António Torrado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
António Torrado
Local de nascimento Lisboa

António Torrado (Lisboa, 21 de novembro de 1939) é um escritor português voltado para a literatura infanto-juvenil.

António Torrado nasceu em Lisboa em 21 de novembro de 1939. Licenciou-se em Filosofia pela Universidade de Coimbra.

Dedicou-se à escrita desde muito novo, tendo começado a publicar aos 18 anos. A sua atividade profissional é diversa: escritor, pedagogo, jornalista, editor, produtor e argumentista para televisão.

Tem trabalhado em parceria com Maria Alberta Menéres em diversos livros e programas de televisão. Atualmente, é Coordenador do Curso Anual de Expressão Poética e Narrativa no Centro de Arte Infantil da Fundação Calouste Gulbenkian.

É o professor responsável pela disciplina de Escrita Dramatúrgica na Escola Superior de Teatro e Cinema. É dramaturgo residente na Companhia de Teatro Comuna em Lisboa. Sendo consensual mente considerado um dos autores mais importantes na literatura infantil portuguesa, possui uma obra bastante extensa e diversificada, que integra textos de raiz popular e tradicional, mas também poesia e sobretudo contos. Reconhece a importância fundamental da literatura infantil enquanto veículo de mensagens, elegendo como valores a promover a liberdade de expressão e o respeito pela diferença. António Torrado utiliza com frequência o humor em algumas das suas histórias.

Por outro lado, em alguns textos de carácter alegórico ou de ambiente oriental, é o registo poético que predomina. De resto, os valores poéticos assumem para o autor uma posição central em qualquer projecto educativo. Recentemente, começou também a trabalhar novelas e romances para a infância e juventude, mas a vertente mais marcada da sua actividade nos últimos tempos é, sem dúvida, o teatro.

Obras para a infância[editar | editar código-fonte]

  • Duas orelhas descascadas que vêm no mapa(ilustrações de Nelson Maia, Campo das Letras, 2007);
  • O mundo dos 3 bebés verrugas! (com Maria Alberta Menéres; Lisboa: Momos, 1993);
  • A Chave do Castelo Azul (Lisboa: Plátano, 1969; 2ªed., 1981);
  • A Nuvem e o Caracol (Lisboa: Edições Afrodite, 1971; 4ª ed., Porto: Asa, 1990);
  • O Veado Florido (Lisboa: Ed. O Século, 1972; 5ª ed., Porto: Civilização, 1994);
  • Pinguim em Fundo Branco (Lisboa: Ed. Afrodite, 1973; 2ª ed., Plátano Ed., 1979);
  • O Rato que Rói (Lisboa: Plátano, 1974);
  • O Jardim Zoológico em Casa (Lisboa: Plátano, 1975; 3ª ed., 1980);
  • O Manequim e o Rouxinol (Porto: Asa, 1975; 3ª ed., 1987);
  • Cadeira que Sabe Música (Lisboa: Plátano, 1976);
  • Hoje Há Palhaços (com Maria Alberta Menéres; Lisboa: Plátano, 1977, 2ª ed., 1978);
  • Joaninha à Janela (Lisboa: Livros Horizonte, 1977; 2ª ed., 1980);
  • Há Coisas Assim (Lisboa: Plátano, 1977);
  • O Trono do Rei Escamiro (Lisboa: Plátano, 1977);
  • A Escada de Caracol (Lisboa: Plátano, 1978; 2ª ed.,1984);
  • História Com Grilo Dentro (Porto: Afrontamento, 1979; 2ª ed., 1984);
  • Como se Faz Cor-de-Laranja (Porto: Asa, 1979; 5ª ed., 1993);
  • Vasos de Pé Folgado (Lisboa: Caminho, 1979);
  • O Tambor-Mor (Lisboa: Livros Horizonte, 1980);
  • O Tabuleiro das Surpresas (Lisboa: Plátano, 1981);
  • O Pajem Não se Cala (Porto: Civilização, 1981; 2ª ed.,1992);
  • O Mercador de Coisa Nenhuma (Porto: Civilização, 1983; 2ª ed., 1994);
  • O Livro das Sete Cores (com Maria Alberta Menéres; Lisboa: Momos, 1983);
  • Caidé (Porto: Afrontamento, 1983);
  • Os Meus Amigos (Porto: Asa, 1983; 3ª ed.,1990);
  • História em Ponto de Contar (com Maria Alberta Menéres; Lisboa: Comunicação, 1984; 2ª ed., 1989);
  • O Adorável Homem das Neves (Lisboa: Caminho, 1984; 3ª ed.,1995);
  • O Elefante Não Entra na Jogada (Porto: Asa, 1985; 3ª ed., 1990);
  • O Vizinho de Cima (Lisboa: Livros Horizonte, 1985);
  • A Janela do Meu Relógio (Lisboa: Livros Horizonte, 1985);
  • O Rei Menino (Lisboa: Livros Horizonte, 1986);
  • Dez Dedos de Conversa (Lisboa: O Jornal, 1987);
  • Como se Vence um Gigante (Lisboa: Livros Horizonte, 1987);
  • Devagar ou a Correr (Lisboa: Livros Horizonte, 1987);
  • Zaca-Zaca (teatro; Lisboa: Rolim, 1987);
  • Uma História em Quadradinhos (com Maria Alberta Menéres; Porto: Asa, 1989; 2ª ed., 1992);
  • Dez Contos de Reis (Lisboa: O Jornal, 1990);
  • Da Rua do Contador para a Rua do Ouvidor (Porto: Desabrochar, 1990);
  • André Topa-Tudo no País dos Gigantes (Porto: Civilização, 1990);
  • Toca e Foge ou a flauta sem Mágica (Lisboa: Caminho, 1992);
  • Vamos Contar um Segredo (Porto: Civilização, 1993);
  • Conto Contigo (Porto: Civilização, 1994 (Lisboa: Plátano, 1976);
  • Teatro às Três Pancadas (teatro; Porto: Civilização, 1995);
  • A Donzela Guerreira (teatro; (Porto: Civilização, 1996);
  • As Estrelas – quando os Reis Magos eram príncipes (Porto: Civilização, 1996);
  • Vassourinha - Entre Abril e Maio (ilustrações de João Abel Manta, Campo das Letras, 2001);
  • Ler, Ouvir e Contar (ilustrações de Zé Paulo e Vítor Paiva, Campo das Letras, 2002; 4ª ed. 2006);
  • Histórias Tradicionais Portuguesas Contadas de Novo (ilustrações de Maria João Lopes, Editora Civilização, 2004)
  • Verdes São os Campos (Campo das Letras, 2002);
  • Este Rapaz Vai Longe - Fernando Lopes-Graça quando jovem (ilustrações de Cristina Malaquias, Campo das Letras, 2006);
  • Corre, Corre, Cabacinha (ilustrações de Nelson Maia, Campo das Letras, 2007);
  • A Casa da Lenha - No centenário do nascimento do compositor Fernando Lopes-Graça (Campo das Letras, 2007).
  • "Doze de Inglaterra" (ilustrações de Patrícia Fidalgo)
  • Histórias à solta na minha rua(civilização editora)