Anexo:Lista de enfermidades psiquiátricas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Esta é uma lista das principais enfermidades psiquiátricas encontradas até o presente momento no Yulian Lopes.

Características gerais[editar | editar código-fonte]

  • Esquizofrenia
  • Início súbito ou lento (insidioso).
  • Começa geralmente entre 15 e 35 anos.
  • Mais benigna na velhice.
  • Muitos pacientes melhoram com o tempo.

Sintomas[editar | editar código-fonte]

  • Delírios: crenças que não correspondem à realidade, geralmente com temas de perseguição, grandiosidade ou místicos.
  • Alucinações: percepções falsas, ouvem-se vozes que não existem ou se vêem coisas que não existem (todos os sentidos podem ser afetados).
  • Pensamento e discurso desestruturados.
  • Afeto embotado: não consegue expressar as emoções.
  • Alterações de comportamento:
  1. Agitação ou inibição psicomotora.
  2. Impulsividade, agressividade.

Importante

Tipos[editar | editar código-fonte]

  • Paranóide: predominam delírios de perseguição, muitas vezes com vozes ameaçadoras.
  • Hebefrênica: é o tipo mais completo e de maior desestruturação do psiquismo; o afeto embotado é sintoma marcante.
  • Catatônica: estupor e excitação alternados, posturas rígidas, estereoptipadas, robotização, estados oníricos.
  • Indiferenciada: sem sintomas característicos das outras.
  • Residual: forma crônica e insidiosa, com muitos sintomas negativos.
  • Simples: assemelha-se à anterior, mas não há forma aguda antes.
  • Depressão pós-esquizofrênica: com alguns sintomas psicóticos.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

  • Os antipsicóticos são eficientes na maior parte dos casos e evitam as recaídas.
  • Os efeitos colaterais são comuns.
  • Existem medicamentos para casos resistentes.
  • O prognóstico é melhor quando os pacientes se integram melhor à sociedade.
  • O prognóstico é pior quando há sintomas negativos.

Outras psicoses[editar | editar código-fonte]

Transtorno delirante persistente[editar | editar código-fonte]

É uma esquizofrenia paranóide mais simples, sem muitas alucinações e com pouco bizarrismo. Pode durar a vida toda.

Transtornos psicóticos agudos e transitórios[editar | editar código-fonte]

É uma psicose aguda causada por um estressor psicossocial. É uma forma benigna.

Transtornos esquizoafetivos[editar | editar código-fonte]

São combinações de esquizofrenia e distúrbios do humor.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento dessas outras psicoses é semelhante ao da esquizofrenia, mas com melhor prognóstico, especialmente quando há poucos sintomas negativos.

Transtornos do humor[editar | editar código-fonte]

Conceito de humor[editar | editar código-fonte]

É a sensação de bem-estar da pessoa, os estados de alegria e de tristeza se apresentando como dois pólos entre os quais as pessoas oscilam normalmente.

Características[editar | editar código-fonte]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Episódio maníaco

  • É marcado por crises de euforia, pensamento acelerado, sono diminuído, fala prolixa, auto-estima elevada, atenção dispersa, sensação de grandiosidade, hiperagitação, condutas irresponsáveis, busca de prazeres excessivos, hipersexualidade, promiscuidade, prodigalidade etc.
  • Em poucas palavras, é um paciente exageradamente alegre e ativo, sem autocrítica e dado a excessos de todo tipo.
  • Pode se acompanhar ou não de sintomas psicóticos, caracterizando dois subtipos.
  • Existe também a hipomania, que é sintomaticamente mais leve e sem grande comprometimento social.

Episódio depressivo

  • É marcado por tristeza, letargia, culpa, baixa auto-estima, ideação de ruína e risco de suicídio. Pode haver sintomas físicos (paciente poliqueixoso) e difere da depressão reativa, que surge como reação natural a perdas e infortúnios da vida.
  • Possui vários subtipos:
  1. Episódio depressivo leve.
  2. Episódio depressivo moderado.
  3. Episódio depressivo grave com sintomas psicóticos.
  4. Episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos.

Transtorno afetivo bipolar

  • Antigamente chamado de psicose maníaco-depressiva, é a combinação das duas condições em alternância, isto é, crises de depressão e de mania (euforia) alternadas, cada uma durando alguns meses.
  • Pode haver psicose associada.
  • Pode haver hipomania em vez de mania.
  • Antidepressivos podem fazer o paciente ciclar muito depressa, passando à euforia em poucos dias ou até em horas.

Episódios depressivos recorrentes

  • Os pacientes depressivos sofrem muitas recaídas, às vezes com curtos episódios de euforia.
  • O humor pode ser normal entre as crises.

