Anexo:Personagens secundários de The Hitchhiker's Guide to the Galaxy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este anexo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Translation Latin Alphabet.svg
Esta página ou secção está a ser traduzida de en:Minor characters from The Hitchhiker's Guide to the Galaxy. Ajude e colabore com a tradução.

Esta é uma lista de personagens que aparecem nas várias versões da série O Guia do Mochileiro das Galáxias de Douglas Adams.

Alerta de Spoiller

Agrajag[editar | editar código-fonte]

Agrajag é uma criatura louca que é reencarnada continuamente e subseqüentemente morta sem querer por Arthur Dent todas as vezes. Tecnicamente, Agrajag aparece pela primeira vez no primeiro livro da série como um vaso de petúnias que, trazida à existência a milhas de altura sobre o planeta Magrathea, só tem tempo o suficiente para pensar "Ah não, de novo não", antes de chocar-se contra o chão. Logo depois, o livro especula que, se fosse possível descobrir por que o vaso pensou aquilo, seria possível saber muito mais coisas do Universo do que atualmente era sabido. De qualquer modo, a razão do vaso de petúnias pensar aquilo não foi revelado até o terceiro livro da série, A Vida, o Universo e Todo o Mais, quando Agrajag diz a Arthur que viu seu rosto na janela de uma espaçonave enquanto caia para a sua perdição. Em outra encarnação, Ahrajag era um coelho pré-histórico que foi morto por Arthur para café-da-manhã e cuja pele foi usada para fazer uma bolsa, que, depois, foi usada para matar uma mosca que também era Agrajag. Ainda em outra encarnação, ele foi um homem velho que morreu de parada cardíaca depois de ver Arthur e Ford se materializarem, sentados num sofá Chesterfield, perto do fim de um importante jogo de críquete no Lord's Cricket Ground.

Repentinamente, Agrajag torna-se ciente de suas diversas encarnações e deseja vingar-se de Arthur, desviando-o de um teletransporte para a Catedral do Ódio. No processo de explicar todas as razões pelas quais ele odeia Arthur Dent, Agrajag acaba citando um lugar chamado "Stavromula Beta", onde Arthur teria se esquivado de um tiro vindo da arma de um assassino, atingindo Agrajag. Arthur, que nunca estivera em Stavromula Beta, diz não tem idéia nenhuma do que Agrajag fala e este percebe que trouxe-o para a Catedral do Ódio cedo demais. Deste modo, qualquer tentativa de matar Arthur Dent seria inútil até que este tivesse passado por Stavromula Beta. Mesmo assim, ele tenta matar Arthur e acaba morrendo nas mãos de seu assassino em série, mas não antes de acionar os explosivos que deveriam causar um desabamento e matar Arthur. Devido à causa e efeito e às leis do tempo e do espaço que regem o Universo (para não mencionar necessidade dramática), Arthur escapa ileso.

Baleia[editar | editar código-fonte]

Uma cachalote chamada inesperadamente e instantaneamente para a existência pelo Gerador de Improbalidade Infinita da nave Coração de Ouro acima do planeta Magrathea ao lado de Agrajag (como um vaso de petúnias). Aliás, esta criatura que tem uma grande auto-consciência existencial descobre que tem uma vida, que, infelizmente, dura apenas um minuto antes do seu impacto no chão gerando uma grande cratera.

Benjy e Frankie[editar | editar código-fonte]

Benjy e Frankie são dois dos ratos que encomendaram a construção da Terra a pedido do Pensador Profundo. Eles aparecem no primeiro livro, em Magrathea (um dos portais que dá acesso à dimensão deles) querendo retirar o cérebro de Arthur Dent (que estava organicamente integrado à penúltima configuração do programa de computador da Terra) para descobrir qual era a Pergunta Fundamental. Sua tentativa é frustrada, e vendo que não conseguiriam a Pergunta, decidem inventar uma falsa Pergunta para uma palestra em sua dimensão. Optam por Quantos caminhos é preciso caminhar? (How many roads must a man walk down?, primeiro verso de Blowin' in the Wind, canção de Bob Dylan).

Eddie[editar | editar código-fonte]

Eddie é o computador de bordo da espaçonave Coração de Ouro, que como todas as máquinas da espaçonave (com exceção de Marvin, o Andróide Paranoide) foi construído com um dispositivo de felicidade. Este dispositivo foi reprogramado por Zaphod Beeblebrox para que utilizasse a personalidade de emergência, o que o fez apresentar uma cômica versão de um instinto maternal no filme baseado no livro.

