Anticolinérgico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Anticolinérgicos podem ser substâncias extraídas de plantas ou ser sinteticamente produzidas. Sua característica é inibir a produção de acetilcolina. Os anticolinérgicos são classificados como diretos e indiretos. Os anticolinérgicos diretos também chamados de anti-muscarínicos, que são drogas que antagonizam, nos receptores muscarínicos e anti-nicotínicos por antagonizar a ação da acetilcolina nos receptores nicotínicos. Os anticolinérgicos indiretos agem interferindo na síntese, armazenagem e liberação da acetilcolina, a exemplo da toxina botulínica. [1]

A nicotina e seus antagonistas, diferem anti-muscarínicos porque a ação parasimpaticolítica destes é devida à sua atuação nas sinapses neuroefetoras do parasimpático enquanto que a classe das drogas nicotínicas (similares ou derivadas das extraídas da Nicotiana tabacum) agem na sinapse ganglionar inibindo a ação da acetilcolina. Por essa característica são estudados separadamente e denominados ganglioplégicos ou bloqueadores ganglionares, muito uteis no processo da anestesia cirúrgica. [2] [3]

Plantas anticolinérgicas[editar | editar código-fonte]

Os efeitos anticolinérgicos dessas plantas são devidos principalmente à produção das substâncias: atropina e escopolamina.

Substâncias sintéticas e semi-sintéticas[editar | editar código-fonte]

Atropina obtida sinteticamente desde 1901 [4]
Antagonistas muscarínicos
Antagonistas nicotínicos (curarizantes)

No Organismo:Essas substâncias têm a capacidade de bloquear (antagonismo competitivo) os receptores onde o neurotransmissor, acetilcolina, age. Os anticolinérgicos, como a atropina e a escopolamina, agem mais especificamente em receptores chamados muscarínicos. Os seus efeitos, como a pupila dilatada, ocorrem devido ao bloqueio desse tipo de receptor.[5]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

Dificuldade respiratória, secura na boca e narinas, visão borrada, pupilas dilatadas, aumento do ritmo cardiaco, diminuição de pressão arterial, intestino preso e aumento da temperatura do corpo. Na superdosagem pode ocorrer: quadros de delírio e o fomento de uma dependência química do medicamento.[carece de fontes?]

Referências

  1. SILVA, Penildon. As bases farmacológicas do sistema nervoso autônomo. RJ, Gunabara Koogan, 1977
  2. SILVA, Penildon, 1977 o.c.
  3. GOTH, Andres. Farmacologia médica. RJ, Guanabara Koogan, 1975
  4. Bristol School of Chemistry: Atropine/synthesis Maio, 2011
  5. Wikipédia Es. Antagonistas nicotínicos