Anexo:Cronologia da Roma Antiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A civilização romana desenvolveu-se na península Itálica a partir do século VIII a.C., inicialmente na cidade de Roma. Durante os seus doze séculos de existência, a civilização romana transitou da monarquia para uma república oligárquica até se tornar num vasto império que dominou a Europa Ocidental e ao redor de todo o mar Mediterrâneo através da conquista e assimilação cultural.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Cronologia dos principais eventos históricos.[1]

Antes de Cristo[editar | editar código-fonte]

  • 753 a.C.:Diz a lenda que a cidade foi fundada por Rómulo e Remo, filhos de Reia Sílvia com o deus Marte. Usando um arado, ele desenhou os limites de Roma. No começo, a cidade era governada por um rei.
  • 326 a.C.:Surgiram as primeiras grandes obras: o Circo Máximo; o primeiro aqueduto, que distribuía água para toda a cidade, e a Via Ápia, uma grande estrada que permitia a movimentação de tropas.
  • 49 a.C.:Quando Crasso morreu, os dois generais entraram em guerra. César venceu e se declarou ditador.
  • 44 a.C.: César foi assassinado por um complô do senado, liderado por seu sobrinho e filho adotivo Bruto. Ao descobrir a conspiração, ele teria dito ao traidor a famosa frase: "Até tu, Bruto, meu filho?"
  • 31 a.C.: Eleito seu sucessor, Otaviano lutou contra os generais romanos para assumir o poder.
  • 27 a.C.: Em 27 a.C., Otaviano recebeu o título de Augusto. Nos 41 anos de seu reinado, Otaviano acabou com um século de conflitos e iniciou um período de 200 anos de paz e prosperidade, a chamada Pax Romana. Data convencionada pelos historiadores domo início do Império Romano.

Depois de Cristo[editar | editar código-fonte]

  • 33: Morre Jesus Cristo em Jerusalém, crucificado;
  • 37: Com a morte do imperador Tibério, assumiu em seu lugar Calígula. Ele nomeou seu cavalo Incitatus senador do império e mandou esculpir sua própria cabeça em todas as estátuas de deuses de Roma. Foi assassinado quatro anos depois.
  • 303:Com o número de cristãos atingindo 15 milhões dos 60 milhões de habitantes de império: 25% da população escrava, plebeia e até parte da elite sobretudo em Roma, partes da África e da Ásia, Diocleciano (último imperador pagão) promoveu uma nova grande perseguição.
  • 313: Com o Édito de Milão, o imperador Constantino I acabou com a perseguição aos cristãos e declarou que o império não tem mais uma religião oficial.
  • 330: O imperador Constantino I reconstruiu a cidade grega de Bizâncio (atual Istambul), como uma "Nova Roma". A cidade passou a ser conhecida como Constantinopla.
  • 846: No auge da decadência, a cidade de Roma ficou com apenas 30 mil habitantes. Hoje tem 2,5 milhões de pessoas.

Referências

  1. GRUN, Bernard. The timetables of History: A horizontal linkage of people and events. 3 ed. Nova Iorque: Simon & Schuster/Touchstone, 1991. 724 pp. 1 vol. vol. 1. ISBN 0-671-74271-X


Ícone de esboço Este anexo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.