Antônio José Imbassahy da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antônio José Imbassahy da Silva
Antônio José Imbassahy da Silva
45.º Governador da Bahia Bahia
Mandato 2 de maio de 1994
1º de janeiro de 1995
Antecessor(a) Ruy Trindade
Sucessor(a) Paulo Souto
Deputado Estadual da Bahia Bahia
Mandato 1991 - 1995
Prefeito de Salvador Bandeira de Salvador.svg
Mandato 1997 - 2004
Antecessor(a) Lídice da Mata
Sucessor(a) João Henrique Carneiro
Deputado Federal pela Bahia Bahia
Mandato 2011 -
Vida
Nascimento 12 de março de 1948 (66 anos)
Salvador, BA
Dados pessoais
Partido PSDB
Profissão Engenheiro eletricista[1]
linkWP:PPO#Brasil

Antônio José Imbassahy da Silva, mais conhecido apenas como Antônio Imbassahy, (Salvador, BA, 12 de março de 1948) é um político brasileiro com base na Bahia. Foi governador interino do estado e prefeito de Salvador.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ex-prefeito Antônio Imbassahy na FIB, em 2007.

Em 1984, já filiado ao Partido da Frente Liberal (PFL) - hoje Democratas (DEM) - baiano foi nomeado Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos da Bahia. No ano de 1990 entrou na disputa pelo mandato de deputado estadual e foi eleito, assumindo em 15 de março de 1991. Durante os anos 80 Imbassahy também foi diretor da extinta TELEBAHIA.

Presidência da Assembleia Legislativa[editar | editar código-fonte]

Já como deputado estadual, em 1993, foi eleito para o biênio (1993-1994), presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.

Governador da Bahia[editar | editar código-fonte]

Em 1994 o então governador baiano, Antônio Carlos Magalhães, - também chamado de ACM - deixou o cargo para concorrer ao Senado, ficando Paulo Souto, seu vice, como candidato de sua confiança para sucedê-lo. No entanto, Souto também deixou o posto para se candidatar a deputado, já que na época a legislação eleitoral não permitia reeleição. Dessa forma, assumiu interinamente a liderança do Executivo Estadual o presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, desembargador Ruy Trindade. Logo após, a Assebleia Legislativa escolheu Imbassahy como governador. Imbassahy governou a Bahia até 1º de janeiro 1995, passando o cargo para o sucessor e aliado, Paulo Souto, ambos alinhados e aliados à família Magalhães.

Eleição na Prefeitura de Salvador[editar | editar código-fonte]

Em 1995, credenciando-se a disputar, pelo grupo de Antônio Carlos Magalhães, a Prefeitura de Salvador foi eleito como Prefeito da capital baiana. Foi reeleito em 2000.

Chefiou o Executivo Municipal por dois mandatos consecutivos até deixar o cargo em 2004, com excelentes índices de aprovação popular. Entretanto, não conseguiu eleger sucessor. Assume o prefeito João Henrique Carneiro (2005-2012).

Rompimento com a Família Magalhães[editar | editar código-fonte]

Em 2005, por divergências com a Família Magalhães (incluindo o próprio ACM), rompe com o carlismo e filiou-se ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) (partido que na Bahia, mantém histórica divergência ao PFL, como também ocorre nos demais estados da Federação, onde as duas siglas formaram sucessivas coligações separadas, com exceção em São Paulo e Distrito Federal).

Eleição 2006[editar | editar código-fonte]

Em 2006, sai candidato ao Senado Federal pelo PSDB, que na Bahia não abraçou a coligação nacional como o PFL. Fica apenas na 3ª colocação, com 1.015.634 votos (50,55%).

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Depois da derrota na Eleição de 2006, Imbassahy continuou na política como candidato a deputado federal pelo PSDB-BA. Eleito para a legislatura 2011-2015, tomou posse na Câmara dos Deputados em 01/02/2011, e atualmente participa da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática como 1º Vice-Presidente.[2]

O deputado federal envolveu-se em polêmica[3] em 2013 durante a votação da cassação do deputado federal já preso, Natan Donadon (RO). Imbassahy filmou seu voto (a favor da perda de mandato do colega) alegando "inaugurar o voto aberto"[4] na Casa. Com isso, foi acusado de ferir o regimento interno da Câmara de Deputados[5] . O deputado chegou a escrever uma artigo de jornal para se jsutificar e encampou, junto com seu partido, uma campanha em prol do voto aberto[6] na Câmara.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Eliel Martins
Presidente da Assembléia Legislativa da Bahia
1993 - 1995
Sucedido por
Eujácio Simões
Precedido por
Ruy Trindade
Governador da Bahia
1994 - 1995
Sucedido por
Paulo Souto
Precedido por
Lídice da Mata
Prefeito de Salvador
1997 - 2005
Sucedido por
João Henrique Carneiro