Antônio Joaquim Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Antonio Joaquim Dias, nascido em Trás-os-Montes, em 1844, faleceu no Brasil, a bordo do navio Rio Pardo em 1892. Foi jornalista em Pelotas, estado do Rio Grande do Sul e “idealizador, vivendo em uma época que tornou Pelotas famosa pela cultura de sua gente”.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Antonio Joaquim Dias chegou ao Brasil, como imigrante pobre. Nascido em Portugal, chega no Rio Grande do Sul com 13 anos. Inicia como modesto empregado do Diário do Rio Grande, onde aprende a arte da tipografia.

Autodidata, com um espírito, eminentemente, adaptável e curioso, somado ao ardente desejo de saber, inicia-se no jornalismo. Funda o jornal Artista e a revista literária Arcádia, entre 1867—1870).[1]

Em 1869, radicou-se em Pelotas, onde viria a casar com Cezaria Dias, fundando, nessa cidade, o Jornal do Comércio, em 1870, que viria a vender, mais adiante. Em 1 de janeiro de 1875, fundou o jornal o Correio Mercantil, sob o lema “não aceitamos responsabilidade de testas de ferro”, iniciando um jornalismo independente e aberto, assegurando estável renda publicitária. [1]

Teve dois filhos Antonieta Dias e Cesar Dias. Viúvo, havendo perdido a esposa no Rio, quando prestava assistência à filha, que se formou em Medicina e foi a terceira médica gaúcha.

Quando da sua morte, o jornal já contava com 17 anos. Antonio Joaquim Dias morre moço, as 48 anos, em 8 de março de 1893,[1] vítima de ruptura de um aneurisma, quando viajava no vapor Rio Pardo, levando uma afilhada de dez anos, que predendia matricular no colégio São Jose, em São Leopoldo. Seu filho, César Dias, ainda jovem acadêmico de Direito assume a propriedade e a direção do Correio Mercantil, prosseguindo por mais 14 anos.

Recebeu Antonio Joaquim Dias, os seguintes diplomas e distinções:

- Protetor da Sociedade Musical União.

- Sócio efetivo da Associação Emancipadora Clube Abolicionista.

- Medalha de ouro, na Exposição Alemã-Brasileira, realizada em Porto Alegre em 1881.

- Sócio Benemérito da Biblioteca Pública Pelotense

- Sócio protetor da Associação Musical Apolo

- Sócio Honorário do Clube Carnavalesco Demócrito

- Idealizador e fundador do Asilo de Mendigos

Foi também homenageado pela municipalidade de Pelotas dando o nome à Escola Municipal Antonio Joaquim Dias.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.