Angelo Rizzoli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Angelo Rizzoli (31 de Outubro de 1889 – 24 de setembro de 1970). Foi um editor e produtor de filmes italiano.

Angelo Rizzoli nasceu em Milão, muito pobre e interno em um orfanato, onde se tornou mestre no uso do tipógrafo. Ele começou a trabalhar no mercado de publicações e nos anos de 1920 tornou-se empreendedor no setor, fundando a A.Rizzoli & Co. (atual RCS Mediagroup). Em 1927 ele comprou a revista Novella da Mondadori, bi-semanal e a mudou para uma publicação destinada à mulheres. A circulação chegou a 130.000. Após esse início bem-sucedido, ele adquiriu diversas outras publicações que incluem Annabella, Bertoldo, Candido, Omnibus, Oggi e L'Europeo. Rizzoli também investiu na publicação de livros, clássicos e novelas populares, a partir de 1949. Em 1954 ele organizou a "Cartiera di Lama di Reno", transformando-a numa fundação para liderar um verdadeiro império de publicações italianas. A sede foi mudada em 1960 para um complexo na Via Civitavecchia em Milão.

Rizzoli foi atuante no cinema do seu país, trabalhando na produção de filmes de Federico Fellini, "" (ou "Otto e Mezzo") e "The Sweet Life" (ou "La Dolce Vita"). Nos anos de 1960, Rizzoli abriu a Rizzoli International Bookstore em Nova Iorque, com um prédio na Quinta Avenida desenhado pelo arquiteto Ferdinand Gottlieb. A bookstore produziu filmes de Hollywood, de Woody Allen (Manhattan) e Falling in Love de Robert de Niro. Rizzoli também ficou conhecido como o produtor do documentário sobre a África Africa Addio.

Rizzoli foi casado com Anna Marzorati, com que teve dois filhos: Angelo e Giuseppina. Rizzoli morreu em Milão com a idade de 81 anos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Truncellito, M.: "Angelo Rizzoli", Bella (revista semanal italiana), Setembro de 2000.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]