Anita Peçanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Anita Peçanha
Nascimento 22 de março[1] de ?
Campos dos Goytacazes,  Rio de Janeiro
Morte 9 de abril de 1960
Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cônjuge Nilo Peçanha
Filho(s) Nilo
Zulma
Mário
Ocupação primeira-dama do Brasil entre 1909 e 1910

Anita Peçanha (Campos dos Goytacazes, 22 de março[1] de ? — Rio de Janeiro, 9 de abril de 1960) foi a esposa de Nilo Peçanha, e exerceu o cargo de primeira-dama do país de 1909 a 1910.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anna de Castro Belisário Soares de Sousa, cujo apelido era Anita, nasceu em uma família aristocráta brasileira, em Campos dos Goytacazes.

Seu pai, o advogado João Belizário Soares de Sousa, era primo do visconde do Uruguai e filho de Bernardo Belizário Soares de Sousa, conselheiro do Império. Sua mãe, D. Anna Rachel Netto Ribeiro de Castro, era filha de José Ribeiro de Castro, Visconde de Santa Rita, sendo, portanto, neta partena do primeiro Barão de Santa Rita e materna do Barão e da Viscondessa de Muriaé.

Cquote1.svg "Era de pequena estatura, mas elegantíssima e de cativante beleza. A fronte altiva e o andar firme revelavam rara personalidade. Talvez um pouquinho de orgulho. (...) Dera-lhe o pai instrução requintada. Aprendera piano com o famoso professor italiano Carlos Reinolds; sua governanta Augusta Jaeger, ilustre mestra de Hamburgo, ensinara-lhe alemão e francês e a exercitara na equitação. Era campista do coração de Campos, pois nascera no solar do avô materno, o Visconde de Santa Rita à rua 7 de Setembro" Cquote2.svg
Brígido Tinoco

No dia 6 de dezembro de 1895, na igreja de São João Batista da Lagoa, no Rio de Janeiro, Anita casou-se com Nilo Procópio Peçanha. O casamento foi um escândalo social, pois ela deixou a casa paterna para viver com uma tia e, assim, poder se casar com Nilo Peçanha, um sujeito pobre e mulato, embora político promissor[2] . Anita e Nilo tiveram três filhos[3] : Nilo, Zulma e Mário[4] .

Tendo sido uma esposa atuante e participativa, além de ter garantido o sucesso da carreira política de Nilo Peçanha, D. Anita sobreviveu trinta e seis anos ao seu finado marido[2] . Foram muitas as represálias sociais sofridas pelo casal, a Baronesa de Monte de Cedro (D. Francisca Antonia Ribeiro de Castro Carneiro da Silva) cortou relações com sua prima e melhor amiga, sendo seguida pela Viscondessa de Quissamã (D. Anna Francisca Ribeiro de Castro Carneiro da Silva) e pela Condessa de Araruama (D. Rachel Francisca de Castro Netto Carneiro da Silva).

Numa ocasião em que D. Anita esteve hospedada na Fazenda Bertioga, região serrana de Macaé (RJ), propriedade de sua prima D. Julia Nogueira da Gama e Gavinho, ficou encantada com o talento do cozinheiro campista Luís Cipriano Gomes, aliciando o serviçal de sua parenta, levando-o para o Rio de Janeiro. O Cipriano serviu ao casal Peçanha no Palácio do Catete, sendo avô materno de Angenor de Oliveira, o célebre Cartola (compositor).

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedida por:
Maria Guilhermina de Oliveira Pena
Primeira-dama do Brasil
19091910
Sucedida por:
Orsina da Fonseca
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.