Andrew Jennings

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andrew Jannings no Senado Federal do Brasil em 2011

Andrew Jennings é um repórter investigativo escocês.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jennings nasceu na Escócia e ainda criança se mudou para Londres, Inglaterra. Ele é neto do ex-jogador Clapton Orient. Jennings trabalhou para o jornal The Sunday Times no final dos anos 1960, após ele trabalhou para outros jornais britânicos antes de se tornar uma repórter investigativo na BBC Radio Four's Checkpoint. Em 1986, a BBC se recusou a transmitir o seu documentário sobre a corrupção na Scotland Yard; Jennings reagiu se demitindo e transformou o material em seu primeiro livro, “Scotland Yard's Cocaine Connection”, e o seu documentário foi exibido pelo World In Action da TV Granada da Grã-Bretanha. onde ele viria a trabalhar posteriormente, filmando várias investigações internacionais e pequenos documentários.Sua investigação sobre o envolvimento britânico no Caso Irã-Contras ganhou o prêmio de "Melhor Documentário Internacional", New York TV Festival, em 1992. Em 1993, Jennings entrou na Chechênia, foi a primeira equipe de TV ocidental a entrar no país, para investigar a atividade da máfia em Cáucaso. Em 1997 Jennings fez uma investigação sobre o doping na natação olímpica britânica com o treinador Hamilton Bland, e em 1998 apresentou um documentário sobre trilho de privatização.

Panorama[editar | editar código-fonte]

Sua primeira aparição no Panorama, um programa de documentários da britânica BBC, foi em 2006 com o episódio intitulado "The Beautiful Bung: Corrupção e da Copa do Mundo", quando Jennings investigou alegações de suborno dentro da FIFA, incluindo milhões de dólares de para garantir os da empresa de marketing esportivo ISL, juntamente com compra de votos para garantir a re-eleição do presidente da FIFA, Sepp Blatter, suborno e corrupção atribuída ao presidente da Concacaf, Jack Warner. Foi seguido por um episódio intitulado "FIFA e Coe" explorando a relação entre o ex-atleta olímpico britânico Sebastian Coe e do comitê de ética da FIFA.

O programa mais importante foi "FIFA's Dirty Secrets","A FIFA e os segredos sujos",(exibido pela primeira vez em 29 de Novembro de 2010) que foi uma exposição de 30 minutos, que investigou denúncias de corrupção contra alguns dos membros da FIFA e do comitê executivo que votou na escolha da sede da Copa do Mundo de 2018. Jennings alegou que Ricardo Teixeira, presidente da CBF e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014, Nicolás Leoz presidente da Conmebol e Hayatou Issa presidente da CAF, receberam os subornos da empresa de marketing ISL que vendia os direitos de transmissão de TV da Copa do Mundo FIFA.

Livros[editar | editar código-fonte]

Premios[editar | editar código-fonte]

  • Premio da Royal Television Society, pela sua investigação de corrupção nos Jogos Olímpicos pelo Channel 4 2000.
  • O prêmio "Integridade em Jornalismo" atribuído pela OATH, 1999.
  • "Gerlev Prize" para "contribuição para a liberdade de expressão democratica no esporte", 1998.
  • Membro Honorário Vitalício da Associação Americana de Treinadores de Natação, concedida por seu trabalho de investigação sobre os escândalos de doping e cover-ups na natação olímpica.
  • "Melhor Documentário Internacional", New York TV Festival, 1992