António Aurélio Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

António Aurélio Gonçalves, conhecido como Nhô Roque (Mindelo, São Vicente, 25 de setembro de 1901 - idem, 30 de setembro de 1984) foi um escritor, crítico, historiador e professor cabo-verdiano. Nasceu na cidade de Mindelo, São Vicente, em 25 de setembro de 1901 e faleceu no dia 30 de setembro de 1984, vítima de atropelamento.[1] [2]

Era filho de Roque da Silva Gonçalves.

Esteve ausente de S. Vicente durante vinte e dois anos: foi para Lisboa em 1917 para continuar os estudos liceais depois do seminário na Ilha de São Nicolau e fazer um curso superior. Matriculou-se em medicina, que frequentou durante dois anos. Seguidamente estudou Belas Artes e, finalmente, História e Filosofia. Voltou à sua terra natal só nos inícios de 1939.

Ativo e crítico nas mais diversas áreas – prefácios de livros, seminários de literatura no Curso de Formação de Professores do Ensino Secundário, artigos em revistas como Ponto & Vírgula.

Foi professor de História e Filosofia no liceu do Mindelo.[3]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Aspetos da Ironia de Eça De Queiroz, ensaio, 1937
  • Terra da Promissão; reimpressão: 2002, Lisboa, Editorial Caminho; com prefácio de Arnaldo França[4]
  • Noite de Vento, 1951: 2.ª edição: Praia, 1985; com prefácio de Arnaldo França
  • Recaída; 1947; reimpressão: 1993; Editora Vega

Referências

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.