Gag Halfrunt[editar | editar código-fonte]

Gag Halfrunt é o terapeuta cerebral particular de Prostetnic Vogon Jeltz e Zaphod Beeblebrox. Ele aparece no primeiro livro em um programa de rádio falando sobre Zaphod. depois, em The Restaurant at the End of the Universe, é revelado, em uma conversa entre Halfrunt e Prostetnic Vogon Jeltz, que o terapeuta ordenou a destruição da Terra (da dimensão de Arthur Dent e Trillian), em nome de todos os psiquiatras, pois se o computador revelasse a Pergunta Fundamental, todos ficariam felizes, e os psiquiatras e terapeutas seriam mandados embora de seus empregos.

Gargravarr[editar | editar código-fonte]

Gargravarr é a mente do guardião do Vórtice da Perspectiva Total, cujo corpo vaga por festas em planetas próximos a Frogstar B, um mundo totalmente deserto onde se encontra o Vórtice e Gargravarr. Ele tem a função de conduzir os condenados ao Vórtice da Perspectiva Total, que foi inventado por Trin Tragula e mostra todo o universo diante de seus olhos, toda a sua imensidão, além de um marcador minúsculo em toda a sua amplidão que indica que "Você está aqui", fazendo a vítima enxergar o quão insignificante é em todo o Universo e consequentemente destruindo o cérebro da vítima. Em The Restaurant at the End of the Universe, Gargravarr (ou pelo menos sua mente e sua voz) conduz Zaphod Beeblebrox ao Vórtice da Perspectiva Total.

Hactar[editar | editar código-fonte]

Hactar é um grande computador espacial construído com um cérebro orgânico, no sentido de que cada partícula sua possuía o padrão do todo, o que permitia que ele pensasse de forma mais imaginativa, flexível, e aparentemente também permitia que ele fosse chocado (Hactar foi chocado pelos Silásticos Armademônios de Striterax, a primeira raça a conseguir chocar um computador). É considerado um dos mais potentes já criados. Na tentativa de destruir os Árduos Gargalutadores de Stug e os Estiletanos Estrangulantes de Jajazikstak, os Silásticos Aramademônios de Striterax ordenaram a Hactar que construísse uma Arma Definitiva. O computador contruiu uma bomba muito, muito pequena que era uma matriz de conexões no hiperespaço que, ao ser ativada, conectaria o centro de cada um dos grandes sóis aos centros de todos os outros grandes sóis, transformando o Universo em uma gigantesca supernova hiperespacial. Como, segundo Hactar, nenhuma consequência da não destruição da bomba seria pior do que a consequência da destruição da bomba, o computador tomou a liberdade de construí-la com uma pequena falha. Quando, ao tentar destruir seus inimigos, os Silásticos Armademônios de Striterax descobriram a falha, pulverizaram o computador, destruíram a bomba e a si mesmos. Mais tarde, é revelado que os Silásticos Armademônios de Striterax não conseguiram destruir Hactar, mas apenas prejudicá-lo. Assim, insatisfeito com sua missão inferior (fracassada), Hactar incentivou partículas a se juntarem e formarem a nave que aterrisou no solo de Krikkit e fez os krikkitianos terem o mesmo pensamento que os Silásticos Armademônios de Striterax com relação ao Universo (a de que todas as outras raças deveriam ser aniquiladas, já que existiam). Os krikkitianos ordenaram (como queria Hactar) que o computador (ou o que restava dele) construísse novamente a Arma Definitiva para acabar com o restante do universo, e novamente Hactar falhou. Após uma longa jornada na tentativa de impedir os krikkitianos de tentar novamente sua "missão" de aniquilar o Universo em Life, the Universe and Everything, Arthur e Trillian destroem a consciência de Hactar.

Hotblack Desiato[editar | editar código-fonte]

Hotblack Desiato é membro do Disaster Area, descrita como a banda mais fantástica e barulhenta da Galáxia. Eles são tão barulhentos que seus shows são tocados a quilômetros de distância da plateia, por controle remoto de uma espaçonave a vários anos-luz do planeta em si (os planetas escolhidos geralmente tem alguma pena a cumprir para receber o Disaster Area). Hotblack aparece em The Restaurant at the End of the Universe, dentro do Milliways junto a um guarda-costas, que protege Desiato enquanto ele está temporariamente morto por questões financeiras. Arthur, Ford, Trillian, Zaphod e Marvin entram sem saber na nave negra que será usada no show do Disaster Area como nave dublê, chocando-se contra o sol de Kakrafoon para dar impacto ao show (consequentemente causando seríssimos danos ao planeta), e conseguem sair minutos antes do choque através de um aparelho de teleporte mal configurado (exceto Marvin, que permanece na nave e se choca contra o sol, já que é um robô e apenas quatro pessoas podem ser teleportadas por aquele aparelho no interior da nave).

