Anglo-americano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anglo-americano
=Gilbert Stuart Williamstown Portrait of George Washington.jpgKey-Francis-Scott-LOC.jpg
ErnestHemingway.jpgJoseph Smith, Jr. portrait owned by Joseph Smith III.jpgRobert Edward Lee.jpg
População total

Anglo-americano
28,290,369

Regiões com população significativa
Estados Unidos
(predominantemente Norte)
28,290,369 [1] [2]
Línguas
Inglês americano · minorias de Gaélico · Espanhol  · Francês ·
Religiões
Cristianismo (maioritariamente Anglicanos ou Episcopais Norte-AmericanosProtestantismo ou Catolicismo Romano) · Islamismo · Judaísmo · Budismo · Ateísmo · Agnosticismo · outras
Grupos étnicos relacionados

ingleses · Anglo-canadiano


Anglo-americano (também conhecido por inglês-americano - English American, em língua inglesa) é o cidadão ou habitante dos Estados Unidos da América cuja suas raízes étnicas se originam no todo ou em parte na Inglaterra. Segundo os dados do censo de dos EUA, os americanos que alegaram possuir um ancestral inglês formam o terceiro maior grupo de euro-descendentes, sendo superado somente pelos americanos de ascendência alemã e irlandesa. Em 2006, os americanos com ascendência inglesa perfaziam 9,4% do total da população estadunidense. Todavia, demógrafos acreditam que esse número possa ser bem maior, uma vez que as pessoas de ancestralidade inglesa tendem a se identificar somente como americanos, ou, em caso de ascendência europeia mista, os mesmos se identificam com o outro grupo europeu.[3] [4] [5] Como a maioria dos grupos de imigrantes, o inglês migrou para os Estados Unidos da América desde os primórdios da imigração e, mais tarde, procurou a prosperidade económica e começou a migrar em grandes números, sem apoio estatal, especialmente no século XIX.

Isso deixou marcas profundas no país, que na uso da língua, nos costumes, na música, na gastronomia, na arquitetura, entre outros.

Referências

  1. 9,41% da população U.S., 2005
  2. US Census Bureau, discriminação racial dos Estados Unidos em 2005. Visitado em 2006-11-20.
  3. Reynolds Farley, 'The New Census Question about Ancestry: What Did It Tell Us?', Demography, Vol. 28, No. 3 (August 1991), pp. 414, 421.
  4. Stanley Lieberson and Lawrence Santi, 'The Use of Nativity Data to Estimate Ethnic Characteristics and Patterns', Social Science Research, Vol. 14, No. 1 (1985), pp. 44-6.
  5. Stanley Lieberson and Mary C. Waters, 'Ethnic Groups in Flux: The Changing Ethnic Responses of American Whites', Annals of the American Academy of Political and Social Science, Vol. 487, No. 79 (September 1986), pp. 82-86.

Ver também[editar | editar código-fonte]