento do ciclo de exploração.

As Necessidades de Fundo de Maneio (NFM) subdividem-se em:

  • necessidades estruturais de fundo de maneio, resultantes da actividade normal da empresa;
  • necessidades temporárias de fundo de maneio, resultantes de factores sazonais ou conjunturais.

As NFM representam, quando o seu valor é positivo, as necessidades de financiamento do ciclo de exploração. Quando o seu valor é negativo, representam excedentes financeiros do ciclo de exploração.

As NFM são um meio de avaliação financeira dos esforços da gestão operacional e resultam da diferença entre as Necessidades Cíclicas e os Recursos Cíclicos.

NFM = Necessidades Cíclicas - Recursos Cíclicos

Tesouraria Líquida[editar | editar código-fonte]

A noção de TRL fornece uma informação sobre a situação de liquidez e mostra que o equilíbrio financeiro é o resultado da política estratégia (FMF) e da política de gestão operacional (NFM).[9]

O Balanço Funcional identifica para o 1º membro:

  • activo fixo ou aplicações de investimento - AF;
  • necessidades cíclicas - NC;
  • tesouraria avtiva - TA.

Para o 2º membro:

  • capitais estáveis - CE;
  • recursos cíclicos - RC;
  • tesouraria passiva - TP.

Tem-se então,

AF + NC + TA = CE + RC +TP

Sendo a Tesouraria Líquida (TRL) a diferença entre tesouraria activa e passiva, tem-se:

TRL = FMF - NFM

Esta relação quantifica e caracteriza de uma forma mais rigorosa a definição de equilíbrio financeiro.

Visto que o FMF é a parte de fundos permanentes que ficam disponíveis para financiar outros investimentos permanentes e as NFM são investimento de carácter permanente, conclui-se que existe equilívrio financeiro se o FMF for suficiente para financiar as NFM.

FMF - NFM ≥ 0

Como a Tesouraria Líquida é a diferença entre FMF e NFM, então o equilíbrio financeiro exige que:

TRL ≥ 0

Situações Financeiras Típicas[editar | editar código-fonte]

É possível identificar seis tipos de estruturas financeiras:

1- FM > 0, NFM > 0 e FM > NFMTRL > 0 -Tesouraria Superavitária, é a situação financeira normal, com uma certa segurança.

2- FM > 0, NFM > 0 e FM < NFMTRL < 0 -Tesouraria Deficitária, evidencia desequilíbrio financeiro, a empresa financia parte das suas necessidades ciclicas com operações de tesouraria, típica em empresas com um ciclo longo de exploração.

3- FM <0, NFM > 0TRL < 0 - Tesouraria Deficitária,evidencia uma situação financeira delicada, os capitais estáveis não são suficientes para financiar o activo fixo, não cumpre a regra de ouro do equilíbrio financeiro. A situação será tanto mais grave quanto mais negativa seja a tesouraria.

4- FM < 0, NFM < 0 e FM < NFM TRL < 0 -Tesouraria Deficitária, não apresenta liquidez nem garantia de segurança, geralmente representa situações arriscadas derivadas de crescimentos elevados face às capacidades financeiras.

5- FM <0, NFM < 0 e FM > NFMTRL > 0 -Tesouraria Superavitária, esta situação apresenta risco em caso de redução de actividade, poderá deixar de realizar fundos suficientes para suprir a exigibilidade das dívidas a pagar.Falta de segurança derivada da inexistência de fundo de maneio.

6- FM > 0, NFM <0TRL > 0 -Tesouraria Superavitária, as necessidades de fundo de maneio negativas são resultado de um ciclo de exploração favorável

Análise Integrada da Rendibilidade[editar | editar código-fonte]

A base do modelo apresentado em seguida assenta na teoria das alavancas e das vantagens competitivas.

Modelo Multiplicativo[editar | editar código-fonte]

A Rendibilidade do Capital Próprio pode decompor-se num modelo multiplicativo, com o seguinte método:

RCP = (MC/V) * (RO/MC) * (V/CI) * (CI/CP) * (RC/RO) * (RAI/RC) * (RL/RAI) = RL/CP

Área Operacional (Rendibilidade dos Capitais Investidos):

  • MC/V - Rendibilidade Bruta das Vendas
  • RO/MC - Efeito dos Custos Fixos
  • V/CI - Rotação dos Capitais Investidos

Área Financeira (Índice de Alavanca Financeira):

  • CI/CP - Múltiplo da Estrutura Financeira
  • RC/RO - Efeito dos Encargos Financeiros

Área Extraordinária:

  • RAI/RC - Efeito dos Resultados Extraordinários

Este conjunto de rácios permite fazer uma análise integrada da rendibilidade do capital próprio, permitindo compreender melhor a gestão de uma determinada empresa, percebendo de onde vem a rendibilidade dos capitais e também o impacto que cada rácio terá na mesma.

ADÃO A. GABRIEL

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Neves, João Carvalho das (2002) "Análise Financeira", Lisboa: Texto Editora
  2. Moreira, José António Cardoso (1997) "Análise Financeira de Empresas: da teoria à prática", Porto: Associação da Bolsa de Derivados do Porto
  3. Farinha, Jorge "Análise de Rácios Financeiros", em.
  4. a b resultados antes de impostos e encargos financeiros
  5. resultados líquidos + amortizações + provisões
  6. custo das existências vendidas e matérias consumidas
  7. em Português designa-se por autofinanciamento bruto = RL+Amort do exerc+var de provisões no exercício
  8. Cohen, Elie (1995) "análise Financeira", Lisboa: Editorial Presença
  9. Brealey, Richard A.; Myers, Stewart C. e Allen, Franklin (2007) "Princípios de Finanças Empresariais", Lisboa: McGraw-Hill