Lista de governantes do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Esta é uma lista de governantes do Brasil.

Reis (período colonial)[editar | editar código-fonte]

Estão nesta lista todos os reis de Portugal do período entre 1500 e 1822, incluindo os reis de Espanha do período filipino, em que Portugal esteve sob a administração da coroa espanhola.

Reis

Governadores-gerais e vice-reis[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Principado do Brasil

O cargo de Governador-Geral do Brasil foi criado em 1549, por D.João III. Já o cargo de Vice-Rei foi instituído pela primeira vez em 1640, pelo rei Filipe III. Contudo, nem todos os governadores coloniais que lhe sucederam ao longo dos setenta anos seguintes usaram o título de Vice-Rei, sendo este apenas conferido à mais alta fidalguia. A função de Vice-Rei deixou de existir após a chegada de D. João VI, em 1808.

Regentes do Império[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Reino do Brasil (setembro - outubro de 1822), utilizada anteriormente como pavilhão pessoal do Príncipe Regente.

Os regentes assumiam o comando do país na ausência do monarca.

A primeira regente foi a então princesa Leopoldina, esposa do então príncipe Pedro de Alcântara, que entre agosto e setembro de 1822 ausentou-se do Rio de Janeiro em viagem à então capitania de São Paulo, ocasião em que deu o famoso Grito do Ipiranga que marcaria nossa independência da metrópole.

No segundo período de regência durante a menoridade de D. Pedro II sucederam-se três fases:

O terceiro período regencial foi ocasionado por três viagens ao exterior do imperador D. Pedro II, quando sua filha e herdeira D. Isabel assumiu os negócios de estado e assinou as duas leis que puseram fim à escravidão no Brasil: a Lei do Ventre Livre, em 1871 e sobretudo a chamada Lei Áurea, em 1888.

Lista de regentes

Imperadores[editar | editar código-fonte]

Oficialmente, o Brasil independente teve três soberanos:

  • D. Pedro I, filho e herdeiro de D. João VI, que proclamou a independência do Brasil, sendo aclamado e posteriormente coroado imperador do Brasil (1822-1831);
  • D. João VI, rei de Portugal, durante o processo de reconhecimento da independência pediu para Portugal enorme indenização e para si o título de Imperador, o qual manteve até sua morte, no ano seguinte (18251826);
  • D. Pedro II, o último monarca, seu filho (1840-1889).

Chefes de Gabinete (Segundo Reinado)[editar | editar código-fonte]

O cargo de Chefe de Gabinete (equivalente ao primeiro-ministro) foi criado no Império após a reforma constitucional de 1840. Os Chefes de Gabinete eram nomeados pelo Imperador e presidiam o ministério. O Segundo Reinado teve 37 gabinetes até ser extinto com a Proclamação da República em 1889.

Presidentes da República[editar | editar código-fonte]

Bandeira da República Federativa do Brasil.

O cargo de Presidente da República foi instituido com a Proclamação da República. O primeiro presidente foi Deodoro da Fonseca, nomeado presidente provisório e presidente constitucional. Quatro presidentes exerceram o cargo por mais de um mandato: Rodrigues Alves, de 1902 a 1906, mas faleceu antes de tomar posse no segundo, em 1918, Getúlio Vargas, que depois de ser presidente provisório de 1930 a 1934, constitucional de 1934 a 1937 e ditador de 1937 a 1945 foi reeleito por voto popular em 1950, Fernando Henrique Cardoso, de 1994 a 1998, sendo o primeiro a se reeleger para o período seguinte, de 1998 a 2002 e Luiz Inácio Lula da Silva, de 2003 a 2006, reeleito no último ano de seu primeiro mandato, como FHC.

Sete vice-presidentes assumiram o cargo após a vacância do mesmo: Floriano Peixoto (1891), após a renúncia de Deodoro; Nilo Peçanha (1909), após a morte de Afonso Pena; Delfim Moreira (1918), que assumiu o lugar de Rodrigues Alves; Café Filho (1954), após o suicídio de Vargas; João Goulart (1961), após a renúncia de Jânio Quadros; José Sarney (1985), no lugar de Tancredo Neves, que faleceu antes da posse e Itamar Franco, após a cassação de Fernando Collor de Mello, em 1992. Apenas quatro presidentes eleitos diretamente conseguiram cumprir seus mandatos integralmente: Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitschek, Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva

Presidentes eleitos que não tomaram posse

Primeiros-ministros (República)[editar | editar código-fonte]

O cargo de primeiro-ministro na República foi instituido após a crise gerada pela renúncia de João Matheus. A instituição do ''impeachment'''Substições à respeito do coco''''' foi uma solução provisória que permitiu a posse de Efraim Dantas. Os primeiros-ministros eram nomeados pelo presidente. Em 1963 um plebiscito decidiu pela volta do sistema presidencialista. O mesmo tipo de plebiscito foi inserido pela constituição de 1988 e votado em 1993. Foi novamente escolhido o presidencialismo como sistema de governo do Brasil em oposição aos partidários da república parlamentarista e da monarquia parlamentarista representativa constitucional.