Annie Wood Besant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Annie Besant
Nome completo Annie Wood Besant
Nascimento 1 de outubro de 1847
Inglaterra
Morte 30 de setembro de 1933 (85 anos)
Índia
Nacionalidade  Reino Unido
Cônjuge Reverendo Frank Besant
Ocupação Escritora teosofista, ativista dos direitos da mulher.
Influências
Principais interesses Teosofia, maçonaria, religião comparada
Religião Igreja Católica Liberal

Annie Wood Besant (Londres, Inglaterra, 1 de outubro de 1847Adyar, Madras, Índia, 30 de setembro de 1933) foi uma teósofa, militante socialista, maçom, ativista e defensora dos direitos das mulheres, uma das mais notáveis oradoras da sua época e autora de uma vasta obra literária sobre Teosofia.

Vida[editar | editar código-fonte]

Annie Wood Besant nasceu em 1847 e casou-se em Hasting, Sussex, com o reverendo Frank Besant, irmão mais novo de Walter Besant. Seu casamento durou seis anos e eles se separaram em 1873. Foi dada a seu marido a custódia permanente de seus dois filhos, Mabel e Arthur. Ela lutou pelas causas que acreditava serem justas, iniciando com a liberdade de pensamento, direitos das mulheres, secularismo (ela era membro líder da Sociedade Nacional Secular, ao lado de Charles Bradlaugh), controle de natalidade, socialismo Fabiano e direito dos trabalhadores.

Annie Besant com o Cor. Henry Olcott (esq.) e Charles Leadbeater (direita) em Adyar em Dezembro de 1905

Sua mais notável vitória neste período foi a greve que ela liderou em 1888 para melhorar a saúde e segurança das trabalhadoras de uma fábrica de fósforos. Durante aquele período a indústria de fósforo era extremamente poderosa, uma vez que a energia elétrica não estava ao alcance de todos e fósforos eram essenciais para acender velas, lampiões de gás etc. A greve de Annie Besant marcou história, pois foi a primeira vez que alguém desafiou com sucesso os fabricantes de fósforos; também foi considerada uma marca de vitória dos primeiros anos do movimento socialista na Inglaterra.

Teosofia[editar | editar código-fonte]

Em 1889 ela foi solicitada a escrever uma crítica sobre a Doutrina Secreta, um livro escrito por Blavatsky. Depois de ler a obra, ela realizou uma entrevista com a autora, tendo-se tornando membro da Sociedade Teosófica.

Algum tempo após o falecimento de Blavatsky, Besant acusou William Quan Judge, líder da seção norte-americana da Sociedade Teosófica, de falsificar cartas dos Mahatmas. Tal conflito causou na época a separação de uma grande parte das lojas nos Estados Unidos da Sociedade Teosófica. Annie Besant em 1903 mudou-se para Índia e em 1908 foi eleita presidente internacional da Sociedade Teosófica, posição esta que ocupou até falecer em 1933.

Ordem Mística do Templo da Rosacruz[editar | editar código-fonte]

Em 1912 Annie Besant, Marie Russak e James Ingall Wedgwood fundaram a Ordem do Templo da Rosa-Cruz. Em razão dos numerosos problemas originados na Inglaterra durante a Primeira Guerra Mundial, as atividades tiveram que ser suspensas.

Besant retornou a suas tarefas como Presidente Mundial da Sociedade Teosófica, Wedgwood seguiu trabalhando como bispo da Igreja Católica Liberal e Russak manteve contato na Califórnia com Harvey Spencer Lewis, ao qual ajudou na elaboração dos rituais da Ordem Rosa-cruz AMORC.

Maçonaria[editar | editar código-fonte]

Annie Besant vestida de Mestre Maçom do 33º.

Em consequência do seu activismo pelos direitos da mulher, causas humanitárias e interesse pelo ocultismo, Annie Besant pediu para ingressar na Ordem Maçónica Internacional Le Droit Humain (co-maçonaria). Em 1902, juntamente com Francesca Arundale, viajou a Paris, onde foi iniciada nos três primeiros graus da maçonaria. De regresso a Inglaterra Annie Besant criou a Co-maçonaria e fundou três Lojas Maçónicas em Londres, três Lojas no Norte de Inglaterra, outras três no Sul de Inglaterra e uma Loja na Escócia.
Mais tarde fundou Lojas e Capítulos da Co-maçonaria em Canada, Índia, Ceilão, América do Sul, Austrália e Nova Zelândia.[1]

Índia[editar | editar código-fonte]

Na Índia, fundou a Liga Nacionalista Indiana. Ela dedicou-se não somente a Sociedade Teosófica, mas também ao progresso e liberdade da India. Foi a primeira mulher eleita Presidente do Congresso Nacional da Índia. Besant Nagar é o nome dum bairro (próximo à sede da Sociedade Teosófica) em Chennai, assim designado em sua honra.

Krishnamurti[editar | editar código-fonte]

Adotou como filho o jovem indiano Krishnamurti, que era tido pelos teósofos como um grande mestre.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em português[editar | editar código-fonte]

Em inglês[editar | editar código-fonte]

  • The Political Status of Women (1874)
  • Marriage, As It Was, As It Is, And As It Should Be: A Plea For Reform (1878)
  • The Law Of Population (1877)
  • Autobiographical Sketches (1885)
  • Why I became a Theosophist (1889)
  • An Autobiography (1893)
  • The Ancient Wisdom (1898)
  • Thought Forms (1901)
  • Bhagavad Gita (Tradução) (1905)
  • Introduction to Yoga (1908)
  • Occult Chemistry
  • The Doctrine of the Heart (1920)
  • Esoteric Christianity
  • super-Human Men
  • Theosophy and the new Psychology

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The International Bulletin, 20 September 1933, The International Order of Co-Freemasonry, Le Droit Humain.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Annie Wood Besant
Portal A Wikipédia possui o portal: