Anticultura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde agosto de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A anticultura é uma nova perspectiva para a Contracultura. Diferentemente da contracultura, a anticulura se autodefine como combativa, autosustentável e carnavalizada. Com uma estética múltipla, e duração não-definida e de organização descentralizada, propõe assim além do embate contracultural a criação de uma frente política, um programa (anti)político definido e formatado. A anticultura diferentemente da contracultura, é autoreflexiva e organizada.

Se a contracultura nascia de forma efervescente, perdia por outro lado uma reflexão sobre sua própria atuação e sobre a importância das mudanças sociais e econômicas, muitas vezes gerando estereótipos que facilitaram a cooptação e a transformação em mercadoria. A anticultura é uma tática que pretende não ser parte da história, mas buscar uma história própria.

Nos EUA os grupos anticulturais são marcados pela dissidência de grupos anarquistas, Punk/Hardcore ou mesmo movimentos contestatórios dos anos 60, a CrimethInc é um exemplo. No Brasil grupos como Carnaval Revolução de Belo Horizonte, ACI (Anticultura Internacional) e Espaço Impróprio de São Paulo tentam expandir a sua área de atuação além dos limites do guetto contracultural.