António Augusto da Rocha Peixoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

António Augusto da Rocha Peixoto (Póvoa de Varzim, 18 de Maio de 1866 - Matosinhos, 2 de Maio de 1909) foi arqueólogo e etnólogo português.

Em 1885, juntamente com Gonçalves Coelho, Ricardo Severo, Fonseca Cardoso, Alexandre Braga, filho, Hamilton de Araújo, Guilherme Braga (filho), Augusto Nobre e Eduardo Arthayett fundou o Grémio "Oliveira Martins", que viria a ser o embrião da futura Sociedade Carlos Ribeiro, que editava a revista "Portugàlia", notável revista de estudos etnográficos, como até então não se havia feito no país. A revista veio mais tarde a contar com a colaboração de Adolfo Coelho, Albano Bellino, Alberto Sampaio, António Augusto Gonçalves e outros notáveis, entre os quais se destacam os arqueólogos Martins Sarmento e Santos Rocha.[1]

Em 1891, secretaria a «Revista de Portugal» fundada pelo seu conterrâneo Eça de Queirós e organizou o Gabinete de Mineralogia, Geologia e Paleontologia da Academia Politécnica do Porto (actual Universidade do Porto). Colaborou em outros jornais e revistas e dirigiu a Biblioteca Pública e Museu Municipal do Porto. Na sua terra natal fez trabalhos de arqueologia na cividade de Terroso e remodelou os paços do concelho. Duas semanas depois de morrer, o corpo foi transferido do cemitério de Agramonte no Porto para o da Póvoa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Personalidades, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.