André Rio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

André Rio, nascido no Recife, é um cantor dedicado a canções regionais do Nordeste do Brasil, notadamente músicas para o carnaval. O frevo tem sido também uma de suas principais áreas de atuação[1] .

Muito conhecido no carnaval de Olinda e Recife, onde leva a multidão ao delírio todos os anos, tocando seu genuíno frevo.

Discografia[editar | editar código-fonte]

1- Modelo do Meu terno -1990 2- Queimando a Massa -1991 3 - Presença-1996 4 - Me leva-1997 5 - Tentação 6 - André Rio Ao Vivo 7 - Farol de Olinda 8 - Na Levada da Embolada -2003 9- O Melhor do Carnaval 10 - Do Litoral ao Sertão – Tributo a Luiz Gonzaga 11 - Cem carnavais 12 - Pernambuco Sou - DVD-2007 13 - Os 20 maiores sucessos de André RIo 14 - Rapsódia Nordestina-2009 15-Rapsódia ao vivo -2010 16- Fervo-2012

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

A trajetória do cantor e compositor pernambucano André Rio começou cedo. Neto, filho, sobrinho e irmão de músicos, aos 09 anos, cantava em festivais estudantis, aos 17 anos já era um intérprete consagrado dos festivais de Pernambuco. Com o sucesso, passou a montar os próprios espetáculos em teatros. O primeiro disco chegou em 1990, com grande influência da mpb e fez muito sucesso nas rádios. O LP "André Rio e a banda modelo do meu terno", trouxe composições próprias e de seus parceiros, revelando, assim, o talento e a veia poética do cantor. No mesmo ano, André, também, lançou o compacto "Queimando a massa" para o carnaval. Em 1994, o artista gravou seu segundo disco: "Presença", que contou com vários destaques, entre eles a música "Sou teu amor", que virou nome de bloco na semana pré-carnavalesca de 1995, trazendo como atrações André Rio e Daniela Mercury. O projeto era ousado, mas a missão foi cumprida - André levou o frevo com todas as suas nuances para cima do trio elétrico onde hoje é um dos expoentes do Galo da Madrugada, no Recife.

Neste mesmo ano, surgiu o projeto "Me leva", que seguiu pelos carnavais fora de época do nordeste, passando por cidades como João Pessoa, Fortaleza, Terezina, Maceio e Natal. A experiência de executar e divulgar a música pernambucana em trio elétrico - levou o artista à gravação de mais um cd, "Me leva", em 1996. Lançado em 1998, o disco foi sucesso total no carnaval de Pernambuco. E foi em plena folia, ao som de sucessos como o frevo "o bicho vai pegar", que André recebeu seu primeiro disco de ouro. O cd "ao vivo" foi gravado num show em Recife, com participação especial de Alceu Valença. A diversidade do repertório tem conquistado um público cada vez maior fora do brasil. Em 2000, 2001 e 2002, André alçou novos vôos. Seguiu para a Europa com vários projetos musicais.

E, com Alceu Valença, Elba Ramalho e Naná Vasconcelos, o cantor participou da turnê "Pernambuco em canto" - nos festivais: "Latino americando festival ritmos", festival "Viva-afro Brasil" em Tübingen, festa da cidade de Zurique, festa da cidade de Geneve, "Festival jazz a Vienne", entre outros. O cantor, também, participou do maior festival de música do mundo, apresentando seu show na sala Stravinsk no original Montreux Jazz Festival. Nos anos seguintes, incorporou ao seu trabalho outras sonoridades como resultado da sua experiência musical no exterior e ai, lançou os cds: "Farol de Olinda" e na "Levada da Embolada" que têm uma linguagem mais moderna - fundindo o regional com o world music.

Em dezembro de 2006, em comemoração aos 100 anos do frevo, o artista lançou o cd "Cem Carnavais". Em 2007, celebrando os 20 anos de carreira, gravou o dvd "Pernambuco Sou", no teatro da UFPE. O dvd conta com a participação de mais de 140 componentes entre artistas, músicos e técnicos. Neste show, André fez uma releitura de suas antigas canções, pincelou, ainda, seus maiores sucessos, cantou músicas de compositores pernambucanos , além de músicas inéditas. O resultado foi um dvd alegre, pulsante e contagiante. Sobre o novo trabalho André sentencia "Pernambuco sou" é o resumo de toda a minha carreira, mas é, sobretudo, uma declaração de amor a Pernambuco.

Em 2009, foi lançado o projeto - "Rapsódia Nordestina" - resultado da união de André Rio com o "Trio Sotaque" - formado pelos músicos Luciano Magno, Fábio Valois e Raimundo Batista. "Rapsódia Nordestina" é, antes de tudo, uma leitura inovadora e ousada de diferentes trechos das obras musicais e poéticas dos grandes representantes da cultura do nordeste brasileiro, empreendida pelos olhares sensíveis desses quatro músicos.

A crítica e o público receberam bem o novo CD em todo o Nordeste e acabou resultando em uma memorável apresentação no Teatro Rival, no Rio de Janeiro com as participações de Elba Ramalho, Moraes Moreira e Roberto Menescal. Logo depois a Rapsódia seguiu para uma turnê na Europa: Milão, Roma, Lonato del Garda, Torino, Bélgica, Lisboa e no lendário Festival de Montreux, na Suíça. Em Milão, no Festival Latino Americando, André Rio e Olodum se apresentaram para uma plateia de 25 mil pessoas. O cantor trouxe na mala a alegria de mais uma vez ter divulgado o melhor da música pernambucana e também o convite de Júlio Sobral, Vice Presidente da FOX Channels Italy, para voltar a Europa e se apresentar na emissora em Abril de 2010.

"André Rio é um artista jovem e importante na história da cultura e do carnaval de Pernambuco. Canta forró, canta tudo! É polivalente!... Já fizemos turnê na Europa juntos e ele foi o primeiro a me levar a conhecer o Galo da Madrugada. André Rio é o rei dos trios pernambucanos...".


Elba Ramalho

"...Destaque para o belo arranjo vocal do clássico "Lamento Sertanejo" (Dominguinhos/Gilberto Gil)"


Tárik de Souza Jornalista e Crítico do Jornal do Brasil

"André Rio é um artista movido pela paixão, coisa rara hoje em dia. Tem muita presença de palco, estilo próprio e uma voz boa, forte. Tem tudo para ser conhecido nacionalmente, como uma boa opção aos que andam com saudades de um novo bom cantor de MPB, em meio à enxurrada de vozes femininas que vem aparecendo aos borbotões."


Rodrigo Faour Pesquisador, Jornalista e autor do livro "História Sexual da MPB"