Ann Dunham

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Abril de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Ann Dunham
Nome completo Stanley Ann Dunham
Nascimento 29 de novembro de 1942
Fort Leavenworth, Kansas
 Estados Unidos
Morte 7 de novembro de 1995 (52 anos)
Honolulu, Havaí
 Estados Unidos
Nacionalidade Americana
Filho(s) Barack Obama
Maya Soetoro-Ng
Ocupação Antropóloga
Causa da morte câncer de ovário e de útero

Stanley Ann Dunham Soetoro (29 de novembro de 19427 de novembro de 1995), conhecida como Ann Dunham, e mais tarde como Ann Sutoro,[carece de fontes?] foi uma antropóloga[1] especializada no desenvolvimento de zonas e comunidades rurais. Natural do estado do Kansas, Dunham passou sua adolescência em Mercer Island, local próximo a Seattle, Washington, e a maior parte de sua vida adulta no Havaí.

Ann é a falecida mãe do atual presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e de Maya Soetoro-Ng.[1] Por duas vezes ela se casou com colegas estudantes, de países distantes sobre os quais ela nada sabia, e nas duas vezes os casamentos não deram certo, deixando com ela a responsabilidade de cuidar dos dois filhos.[1]

Ela era filha de Madelyn Lee Payne (Filha de Rolla Charles Payne e Leonna McCurry) e Stanley Armour Dunham (Filho de sir Ralph Waldo Emerson Dunham e Ruth Lucille Armour). Ralph era descendente de John FitzRandolf, o lorde de Spennithorne.

Em 2012, uma equipe de genealogistas disseram ter provas que "sugerem fortemente" que a mãe branca de Obama descendia de John Punch,[2] um dos primeiros escravos africanos documentados nos Estados Unidos.[2] Punch nasceu no oeste africano e foi levado por volta de 1640 para a colônia de Virgínia, na condição de trabalhador não remunerado, situação idêntica a de muitos colonos brancos.[2] Porém, ele fugiu para Maryland e foi capturado, tendo como punição trabalhar como escravo o resto da vida, o que leva muitos historiadores a considerá-lo como sendo o primeiro afro-americano escravizado, uma vez que já se encontrava nessa condição mesmo antes do advento das leis que regulamentaram a escravidão na Virgínia. Punch teve filhos com uma mulher branca, que herdaram dela a condição de livres, dentre os quais estava John Bunch, que teve seu sobrenome alterado e é provavelmente um antepassado da mãe de Obama.[2] Seus descendentes continuaram a casar com brancos ao longo das gerações e se tornaram proprietários de terra de destaque na Virgínia. Durante as eleições americanas, alguns afro-americanos não viam Obama como "um deles", pois acreditava-se que a sua origem africana vinha somente do seu pai queniano, que não descendia de escravos e não tinha nenhuma ligação familiar nos Estados Unidos. Esse estudo genealógico, porém, surpreendeu ao mostrar que Obama provavelmente descende de um escravo, mas do lado da sua mãe branca. Essa descoberta também influencia a teoria suscitada por Donald Trump de que Obama na verdade não é americano, teoria contraditória uma vez que Obama provavelmente descende de um escravo que foi uma das primeiras pessoas a chegar aos Estados Unidos (ver: Teorias conspiratórias sobre a cidadania de Barack Obama). John Punch está onze gerações atrás de Obama. Não há nenhuma evidência de que a mãe de Obama suspeitasse que tinha um antepassado africano.[3] [4] [5]

Referências

  1. a b c The Story of Barack Obama's Mother (em inglês). Amanda Ripley para a Revista Time. TIME (9 de abril de 2008).
  2. a b c d Anastasia Harman e Natalie D. Cottrill; Paul C. Reed e Joseph Shumway. Documenting President Barack Obama’s Maternal African-American Ancestry: Tracing His Mother’s Bunch Ancestry to the First Slave in America (PDF) (em inglês). Ancestry,.com. MSN. Página visitada em 23 de setembro de 2012.
  3. fonte aqui
  4. Sheryl Gay Stolberg (1 de agosto de 2012). Estudo sugere que mãe de Obama tem raízes africanas (em português). New York Times. Ultimo Segundo. Página visitada em 23 de setembro de 2012.
  5. President Obama and California Professor Share Melungeon Ancestry (em inglês). prlog.org (20 de setembro de 2011). Página visitada em 23 de stembro de 2012.