Anexo:Cronologia da história da matemática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Período entre 30.000 a.C. e 500 a.C[editar | editar código-fonte]

\pm 30.000 a.C. Povos paleolíticos na Europa central e França registram 'números' em ossos.
\pm 25.000 a.C. Desenhos geométricos rudimentares são usados.
\pm 5.000 a.C. Um sistema decimal está em uso no Egito.
\pm 4.000 a.C. Calendários babilônicos e egípcios em uso.
\pm 3400 a.C. Os primeiros símbolos para os números estão em uso no Egito.
\pm 3.000 a.C. O ábaco é desenvolvido no Oriente Médio e em áreas envolta do Mediterrâneo. Um objeto parecido com o ábaco é usado na China; Numerais hieroglíficos em uso no Egito; Babilônicos começam a utilizar um sistema de numeração sexagesimal para registrar transações financeiras. É um sistema posicional, porém sem uma posição de valor zero;
\pm 2.770 a.C. Calendário egípcio em uso.
\pm 2.400 a.C. Notação posicional na Mesopotâmia
\pm 2.000 a.C. Harappans adota um sistema decimal uniforme de pesos e medidas.
\pm 1.950 a.C. Babilônicos resolvem equação quadrática.
\pm 1.900 a.C. O Papiro Moscou (também conhecido como Papiro Golenishev) é escrito. Ele contém detalhes da geometria Egípcia;
\pm 1.850 a.C. Babilônicos conhecem o teorema de Pitágoras.
\pm 1.800 a.C. Babilônicos usam tabelas (tábuas) de multiplicação.
\pm 1.750 a.C. Os babilônicos resolvem equacões algébricas lineares e quadráticas, compilam tábuas de raízes quadradas e cúbicas. Usam o teorema de Pitágoras e matemática para estender o conhecimento de astronomia.
\pm 1.700 a.C. O Papiro Rhind (também conhecido como Papiro Ahmes) é escrito. Esse papiro mostra que os egípcios desenvolveram muitas técnicas de solução de problemas. Multiplicação é baseada em repetição de duplicações, e divisões em sucessivas divisões por dois.
\pm 1.360 a.C. Um sistema decimal sem zero começa a ser usado na China.
\pm 1.000 a.C. Chineses usam tábuas de contagem para calcular.
\pm 800 a.C. Baudhayana é o autor de uma das mais antigas sulvasutras indianas.
\pm 750 a.C. Manava escreve uma Sulvasutra.
\pm 600 a.C. Apastamba escreve a sulvasutra mais interessante do ponto de vista da matemática.
585 a.C. Tales de Mileto traz o conhecimento babilônico para a Grécia. Ele usa geometria para resolver problemas como o cálculo da altura de pirâmides e as distâncias de embarcações até a costa.
540 a.C. Pitágoras de Samos muda-se para Crotona na Itália e ensina matemática, geometria, música e reencarnação.
\pm 500 a.C. O sistema numérico sexagesimal babilônico é usado para registrar e predizer a posição do Sol, da Lua e de planetas; Obra de Panini sobre o sânscrito é precursora da moderna teoria formal da linguagem;

Período entre 500 a.C e 250 d.C[editar | editar código-fonte]

A Idade Heróica[editar | editar código-fonte]

\pm 477 a.C. Um sistema de contagem utilizando-se pauzinhos aparece na China.
\pm 465 a.C. Hipasus escreve sobre uma esfera de 12 pentágonos, a qual deve se referir ao dodecaedro.
\pm 450 a.C. Os gregos começam a utilizar numerais escritos;Zenão de Eléia apresenta seus paradoxos;
\pm 440 a.C. Hipócrates de Cós (ou Chios) escreve Elementos, a primeira compilação de elementos da geometria;
\pm 425 a.C. Teodoro de Cirene demonstra que certas raízes quadradas são irracionais. Já havia sido demostrado anteriormente mas não se sabe por quem;
427 a.C. Nascimento de Platão;
\pm 420 a.C. Hípias de Elis inventa o quadratriz do qual ele pode ter se utilizado para triseccionar um ângulo e calcular a quadratura do círculo; Incomensuráveis;
\pm 400 a.C. Babilônicos usam um símbolo para indicar uma casa vazia em seus registros numéricos de escrita cuneiforme. Mas não se acredita que esse símbolo era considerado um número.
\pm 399 a.C. Morte de Sócrates;
387 a.C. Platão funda sua Academia em Atenas.
\pm 375 a.C. Arquitas de Tarento desenvolve a mecânica. Estuda o problema clássico de duplicação do cubo e, aplica teoria matemática à música e, também, constrói o primeiro autônomo.

