Anais dos Caqchiqueles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Os Anais dos Caqchiqueles (em espanhol Anales de los Cakchiqueles, também conhecido pelos títulos alternativos em espanhol Anales de los Xahil, Memorial de Tecpán-Atitlán e Memorial de Sololá), é um livro escrito na língua caqchiquel por Francisco Hernández Arana Xajilá em 1571 e completado pelo seu neto, Francisco Rojas em 1604. O livro relata a história, mitologia e lendas do povo caqchiquel.

O livro foi guardado na localidade de Sololá junto do lago de Atitlán, Guatemala, até à sua descoberta em 1844, e subsequentemente traduzido pelo abade Charles Etienne Brasseur de Bourbourg em 1855 (o mesmo tradutor do Rabinal Achí). A parte mítica e lendária, preservada oralmente ao longo de séculos, foi finalmente recolhida e mantida por membros do tinamit (clã) Xahil. A narrativa histórica continua com os feitos de reis e guerreiros e suas várias conquistas, a fundação de aldeias, e a sucessão de governantes até à época da conquista espanhola.

Tal como o Popol Vuh, os anais identificam a quase lendária Tulan como o local de onde todos eram originários, pelo menos a dada altura das suas várias migrações. Os textos diferem de outras fontes como a Historia de los Xpantzay de Tecpán Guatemala e O Título de Totonicapán, mas sobretudo do Popol Vuh, ao relatarem que os ancestrais caqchiqueles chegaram a Tulan, ch'aqa palow "através do mar", desde r(i) uqajib'al q'ij, "onde o sol desce, o oeste." A narrativa caqchiquel é bastante triste, descrevendo a partida dos ancestrais de Tulan acompanhada de maus augúrios e pressagiando morte e desapontamento. Faz também referência aos governantes quichés forçando o rei Q'uicab, O Grande a abandonar Chaiviar, Chichicastenango, e a dirigir-se para as montanhas Razamut para fundar Iximché, a capital caqchiquel à chegada dos conquistadores espanhóis.

O documento caqchiquel continua com um relato das suas viagens e dos lugares por onde passaram, terminando com um relato sóbrio e factual da conquista espanhola. Trata-se pois, da história nativa da conquista da Guatemala do ponto de vista dos vencidos, incluindo uma referência ao último rei caqchiquel Belejep-Qat, acabando os seus dias buscando ouro nos rios.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.