Cercos de Constantinopla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pintura do Cerco de Constantinopla de 1453 em pintura de 1499

Ao longo da história de Constantinopla, a capital do Império Bizantino, atualmente chamada Istambul e a maior cidade da Turquia, a cidade sofreu diversos cercos. Dois deles resultaram na conquista da cidade, uma em 1204, pelos cruzados e outra em 1453, pelos otomanos, tendo a última resultado na extinção do Império Bizantino.

Cercos persas e árabes[editar | editar código-fonte]

Cercos búlgaros e rus'[editar | editar código-fonte]

  • Cerco de Constantinopla (941) — Também conhecido como Terceiro Cerco Varegue ou dos rus', foi uma das batalhas da Guerra Rus'-Bizantina de 941.

Cercos e ataques durante guerras civis[editar | editar código-fonte]

Cercos durante as cruzadas[editar | editar código-fonte]

Cercos nicenos[editar | editar código-fonte]

  • Um ataque a Constantinopla está implícito na obra de Jorge Acropolita no ano de 1248, mas não se conhecem mais detalhes.
  • Em 1261, uma pequena força nicena sob Aleixo Estrategópulo conseguiu invadir a capital latina, que estava mal defendida, terminando assim o Império Latino e restaurando o governo bizantino sobre a cidade. A maior parte das tropas latinas estavam fora em campanha e o imperador fugiu sem tentar nenhuma resistência. Não houve cerco. O evento é conhecido como Reconquista de Constantinopla.

Cercos otomanos[editar | editar código-fonte]

  • Cerco de Constantinopla (1422) — Apesar de cronologicamente ser o terceiro ou quinto cerco otomano, por vezes é referido como o primeiro, dado que os anteriores foram mais bloqueios do que exatamente assédios.
  • Queda de Constantinopla (1453) — Terminou na conquista da cidade em 29 de maio de 1453 e no desaparecimento do Império Bizantino.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]