Anomalocarididae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAnomalocarididae
Ocorrência: Cambriano-Devoniano[1] [2]
Anomalocaris saron

Anomalocaris saron
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
(sem classif.) Bilateria
Protostomia
Superfilo: Ecdysozoa
(sem classif.) Panarthropoda
Filo: Lobopodia
Classe: Dinocarida
Ordem: Radiodonta
Família: Anomalocarididae
Raymond, 1935
Gêneros
Amplectobelua

Anomalocaris
Cucumericrus
Caryosyntrips
Cassubia
Hurdia
Kerygmachela?
Jianshanopodia?
Laggania
Schinderhannes
Stanleycaris
Pambdelurion?
Parapeytoia?
Tamisiocaris?

Os anomalocaridídeos (Anomalocarididae) são uma família de animais marinhos extintos datados nos registros fósseis desde o período Cambriano na China, Estados Unidos, Canadá, Polônia e Austrália. Por muito tempo pensou-se que eles pertenciam apenas ao Cambriano, mas a descoberta do Devoniano Schinderhannes, estendeu seu registro para algumas centenas de milhões de anos — sua natureza não mineralizada significa que eles estavam ausentes no registro fóssil intermediário.[2] Nessa família estão os maiores animais conhecidos do Cambriano — alguns espécimes chineses podem atingir até 2 metros de comprimento — e a maioria deles era provavelmente composta de carnívoros ativos (embora haja evidências de que um de seus gêneros, Laggania, alimentava-se de plâncton).[3] Os anomalocaridídeos prosperaram durante o Cambriano inferior-médio e sobreviveram até o Devoniano.

Características[editar | editar código-fonte]

Os anomalocaridídeos eram animais nadadores, achatados e segmentados que possuíam dois apêndices na frente da boca. A boca era uma estrutura circular com forma de um abacaxi, mas com um anel de dentes duros e afiados no orifício central. A boca era mais retangular que redonda, e os dentes não se encontravam no meio. Isso lhes permitiu desenterrar a concha de pequenos artrópodes como os trilobitas; muitos trilobites foram encontrados com marcas de mordida. Os anomalocaridídeos possuíam olhos grandes e um corpo ladeado por uma série de lóbulos de natação.

Parapeytoia yunnanensis, uma espécie de anomalocaridídeo (muitos cientistas debatem se o Parapeytoia é um anomalocaridídeo de verdade, ou se, ele esta mais intimamente relacionado com os gêneros Yohoia e Haikoucaris), pode ter tido pernas.[4] Em comparação as muitas criaturas marinhas de seu tempo, os anomalocaridídeos eram extremamente ágeis. Os lóbulos de seus flancos podiam mover-se em forma de onda, coisa que lhes permitiu mover-se a grandes velocidades. A couraça deles era mais flexível que a de suas presas, permitindo uma maior mobilidade.

Depois de morrer, aqueles grandes organismos tendiam a desintegrar-se e a quebrar-se em pedaços; isso costumava acontecer quando mudavam de pele. Fósseis completamente intactos de anomalocaridídeos são muito raros. Quando foram classificados pela primeira vez, os apêndices da boca foram classificados como artrópodes de outro tipo, a boca era uma medusa fossilizada denominada Peytoia e o corpo era uma esponja chamada Laggania, sem relações com a cabeça. As peças foram finalmente relacionadas na década de 80; desde então foram descritos uma série de gêneros e espécies, que se diferenciam por pequenos detalhes nos apêndices bucais, se eles têm ou não cauda, a situação da boca, etc.[5] Curiosamente, quando estes fósseis são completamente reconstruidos, eles se assemelham (na aparência), a um camarão gigante com um par de apêndices perto da boca.

O nome Anomalocaris se referia originalmente aos apêndices (que foram à primeira parte a receber um nome), e depois se aplicou ao animal inteiro por causa da lei de prioridade da nomenclatura zoológica.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Atualmente se conhecem cinco gêneros de anomalocaridídeos: Amplectobelua, Anomalocaris, Hurdia, Laggania e Schinderhannes. Foi classificada na família uma série de outros animais que se consideram relacionados, Parapeytoia, Pambdelurion e Kerygmachela, porém provavelmente pertencem a clados diferentes. Os anomalocaridídeos são bastante comuns durante todo o Cambriano, e são conhecidos desde os primórdios do tipo de fauna do Folhelho Burgess, o Cambriano Inferior da Polônia, anterior à primeira aparição de trilobitas.[1]

Comparando as espécies de Anomalocaris com as de Laggania, as espécies de Laggania não possuíam cauda além de terem uma cabeça muito maior com os olhos que eram localizados atrás em vez da frente da boca, o que teria sido desvantajoso para a caça ativa. Como resultado disto, alguns cientistas tem descrito o Laggania como um animal que se alimentava de plâncton.[3] Contudo, as espécies de Amplectobelua, em contraste com as espécies de Anomalocaris, eram menores e tinham a frente do corpo muito mais ampla com os olhos localizados lateralmente à boca.

Os anomalocaridídeos parecem estar estreitamente relacionados com os opabinídeos (Opabinidae), outro gênero de animais enigmáticos. A descoberta de um anomalocaridídeo devoniano sugere que a família é um grupo parafilético, contendo os artrópodes.[2]

Referências

  1. a b Budd 1998, p. 1201-1213
  2. a b c A Great-Appendage Arthropod with a Radial Mouth from the Lower Devonian Hunsrück Slate, Germany (em inglês). Página visitada em 18-05-2012.
  3. a b Dzik 1988, p. 29–38
  4. Species Accounts II - Parapeytoia yunnanensis & Opabinia regalis (em inglês). Página visitada em 18-05-2012.
  5. Historical background - Part 1 (em inglês). Página visitada em 18-05-2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Budd, John S.Peel. (1997). "A new Xenusiid lobopod from the Early Cambrian sirius passed fauna of North Greenland". Paleontology 41.
  • Dzik, J.. (1988). "The oldest arthropods of the East European Platform". Lethaia 21.