Antônio Carlos (Minas Gerais)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Antônio Carlos
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Fundação 27 de dezembro de 1947
Gentílico antoniocarlense
Prefeito(a) Raimundo Nonato Marques (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Antônio Carlos
Localização de Antônio Carlos em Minas Gerais
Antônio Carlos está localizado em: Brasil
Antônio Carlos
Localização de Antônio Carlos no Brasil
21° 19' 04" S 43° 44' 49" O21° 19' 04" S 43° 44' 49" O
Unidade federativa  Minas Gerais
Mesorregião Campo das Vertentes IBGE/2008[1]
Microrregião Barbacena IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Barbacena, Ibertioga, Santa Rita de Ibitipoca, Bias Fortes, Santos Dumont
Distância até a capital 200 km
Características geográficas
Área 525,025 km² [2]
População 11 112 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 21,16 hab./km²
Altitude 1058 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,733 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 86 181,807 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 7 453,24 IBGE/2008[5]
Página oficial

Antônio Carlos é um município brasileiro do estado de Minas Gerais.

História[editar | editar código-fonte]

As terras que atualmente constituem o município de Antônio Carlos tinham como primitivos habitantes os índios Puris, reunidos em um pequeno povoado localizado nas cabeceiras do Rio das Mortes, região a que chamavam de Borda do Campo.

No início do século XVIII, Minas Gerais fervilhava com a descoberta das minas de ouro, diamantes, esmeraldas. Necessário se fazia conduzir estas riquezas com maior segurança até à maior Coroa Portuguesa que se estabelecera no Rio de Janeiro. Abrindo trilhas nas matas, atravessando rios, enfrentando índios, animais selvagens, chuva, frio e calor, intrépidos bandeirantes liderados pelo Cel. Domingos Rodrigues da Fonseca Leme e seu cunhado Garcia Rodrigues Pais descobriram um “Caminho Novo” que se iniciava na raiz da Serra da Mantiqueira e ligava a Capitania de Minas Gerais ao Rio de Janeiro.

Na Capitania das Minas, o Caminho Novo passava por Vila Real, Raposos, Itatiaia, Vila Rica, Vila do Carmo, Carijós, Carandaí, Registro Velho, Borda do Campo (Antônio Carlos), Juiz de Fora, Matias Barbosa, Simão Pereira. O rio Paraibuna separava as duas capitanias, (RJ) e (MG) e nele fora instalado o “Primeiro Posto Fiscal”.

Os bandeirantes paulistas coronel Domingos Rodrigues da Fonseca Leme e seu cunhado capitão Garcia Rodrigues Pais vieram para esta região, onde permaneceram por algum tempo. Mais tarde deslocando-se rumo ao nordeste, fundaram, por volta de 1728 o arraial da Igreja Nova da Borda do Campo, hoje Barbacena, que naquele tempo enquadrava o município de Antônio Carlos.

Como a atividade econômica principal era a agricultura, assim se explica a existência de inúmeras fazendas. E delas, duas pertencem a figuras ligadas à Inconfidência Mineira: a Fazenda do Registro Velho e Fazenda da Borda do Campo que pertencia ao Coronel Domingos Rodrigues da Fonseca Leme, que a transferiu mais tarde a José Aires Gomes que se tornou célebre pelas conversações que ali se realizaram ao tempo da conjuração.

O povoado, em volta da estação ferroviária do Sítio fazia parte do distrito de Bias Fortes, município de Barbacena. Em 10 de outubro de 1910 a capela do Sítio foi elevada a curato, desmembrada da Matriz de Barbacena. Em 17 de dezembro de 1938 o distrito de Bias Fortes recebeu o nome do povoado que lhe pertencia, passando a chamar-se Sítio. Em 30 de abril de 1941 por provisão foi criado a freguesia.

Pela sua localização o arraial da Igreja Nova da Borda do Campo, Fundado em 1728, servia de ponto de encontro das riquezas que eram encaminhadas à coroa Portuguesa. Riquezas estas, que passaram a atrair salteadores e bandoleiros, tais como: “Montanha e Mão de luva” que roubavam o ouro, estupravam e matavam, assustando viajantes e os comerciantes.

Por isso muitos desses comerciantes e viajantes arranchavam-se na Borda do Campo (Antônio Carlos), tornando-a um local fervilhante de novas notícias, tradições e conspirações: A partir da borda do campo foram surgindo pequenos burgos com a lavoura e criação de gado leiteiro, destacando-se o distrito de “sítio” (como passou a chamar-se em 1º de janeiro de 1939).

Em 27 de dezembro de 1948 é elevado a categoria de município, com a denominação de Antônio Carlos (filho ilustre da cidade), desmembrado de Barbacena. É formado por três povoados: Curral Novo, Campolide e Sá Fortes.

O município de Antônio Carlos, situado na serra da Mantiqueira, abrigou pessoas ilustres, com o passado rico de valores culturais, como o presidente Antônio Carlos, Marechal Henrique Dufles Teixeira Lott, General José Maria de Andrada Serpa, General Antônio Carlos de Andrada Serpa e Manoel Carlos de Andrade, Carlos Pereira de Sá Fortes, (primeiro importador de gado holandês do Brasil e fundador da primeira escola de laticínios do Brasil).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 21º19'05" sul e a uma longitude 43º44'48" oeste, estando a uma altitude de 1058 metros. De acordo com o censo realizado pelo IBGE em 2010, sua população é de 11.112 habitantes.[3] Possui uma área de 526,41 km².

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Possui vários rios importamtes com o Rio das Mortes e Rio Banderinhas e outros e ter em seu territorio a nascente do Rio Paraibuna que e muito importante.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Turismo e lazer[editar | editar código-fonte]

Hoje o município oferece oportunidades para o turismo ecológico, destacando resquícios da mata atlântica, rios e lindas cachoeiras como: Cachoeira da copasa; Cachoeira da fazenda dos gerais; Cachoeira D.Mariana Afonso; Cachoeira do buraco do bicho; *Área de preservação ambiental Fazenda ponte funda.

No turismo rural o município possui um grande acervo histórico representado por antigas fazendas: Fazenda Borda do Campo (Século XVII); Fazenda Gerais de Barros: (Século XVIII); Fazenda Passa-Três: (Século XVIII); Fazenda Jacutinga: (Século XVIII); Fazenda Cimodócia: (Século XVIII); Fazenda Olhos D água (hoje Hotel-Fazenda Caminho Novo); Fazenda Picumã; Fazenda Azul; Fazenda das Rosas.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. a b Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]