Anexo:Lista de unidades federativas do Brasil por expectativa de vida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa brasileiro da longevidade (2010).
  +76
  +74
  +72
  +70
  +68
  +66

Este anexo contém uma lista de unidades federativas do Brasil por expectativa de vida, que é o número médio de anos de idade que um grupo de indivíduos nascidos no mesmo ano pode esperar viver, se mantido, desde o seu nascimento. Os dados estão de acordo com estatísticas divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes ao ano de 2010.[1]

O Brasil é uma república federativa formada pela união de 26 estados federados, além do Distrito Federal.[1] Segundo o IBGE, no ano de 2010, a unidade federativa com o maior valor da expectativa de vida era Santa Catarina, cujo índice era de 76,8 anos de idade, seguida por Distrito Federal (76,2 anos) e São Paulo (76,0 anos). Maranhão era o estado com o menor valor (68,7 anos), seguido por Alagoas (69,2 anos) e Piauí (69,8 anos).[1]

A esperança de vida dos brasileiros era de 73,8 anos em média, porém com grandes variações regionais e entre os sexos. As mulheres vivem, em média, 7,2 anos a mais que os homens. Essa disparidade entre os gêneros varia entre as unidades federativas; as mais altas são encontradas em Alagoas (9,4 anos), Bahia (8,7 anos) e Pernambuco (8,7 anos), enquanto as mais baixas estão nos estados de Roraima (5,7 anos), Minas Gerais (5,8 anos) e Amapá (6,0 anos). Em virtude disso, o ranking dos estados por esperança de vida pode apresentar posições bastante distintas para os estados de maior diferença entre ambos os sexos. Enquanto as alagoanas e as baianas ficam, respectivamente, nas 22ª e 11ª posições, os homens alagoanos e os baianos ficam nas 27ª e 17ª posições. Por outro lado, há estados em que, comparado à posição relativa dos homens, há uma posição muito inferior para as mulheres. É o caso de Tocantins, onde os homens são os 14º com mais alta esperança de vida no Brasil (68,9 anos), mas as mulheres estão apenas na 19ª posição (75,1 anos).[1] A disparidade é significativa também entre as regiões. A população do Sul tem em média uma expectativa de vida de 75,8 anos, enquanto a do Norte, de 70,8 anos. No Nordeste há a maior diferenças entre os estados, chegando a 5,3 anos entre a unidade federativa com melhor índice (Rio Grande do Norte, com 74,0 anos) e a com pior (Maranhão, com 68,7 anos). Nas demais regiões, a diferença interestadual é de, no máximo, 3,7 anos no Centro-Oeste.[1]

Nas últimas décadas houve no Brasil uma evolução positiva dos indicadores sociais do país,[2] sendo que a esperança de vida após o nascimento relaciona-se a índices como saúde, educação, situação socioeconômica, criminalidade e poluição.[3] O Distrito Federal, por exemplo, é a unidade federativa com a maior porcentagem de acesso à rede de esgoto do país (100%)[4] e possui a segunda menor incidência de pobreza do país (com 1,9% da população vivendo abaixo da linha de pobreza), atrás de Santa Catarina (1,7%), o estado com menor incidência do país. Por outro lado, Alagoas tem a terceira maior incidência de pobreza extrema (20,5%), cujo ranking é liderado pelo Maranhão (26,3%),[5] e ainda é o primeiro colocado dentre os estados brasileiros por taxa de analfabetismo (com 22,52% da população sendo analfabeta), sendo que Distrito Federal (3,25%) e Santa Catarina (3,86%) ocupam as menores posições.[6]

Unidades federativas do Brasil por expectativa de vida[editar | editar código-fonte]