Transtornos persistentes do humor

  • São marcados por sucessivas crises depressivas ou eufóricas de menor gravidade, podendo haver alternância. Existem dois subtipos:
  1. Ciclotimia: é um transtorno bipolar mais leve, sem grande comprometimento social.
  2. Distimia: é uma depressão leve crônica, conhecida popularmente como "mau humor".
  • São nitidamente formas crônicas, mais leves e de longa duração.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento com antidepressivos é eficaz nos casos de depressão isolada. Nos casos de mania associada, preferem-se os estabilizadores do humor como carbonato de lítio.

Transtornos de ansiedade[editar | editar código-fonte]

Fobias[editar | editar código-fonte]

Conceito

São medos excessivos de coisas que na realidade são inócuas.

Tipos

  • Agorafobia: medo de locais abertos e de multidões, medo de sair à rua; costuma ser seqüela de síndrome do pânico.
  • Fobia social: medo de lugares ou situações de exposição pública (restaurantes, falar em público).
  • Fobia simples: extremamente variada, medo de insetos, avião, dentista, escuro etc.

Tratamento

Usam-se antidepressivos, ansiolíticos e psicoterapia.

Transtorno do pânico[editar | editar código-fonte]

Conceito

É uma doença que se apresenta como crises súbitas e muito intensas de ansiedade, às vezes com estímulos do ambiente. Lembram crises cardíacas e duram de dez a vinte minutos. Pode haver sintomas residuais e agorafobia.

Sintomas

  • Medo de morrer.
  • Cardíacos e respiratórios.
  • Tonturas.
  • Formigamentos.
  • Vômitos.
  • Tremores.
  • Sudorese.
  • Sensação de frio ou calor.

Tratamento

É feito com antidepressivos e ansiolíticos, além de psicoterapia e modernamente técnicas de respiração.

Transtorno de ansiedade generalizada[editar | editar código-fonte]

É uma forma crônica de ansiedade, sem um objeto específico como nas fobias e sem a gravidade das crises de pânico. É, pois, uma forma intermediária e com o mesmo tratamento das demais.

Transtorno obsessivo-compulsivo[editar | editar código-fonte]

É uma doença que se caracteriza por obsessões com limpeza, ordem, perfeição, contagem, verificação, coisas místicas e supersticiosas e de colecionamento de objetos quaisquer. A obsessão leva à compulsão por realizar rituais condizentes, como lavar as mãos, tomar banho de chinelo, não pegar jornais, ter nojo de pegar dinheiro e depois passar a mão nos olhos, verificar se o gás está desligado etc. O tratamento é feito com antidepressivos e psicoterapia.

Reações ao estresse e transtornos de ajustamento[editar | editar código-fonte]

Conceito

São transtornos causados por agentes estressores externos.

Tipos

  • Reação aguda ao estresse: é um estado de estresse que ocorre logo após um evento traumático e cessa em alguns dias. É chamado popularmente de "estado de choque".
  • Estresse pós-traumático: dura mais tempo e é mais grave. O paciente revive o trauma através de flashbacks e pesadelos. Sintomas: hiperviligância, sobressaltos, desassossego, desconfiança, hostilidade, esquiva fóbica, afeto embotado etc.
  • Transtornos de adaptação: reação de estresse por causa de mudanças súbitas na vida, como divórcio ou perda de emprego. São mais graves nas crianças e nos velhos, assim como em adultos com imaturidade emocional.

Tratamento

Além dos medicamentos, a psicoterapia e o próprio tempo são fatores de cura.

Transtornos dissociativos e conversivos[editar | editar código-fonte]

São reações a situações traumáticas com dissociação de memória, identidade, sensações ou controle dos movimentos. O paciente pode isolar no inconsciente um acontecimento do passado de modo a esquecê-lo (amnésia) ou sofrer uma paralisia sem explicação neurológica. Os sintomas são manobras inconscientes para não se tomar consciência de fatos traumáticos e das respectivas emoções, por isso se esquece parte do passado ou se projeta o sintoma no corpo.

Antigamente esses transtornos eram chamados de histeria e foram estudados por Freud. A recuperação da consciência do fato traumático e a verbalização das emoções eliminam a dissociação ou conversão psicogênica. Contudo, é difícil o paciente aceitar que está doente.

Transtorno somatoforme[editar | editar código-fonte]

É semelhante à histeria, o paciente projeta no corpo seus conflitos e se apresenta ao médico com uma variedade de queixas físicas que encobrem seu estado emocional. Sendo histeriforme, o paciente descreve suas queixas de forma dramática e exagerada ou ao contrário, de forma indiferente. É comum se associarem outros transtornos de ansiedade e depressão, assim como pode haver transtornos de personalidade. Os sintomas são tanto maiores e mais numerosos quanto mais o paciente tenha dificuldade para tomar consciência de suas emoções e verbalizá-las.

