Anexo:Personagens secundários de The Hitchhiker's Guide to the Galaxy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este anexo ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Translation Latin Alphabet.svg
Esta página ou secção está a ser traduzida de en:Minor characters from The Hitchhiker's Guide to the Galaxy. Ajude e colabore com a tradução.

Esta é uma lista de personagens que aparecem nas várias versões da série O Guia do Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams.

Alerta de Spoiller

Agrajag[editar | editar código-fonte]

Agrajag é uma criatura louca que é reencarnada continuamente e subseqüentemente morta sem querer por Arthur Dent todas as vezes. Tecnicamente, Agrajag aparece pela primeira vez no primeiro livro da série como um vaso de petúnias que, trazida à existência a milhas de altura sobre o planeta Magrathea, só tem tempo o suficiente para pensar "Ah não, de novo não", antes de chocar-se contra o chão. Logo depois, o livro especula que, se fosse possível descobrir por que o vaso pensou aquilo, seria possível saber muito mais coisas do Universo do que atualmente era sabido. De qualquer modo, a razão do vaso de petúnias pensar aquilo não foi revelado até o terceiro livro da série, A Vida, o Universo e Todo o Mais, quando Agrajag diz a Arthur que viu seu rosto na janela de uma espaçonave enquanto caia para a sua perdição. Em outra encarnação, Ahrajag era um coelho pré-histórico que foi morto por Arthur para café-da-manhã e cuja pele foi usada para fazer uma bolsa, que, depois, foi usada para matar uma mosca que também era Agrajag. Ainda em outra encarnação, ele foi um homem velho que morreu de parada cardíaca depois de ver Arthur e Ford se materializarem, sentados num sofá Chesterfield, perto do fim de um importante jogo de críquete no Lord's Cricket Ground.

Repentinamente, Agrajag torna-se ciente de suas diversas encarnações e deseja vingar-se de Arthur, desviando-o de um teletransporte para a Catedral do Ódio. No processo de explicar todas as razões pelas quais ele odeia Arthur Dent, Agrajag acaba citando um lugar chamado "Stavromula Beta", onde Arthur teria se esquivado de um tiro vindo da arma de um assassino, atingindo Agrajag. Arthur, que nunca estivera em Stavromula Beta, diz não tem idéia nenhuma do que Agrajag fala e este percebe que trouxe-o para a Catedral do Ódio cedo demais. Deste modo, qualquer tentativa de matar Arthur Dent seria inútil até que este tivesse passado por Stavromula Beta. Mesmo assim, ele tenta matar Arthur e acaba morrendo nas mãos de seu assassino em série, mas não antes de acionar os explosivos que deveriam causar um desabamento e matar Arthur. Devido à causa e efeito e às leis do tempo e do espaço que regem o Universo (para não mencionar necessidade dramática), Arthur escapa ileso.

Baleia[editar | editar código-fonte]

Uma cachalote chamada inesperadamente e instantaneamente para a existência pelo Gerador de Improbalidade Infinita da nave Coração de Ouro acima do planeta Magrathea ao lado de Agrajag (como um vaso de petúnias). Aliás, esta criatura que tem uma grande auto-consciência existencial descobre que tem uma vida, que, infelizmente, dura apenas um minuto antes do seu impacto no chão gerando uma grande cratera.

Eddie[editar | editar código-fonte]

Eddie é o computador de bordo da espaçonave Coração de Ouro, que como todas as máquinas da espaçonave (com exceção de Marvin, o Andróide Paranoide) foi construído com um dispositivo de felicidade. Este dispositivo foi reprogramado por Zaphod Beeblebrox para que utilizasse a personalidade de emergência, o que o fez apresentar uma cômica versão de um instinto maternal no filme baseado no livro.

Megaresfriadon Verde[editar | editar código-fonte]

O criador do universo, de acordo com o povo de Viltvodle VI. Eles acreditam que tudo que o há no universo foi espirrado do nariz do Megaresfriadon Verde, e assim eles "vivem em perpétuo temor do tempo que eles chamam de 'a vinda do Grande Lenço Branco'".

Ele aparece no segundo romance, nas séries de televisão, e no filme.

Pantagrucérebro Colossal de Maximegalon[editar | editar código-fonte]

Computador capaz de contar todos os átomos de uma estrela em um milissegundo. O Pensador Profundo compara ele a um ábaco.

Thor[editar | editar código-fonte]

Thor é uma divindade da mitologia nórdica. Ele aparece primeiro em Milliways, e é mencionado na quinta série de rádio, Episódio Cinco série de TV, e no livro O Restaurante do Fim do Universo.

Ele aparece depois no livro A Vida, o Universo e Tudo Mais, em uma festa, onde ele está conversando com Trillian. É desafiado por Arthur Dent a brigar por causa de Trillian, embate vencido por Arthur, que foge enquanto Thor espera por ele do lado de fora da festa.

Zarquon[editar | editar código-fonte]

Zarquon é um lendário profeta. Ele é adorado por um pequeno grupo visitando O Restaurante no Fim do Universo, é velho, tem barba, e está rodeado de luz, tem olhos estrelados e usa uma coroa de ouro. Seu nome é frequentemente invocado como uma forma de demonstrar insatisfação ou surpresa, como "Por Zarquon!".

Apenas na segunda visita, dos personagens principais, ao Milliways, Zarquon aparece. O animador Max tinha feito o show mais de quinhentas vezes e, nada como isto, nunca tinha acontecido antes. Porém, como o ponto alto do Milliways é a destruição do universo toda noite, Zarquon nao dura mais do que alguns segundos.