Andreas Franz Wilhelm Schimper

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andreas Franz Wilhelm Schimper

Andreas Franz Wilhelm Schimper (Estrasburgo, 12 de maio de 1856Basiléia, 9 de setembro de 1901) foi um botânico francês de origem alemã.[1] Contribuiu nos campos da histologia vegetal e ecologia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Schimper nasceu de uma eminente família do século XIX. Seu pai, o paleontólogo Guillaume Philippe Schimper (1808-1880) era diretor do Museu de História Natural de Estrasburgo, professor de geologia, e um líder briologista. O primo de seu pai, Wilhelm Schimper (1804-1878), foi um proeminente coletor e explorador na Arábia e norte da África.

Andreas estudou na Universidade de Estrasburgo de 1874 até 1878, completando lá o seu doutoramento. Em seguida, trabalhou em Lyon, na França, de onde viajou para a América do Norte permanecendo em Baltimore e Massachusetts.

Em 1886, assumiu o cargo de professor extraordinário em Bonn, onde dedicou-se principalmente à pesquisa da histologia celular, dos cromatóforos e do metabolismo do amido. Interessou-se também pelo campo da fitogeografia e ecologia, empreendendo expedições para as Índias Ocidentais e Venezuela entre 1882 e 1883, e para o Ceilão, Península da Malásia e Java entre 1889 e 1890, concentrando-se no estudo dos manguezais, epífitas e vegetação litorânea. O resultado foi a descrição das Rhizophoraceae no trabalho Naturl. Pflanzenfam ( Engler & Prantl). Entretanto, ficou conhecido pela obra Pflanzengeographie auf Physiologischer Grundlage, publicado em Jena (1898), onde criou o termo floresta tropical.

Em 1898 aceitou participar de uma expedição à bordo do "Valdivia" sob a liderança do prof. Chun. A viagem durou 9 meses, durante os quais visitaram as Ilhas Canárias, Camarões, Cidade do Cabo (onde, em 1899, se juntou a Rudolf Marloth para expedições de coletas no sul do Cabo), Kerguelen, Nova Amsterdão, Ilhas Cocos, Samatra, Maldivas, Ceilão, Seychelles e o Mar Vermelho.

Retornando em 1899, prestou exames para lecionar botânica na Universidade de Basileia. Como sua saúde tinha sido seriamente afetada pela malária contraída nos Camarões e Dar es Salaam, morreu em 1901, sem escrever o relatório da viagem.

A pedido do prof. Chun, Marloth escreveu o relatório da viagem de Schimper, descrevendo a flora da região do Cabo num trabalho sob o título Wissenschaftliche Ergebnisse der deutschen Tiefsee-Expedition auf dem Dampfer Valdivia 1898-1899. Schimper contribuiu com dois capítulos em "Gebiet der Hartlaubgehölze" e "Der Knysnawald". Foi também o autor de Pflanzengeographie (1898).

Schimper foi o pioneiro no domínio da ecologia vegetal, colocando em destaque a estabilidade da distibuição dos vegetais. Foi homenageado com seu nome na nomenclatura de numerosos espécimes botânicos.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Botanical Exploration of Southern Africa Mary Gunn & LE Codd ( Balkema, 1981)
  • Brummitt RK; Powell CE. (1992). Authors of Plant Names. Royal Botanic Gardens, Kew. ISBN 1-84246-085-4.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Wikipedia-pt-hist-cien-logo.png Portal de história da ciência. Os artigos sobre história da ciência, tecnologia e medicina.