Período Helênico[editar | editar código-fonte]

\pm 360 a.C. Eudoxo de Cnido desenvolve a teoria da proporção e o método da exaustão.
\pm 350 a.C. Menaecmus sobre secções cônicas;
\pm 347 a.C. Dinostrato sobre a quadratriz; Morte de Platão;
\pm 340 a.C. Aristeu escreve os Cinco Livros sobre secções cônicas; Pappus de Alexandria escreve Sinagoga ou Coleção;
\pm 335 a.C. Eudemus, História da Geometria;
332 a.C. Fundação de Alexandria;
\pm 330 a.C. Autólico de Pitane escreve Sobre a esfera móvel (ou A esfera em movimento) que estuda a geometria da esfera, um texto sobre astronomia;
323 a.C. Morte de Alexandre;
322 a.C. Morte de Aristóteles;

A Idade Alexandrina[editar | editar código-fonte]

\pm 320 a.C. Eudemo de Rodes escreve a História da geometria;
\pm 300 a.C. Euclides passa um desenvolvimento sistemático da geometria em seu Stoicheion (Os Elementos). Também escreve as leis de reflexão em Catoptrics (do grego kátoptron, espelho).
\pm 260 a.C. Aristarco de Samos utiliza um método geométrico para calcular a distância do Sol e da Lua à Terra. Também propôs que a Terra orbita o Sol.
\pm 250 a.C. Em 'Da Esfera e do Cilindro', Arquimedes mostra a fórmula para o cálculo de volume da esfera e do cilindro. Em 'A medida do círculo' ele mostra uma aproximação do valor do 'pi' que permitirá aproximações melhoradas. Em 'Dos corpos Flutuantes' ele apresenta o conhecido Princípio de Arquimedes e começa estudos de hidrostática. Escreve trabalhos em geometria bi e tridimensional, estudando círculos, esferas e espirais. Suas idéias são bem à frente das de seus contemporâneos e inclui aplicações de uma forma inicial de integração.
\pm 230 a.C. Erastótenes de Cirene estima a circunferência da Terra com uma precisão espantosa, encontrando um valor cerca de 15% maior
\pm 225 a.C. As cônicas, de Apolônio de Perga;
212 a.C. Morte de Arquimedes
\pm 180 a.C. Cissóide de Diocles, Conchóide de Nicomedes, Hipsicles e o círculo de 360º;
\pm 140 a.C. Trigonometria de Hiparco;
\pm 60 a.C. Geminus sobre o postulado das paralelas.
\pm 75 Obras de Heron de Alexandria
\pm 100 Nicômaco: Aritmética; Menelau de Alexandria:Esferas;
\pm 125 Teon de Esmirna e a matemática platônica
\pm 150 Ptolomeu: O Almagesto;
\pm 250 Diofante: Aritmética.

Período entre os séculos IV e XV[editar | editar código-fonte]

Declínio da Matemática Grega[editar | editar código-fonte]

\pm 320 Pappus de Alexandria: Coleções Matemáticas;
\pm 370 Hipátia de Alexandria desenvolve estudos de extrema relevência para a matemática; depois da morte trágica, como um mártir do paganismo, terminou a gloriosa fase da matemática alexandrina e de toda matemática grega e a matemática na Europa Ocidental entraria em estagnação, onde nada mais seria produzido por um período mil anos e por cerca doze séculos nenhum nome de mulher matemática foi registrado.
390 Teon de Alexandria;
415 Morte de Hipatia;
\pm 470 Tsu Ch'ung-Chi e o valor aproximado de \pi \,\!;
476 Nascimento de Aryabhata;
485 Morte de Proclo;
520 Antêmio de Trales e Isidoro de Mileto;
524 Morte de Boécio;
526 Morte de Teodorico;
529 Fechamento da Escola de Atenas;
560 Comentários de Eutócio sobre Arquimedes;

Período Medieval[editar | editar código-fonte]

622 Hégira de Maomé (Era muçulmana);
628 Brahmagupta escreve Brahmasphuta Siddhanta;
641 Queimada a Biblioteca de Alexandria;
662 O bispo Sebokht menciona os numerais hindus;
775 Obras hindus traduzidas para o árabe;
\pm830 Al-Khwarizmi: Álgebra;
901 Morte de Thabit ibn-Qurra
998 Morte de abu'l-Wefa;
1.028 Escola em Chartres;
1.039 Morte de Alhazen;
1.048 Morte de al-Biruni;
1.114 Nascimento de Bhaskara;
1.123 Morte de Omar Khayyam;
1.142 Adelardo de Bath traduz Euclides;
1.202 Fibonacci: Liber abaci
1.260 Trissecção de Johannes Campanus de Novara; Jordanus Nemorarius: Arithmetica;
1.270 William de Moerbeke traduz Arquimedes;
1.274 Morte de Nasir Eddin;
1.303 Chu Shi-Kié e o Triângulo de Pascal;
1.328 Bradwardine: Liber de proportionibus;
1.348 A Peste Negra devasta a Europa;
1.360 Latitude de formas de Oresme;
1.436 Morte de al-Kashi
1.453 Queda de Constantinopla.
Ícone de esboço Este anexo sobre matemática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.