Loonkwill e Fook[editar | editar código-fonte]

Loonkwill e Fook são os dois programadores do Pensador Profundo escolhidos para fazerem a grande pergunta ao computador. Após serem interrompidos por Vroomfondel e Majikthise, o Pensador Profundo lhes diz para esperar sete milhões e quinhentos mil anos e descobrir a resposta.

Loonquawl e Phouchg[editar | editar código-fonte]

Loonquawl e Phouchg foram escolhidos, desde o dia de seu nascimento, para apresentarem o Grande Dia da Iluminação, quando o Pensador Profundo revelaria a resposta à Vida, o Universo e Tudo Mais, sete milhões e quinhentos mil anos depois que Loonkwill e Fook o questionaram (75 gerações depois). Ficam chocados quando descobrem que a resposta é 42. O Pensador Profundo também lhes explica que, para calcular qual era a pergunta para essa resposta (que, se todos tivessem pensado bem, ninguém sabia), projetaria e construiria um outro computador mais avançado, cuja própria vida orgânica faria parte de sua matriz. Seu nome seria Terra.

Majikthise e Vroomfondel[editar | editar código-fonte]

Majikthise e Vroomfondel podem ou não ser filósofos. Eles interrompem o questionamento de Loonkwill e Fook ao Pensador Profundo sobre a resposta À Vida, o Universo e Tudo Mais, em nome de todos os filósofos, pensadores, sábios e afins, para impedir que seus pensamentos sobre o sentido da vida acabassem por ali, com um computador revelando tudo. Mas o próprio Pensador Profundo lhes faz enxergar que eles poderiam ganhar muito dinheiro com a enorme publicidade em cima da área da filosofia até o fim dos sete milhões e quinhentos mil anos de espera.

Max Quordlepleen[editar | editar código-fonte]

Max Quordlepleen tem a função de entreter a plateia do Miliways, o Restaurante no Fim do universo, minutos antes e durante o espetáculo do Fim do Universo. É descrito como alto, magro, com faces cavernosas, olhos fundos demais e lábios finos e compridos demais.

Megarresfriadon Verde[editar | editar código-fonte]

O criador do universo, de acordo com o povo de Viltvodle VI. Eles acreditam que tudo que o há no universo foi espirrado do nariz do Megaresfriadon Verde, e assim eles "vivem em perpétuo temor do tempo que eles chamam de 'a vinda do Grande Lenço Branco'".

Ele aparece no segundo romance, nas séries de televisão, e no filme.

O Homem que Rege o Universo[editar | editar código-fonte]

O Homem que Rege o Universo aparece no livro The Restaurant at the End of the Universe. Ele mora num pequeno mundo perdido em algum lugar no meio de nenhum lugar específico (ou seja, nenhum lugar que pudesse ser encontrado, já que era protegido por um campo de improbabilidade cuja chave apenas seis homens na Galáxias possuiam), em uma choupana junto a um gato com quem tem estranhas conversas (e a quem chama de Senhor), uma poltrona gasta, uma velha mesa riscada, um colchão velho, algumas almofadas e um pequeno aquecedor. Ele é descrito como alto, desajeitado, com cabelos cor de palha mal cortados, vestido com roupas velhas. Douglas Adams dá a entender que através de conversas com o gato, atos e movimentos com objetos que são deixados em sua mesa e respostas a perguntas de seis homens que descem no planeta em naves negras, ele rege o Universo, sem ao menos querer (justamente porque ninguém que queira reger o universo pode governá-lo). Zaphod e Trillian fazem uma visita forçada à sua choupana junto a Zarniwoop, que quer descobrir quem rege o Universo por trás da figura do Presidente da Galáxia. Suas conversas não são reveladoras, e sim muito confusas, e enquanto Zarniwoop perde a paciência com o homem, Trillian e Zaphod saem do planeta. O Homem que Rege o Universo não aparece, mais tarde, em nenhum dos livros de Douglas Adams.

Pantagrucérebro Colossal de Maximegalon[editar | editar código-fonte]

Computador capaz de contar todos os átomos de uma estrela em um milissegundo. O Pensador Profundo compara ele a um ábaco.

Prostetnic Vogon Jeltz[editar | editar código-fonte]

Prostetnic Vogon Jeltz é o comandante da frota de construção Vogon que destrói a Terra no primeiro livro. Um vogon burocrata perverso, como todos outros, Prostetnic também aparece no Restaurante no Fim do Universo, recebendo ordens do psicólogo Gag Halfrunt para atacar a Coração de Ouro, onde estão Arthur e Trillian. Prostetnic volta a dar as caras em Mostly Harmless, contando com a "ajuda" dos grebulons para a destruição da última Terra de todas as dimensões.