Expectativa de vida no Brasil por unidade da Federação
Estado Ambos os sexos[1] Pos. País comparável Homens[1] Pos. Mulheres[1] Pos.
 Santa Catarina 76,8 anos 1  República Tcheca 73,7 anos 1 79,9 anos 1
 Distrito Federal 76,2 anos 2  Uruguai 72,5 anos 4 79,7 anos 2
 São Paulo 76,0 anos 3  Croácia 72,6 anos 2 79,2 anos 4
 Rio Grande do Sul 75,9 anos 4  Croácia 72,6 anos 2 79,2 anos 4
 Espírito Santo 75,6 anos 5  Polônia 71,9 anos 7 79,5 anos 3
 Minas Gerais 75,4 anos 6  Argentina 72,5 anos 4 78,3 anos 7
 Paraná 75,3 anos 7  Argentina 72,0 anos 6 78,6 anos 6
 Rio de Janeiro 74,1 anos 8  Kuwait 70,4 anos 8 77,6 anos 9
 Rio Grande do Norte 74,0 anos 9  Kuwait 70,2 anos 10 78,0 anos 8
 Mato Grosso do Sul 73,8 anos 10  Estônia 70,4 anos 8 77,6 anos 9
 Goiás 73,2 anos 11  Malásia 70,1 anos 11 76,4 anos 11
 Mato Grosso 72,5 anos 12  Bulgária 69,5 anos 13 75,9 anos 14
 Amapá 72,5 anos 12  Bulgária 69,6 anos 12 75,6 anos 15
 Ceará 72,4 anos 14  Letônia 68,5 anos 16 76,4 anos 11
 Bahia 71,9 anos 15  Líbano 67,7 anos 17 76,4 anos 11
 Acre 71,8 anos 16  Líbano 68,7 anos 15 75,4 anos 17
 Tocantins 71,8 anos 16  Líbano 68,9 anos 14 75,1 anos 19
 Pará 71,2 anos 18  Lituânia 67,7 anos 17 75,1 anos 19
 Paraíba 71,2 anos 18  Lituânia 67,4 anos 20 75,0 anos 21
 Pernambuco 71,1 anos 20  Lituânia 66,8 anos 24 75,5 anos 16
 Sergipe 71,0 anos 21  Marrocos 66,9 anos 23 75,2 anos 18
 Amazonas 70,6 anos 22  Guatemala 67,5 anos 19 74,0 anos 22
 Rondônia 70,3 anos 23  Azerbaijão 67,3 anos 21 73,9 anos 24
 Roraima 69,9 anos 24  Suriname 67,1 anos 22 72,8 anos 26
 Piauí 69,8 anos 25  Suriname 66,1 anos 25 73,8 anos 25
 Alagoas 69,2 anos 26  Bielorrússia 64,6 anos 27 74,0 anos 22
 Maranhão 68,7 anos 27  Guiana 65,1 anos 26 72,8 anos 26
Expectativa de vida no Brasil por região
Região Ambos os sexos[1] Pos. País comparável Homens[1] Pos. Mulheres[1] Pos.
Região Sul 75,8 anos 1  Croácia 72,6 anos 1 79,1 anos 1
Região Sudeste 75,4 anos 2  Argentina 72,1 anos 2 78,7 anos 2
Região Centro-Oeste 73,6 anos 3  Hungria 70,4 anos 3 77,1 anos 3
Região Nordeste 71,2 anos 4  Lituânia 67,2 anos 5 75,4 anos 4
Região Norte 70,8 anos 5  Marrocos 67,6 anos 4 74,4 anos 5
Expectativa de vida no Brasil
Ambos os sexos[1] Homens[1] Mulheres[1]
73,8 anos 70,2 anos 77,4 anos

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Em 30 anos, NE tem maior ganho na esperança de vida: 12,95 anos. IBGE. Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  2. Vasconcellos, Marco Antonio Sandoval de; Gremaud, Amaury Patrick; Toneto Júnior, Rudinei Toledo. Economia Brasileira Contemporânea. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 1999. p.66-81
  3. Thais Pacievitch (5 de fevereiro de 2010). Expectativa de Vida. InfoEscola. Página visitada em 15 de junho de 2013. Cópia arquivada em 15 de junho de 2013.
  4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2008). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Página visitada em 15 de junho de 2013. Cópia arquivada em 15 de junho de 2013.
  5. O Globo (3 de maio de 2011). Bahia tem 2,4 milhões de pessoas em extrema pobreza, diz governo. Página visitada em 15 de junho de 2013. Cópia arquivada em 15 de junho de 2013.
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Tabela 8.2 - Taxa de analfabetismo das pessoas de 10 anos ou mais de idade, por cor ou raça, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação e Regiões Metropolitanas - 2010. Página visitada em 15 de junho de 2013. Cópia arquivada em 15 de junho de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]