O paciente mostra dois mecanismos psicodinâmicos:

  1. Ganho primário: o sintoma causa alívio porque projeta o problema no corpo.
  2. Ganho secundário: o paciente consegue a atenção e os cuidados das outras pessoas.

Além disso, o paciente não se acha doente, culpa os outros pela consulta médica. É também extremamente sugestionável, pueril, fantasioso e teatral.

O tratamento consiste de psicoterapia. Os medicamentos podem levar o paciente a experimentar diversos efeitos colaterais.

Outros transtornos[editar | editar código-fonte]

  • Transtornos mistos de ansiedade e depressão.
  • Neurastenia: esgotamento, o paciente acorda como se não tivesse dormido.
  • Síndrome de Burnout: esgotamento profissional decorrente de sobrecarga no trabalho e baixa auto-estima.
  • Assédio moral: esgotamento causado por perseguição no trabalho.

Nesses casos, o tratamento depende da personalidade do paciente e dos agentes estressores.

Transtornos de personalidade[editar | editar código-fonte]

Personalidade paranóica[editar | editar código-fonte]

  • Não suporta ser contrariado.
  • Não aceita desculpas.
  • Desconfiado, distorce os fatos.
  • Acha-se muito importante.
  • Acha que é o centro de tudo (auto-referência).
  • Combativo na defesa de seus direitos.

Personalidade esquizóide[editar | editar código-fonte]

  • Retraimento social.
  • Interiorização mental.
  • Vive em um mundo de fantasias.
  • Incapacidade de expressar emoções.

Personalidade anti-social[editar | editar código-fonte]

  • Desprezo pelos outros e pelas normas sociais.
  • Não muda com punições.
  • Facilmente agressivo, não tolera frustrações.
  • Culpa os outros.

Personalidade instável[editar | editar código-fonte]

  • Impulsivo.
  • Encoleriza-se quando censurado.

Tipos

  • Impulsivo: descontrole emocional.
  • Borderline: perturbação da auto-imagem, não leva projetos a cabo, sensação de vazio, relações sociais instáveis e autodestrutivo.

Personalidade histriônica[editar | editar código-fonte]

  • Quer ser o centro das atenções.
  • Busca permanente por elogios e galanteios.
  • Teatral, exagerado.
  • Busca de parceiros simultâneos.
  • Ofende-se facilmente.
  • Sugestionável,sendo usado e levado facilmente pela opiniao de outros .

Personalidade anancástica[editar | editar código-fonte]

  • Perfeccionista.
  • Preocupação com pormenores.
  • Obstinação, rigidez.
  • Pensamentos repetitivos.

Personalidade evitativa[editar | editar código-fonte]

  • Insegurança.
  • Desejo de ser aceito.
  • Sensível a críticas.
  • Medo de relacionamentos.
  • Medo de sair da rotina.

Personalidade dependente[editar | editar código-fonte]

  • Submisso.
  • Deixa as decisões nas mãos dos outros.

Importante

Os transtornos de personalidade são difíceis de tratar, uma possível abordagem é a psicoterapia de grupo.

Observações gerais[editar | editar código-fonte]

Cada uma dessas doenças pode ser simulada por condições médicas gerais (não-psiquiátricas) ou por abuso de drogas e álcool. Dessa forma, o hipotireoidismo pode causar depressão e a intoxicação por cocaína pode causar uma psicose aguda. Uma avaliação psiquiátrica deve levar em conta:

  1. Ansiedade.
  2. Depressão.
  3. Mania.
  4. Psicose.
  5. Transtornos de personalidade.
  6. Transtornos cognitivos (como demência).
  7. Condições médicas gerais.
  8. Abuso de substâncias.

Classificação remissiva[editar | editar código-fonte]

Esquizofrenia

  • Paranóide
  • Hebefrênica
  • Catatônica
  • Indiferenciada
  • Residual
  • Simples
  • Depressão pós-esquizofrênica

Outras psicoses

  • Transtorno delirante persistente
  • Transtornos psicóticos agudos e transitórios
  • Transtornos esquizoafetivos

Transtornos do humor

  • Episódios depressivos
  • Episódios maníacos
  • Transtorno bipolar
  • Episódios depressivos recorrentes
  • Trastornos persistentes do humor

Trastornos de ansiedade

  • Fobias
  • Pânico
  • Ansiedade generalizada
  • Transtorno obsessivo-compulsivo
  • Dissociações e conversões
  • Transtorno somatoforme
  • Reações ao estresse e transtornos de ajustamento
  • Outros

Transtornos de personalidade

  • Paranóica
  • Esquizóide
  • Anti-social
  • Instável
  • Histriônica
  • Anancástica
  • Evitativa
  • Dependente

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]