Slartibartfast[editar | editar código-fonte]

Slartibartfast, descrito como um velho alto com um rosto fino, nobre, envelhecido, porém bondoso, é um magratheano famoso por fazer litorais e fiordes dos planetas. Ele ganhou um prêmio por fazer a Noruega da Terra. No primeiro livro, Slartibartfast mostra a Arthur a história da criação do Pensador Profundo, da resposta à Vida, o Universo e Tudo Mais e do projeto de criação da Terra como computador para calcular a Pergunta Fundamental. Mostra também a Arthur as obras inacabadas da Terra II. Slartibartfast retorna em Life, the Universe and Everything, pedindo a ajuda de Arthur e Ford para salvar o Universo dos terríveis robôs xenófobos de Krikkit, a bordo de sua nave Bistromática. Slartibartfast fez parte da Campanha Pelo Tempo Real, que tentava impedir mudanças espaço-temporais ocasionadas por viagens no tempo desnecessárias. Em The Restaurant at the End of the Universe, Arthur e Ford descobrem que estão na Terra pré-histórica quando veem a assinatura de Slartibartfast e uma homenagem a ele em um fiorde (na Noruega pré-histórica).

Sr. L. Prosser[editar | editar código-fonte]

O sr. L. Prosser é um terráqueo de 40 anos, gordo, desleixado, que trabalha no conselho municipal da cidade de Arthur Dent e que, mesmo sem saber e sem apresentar nenhum vestígio genético, devido à intensa miscigenação, é descendente direto da linhagem masculina de Genghis Khan (o que acaba afetando sua mente muitas vezes). Ele aparece em The Hitchhiker's Guide to the Galaxy, o primeiro livro, tentando demolir a casa de Arthur para a construção de um desvio, junto a vários operários de tratores. Ford Prefect convence o sr. Prosser a deixar Arthur ir ao bar com ele sem ter de se deitar em frente à casa para impedir a demolição iminente, com a condição de que o próprio Sr. Prosser deite ali no lugar de Arthur. Depois de toda a confusão sair de seus pensamentos, ele destrói a casa, mas isso não faz diferença para Arthur, já que minutos depois a Terra é demolida para a construção de uma via aérea hiperespacial (num belo toque de ironia de Douglas Adams).

Thor[editar | editar código-fonte]

Thor é uma divindade da mitologia nórdica. Ele aparece primeiro em Milliways, e é mencionado na quinta série de rádio, Episódio Cinco série de TV, e no livro O Restaurante do Fim do Universo.

Ele aparece depois no livro A Vida, o Universo e Tudo Mais, em uma festa, onde ele está conversando com Trillian. É desafiado por Arthur Dent a brigar por causa de Trillian, embate vencido por Arthur, que foge enquanto Thor espera por ele do lado de fora da festa.

Zarniwoop[editar | editar código-fonte]

Zarniwoop trabalha em um escritório na sede do Guia do Mochileiro das Galáxias, em Beta da Ursa Menor. Ele bola um plano para descobrir quem rege o Universo por trás da figura do presidente da Galáxia, junto a Roosta, Yooden Vranx (o ex-presidente da Galáxia), Zaphod Beeblebrox Quarto (o bisavô de Zaphod Beeblebrox) e o próprio Zaphod Beeblebrox. Como parte do plano, Zaphod deveria se tornar presidente da galáxia, porém isso requere exames minuciosos em seu cérebro para descobrir se há algum motivo maligno para ele se tornar presidente. Assim, Zaphod tem de trancafiar todas as suas lembranças de seus planos com Zarniwoop e os outros em uma parte específica de seu cérebro, sem que ela possa ser acessada mais tarde. Zaphod acaba como um presidente sem objetivos e ideais, e quando Zarniwoop e Roosta tentam fazer com que ele regresse ao plano, Zaphod evita. Zarniwoop aparece no livro The Restaurant at the End of the Universe.

Zarquon[editar | editar código-fonte]

Zarquon é um lendário profeta. Ele é adorado por um pequeno grupo visitando O Restaurante no Fim do Universo, é velho, tem barba, e está rodeado de luz, tem olhos estrelados e usa uma coroa de ouro. Seu nome é frequentemente invocado como uma forma de demonstrar insatisfação ou surpresa, como "Por Zarquon!".

Apenas na segunda visita, dos personagens principais, ao Milliways, Zarquon aparece. O animador Max tinha feito o show mais de quinhentas vezes e, nada como isto, nunca tinha acontecido antes. Porém, como o ponto alto do Milliways é a destruição do universo toda noite, Zarquon nao dura mais do que alguns segundos.