Antiga Casa de Guelfo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

A Antiga Casa de Guelfo foi uma dinastia de governantes europeus do século IX ao XI. Ela consiste de dois grupos: o borgonhês e o suabiano. É discutível se ambos formavam a mesma dinastia ou se dividiam o mesmo nome por coincidência.

Grupo borgonhês[editar | editar código-fonte]

O mais antigo dos dois grupos é o borgonhês. Seu membro mais antigo conhecido é Guelfo I de Altdorf. Ele foi mencionado, em 819, como o pai de Judite da Baviera, a segunda esposa do imperador Luís, o Piedoso. Os dois filhos de Guelfo, Rodolfo e Conrado acompanharam sua irmã à corte de seu esposo, onde seu espírito ambicioso manteve sua categoria hereditária, e onde eles compartilharam das boas e más fortunas da irmã. Quando Judite foi surpreendida e presa por seus enteados, seus irmãos foram obrigados a se tornarem sacerdotes; porém, mesmo neste estado rebaixado, eles reivindicaram e obtiveram permissão para ficarem detrás do trono, como sacerdotes do sangue real.

Conrado teve dois filhos homens: Conrado II, que o sucedeu, e Hugo, a partir de sua preferência clerical, cognominado o Abade. A ele é dada tradicionalmente também a paternidade de Guelfo, do grupo suabiano.

Conrado II sucedeu o pai como conde de Paris e recuperou as propriedades de seu tio-avô Odoacro, na província da Borgonha. Ele deixou apenas um filho varão, Rodolfo, que assumiu a coroa real, na abadia de Saint-Maurice-en-Valais, em 888, e cuja independência sendo confirmada por duas vitórias sobre o imperador Arnolfo, foi enfim reconhecida numa dieta geral do império germano. Seu filho Rodolfo II sucedeu a este estado recém-formado, que incluía a parte ocidental da Suíça, o Franco-Condado, Saboia, o Delfinado, a Provença e o país entre o Reno e os Alpes, e era conhecido como o reino da Borgonha. Ele tentou duas vezes conquistar a Itália e, por um período de três anos, governou aquele reino.

Seu filho e sucessor, Conrado I, reinou mais de 56 anos, de 937 a 993, e desfrutou da amizade e do apoio dos imperadores saxões. Otão I casou-se com sua irmã Adelaide e ela foi a mãe de Otão II e avó de Otão III. Conrado foi sucedido por seu filho Rodolfo III, apelidado de Perdedor, que, morrendo, em 1032, sem progênie, passou o reino da Borgonha como feudo ou legado a seu sobrinho, o imperador Conrado II. Com Rodolfo, este ramo se extinguiu na linhagem paterna.

Grupo suabiano[editar | editar código-fonte]

O membro mais antigo do grupo suabiano é Guelfo I, um conde na Suábia mencionado primeiramente em 842. Segundo a tradição, Guelfo era filho de Conrado e neto de Guelfo, conde de Altdorfe, o ancestral do grupo borgonhês. Esta relação é considerada provável, pois ambos Conrado e Guelfo foram condes em Linzgau e Alpgau. A relação entre Guelfo I e todos os membros posteriores do grupo suabiano é, novamente, conhecida apenas por lendas.

A Antiga Casa de Guelfo se extinguiu quando Guelfo da Caríntia, morreu sem filhos, em 1055. Sua herança foi passada para o ramo mais antigo da Casa de Este, que se tornou conhecida como a Nova Casa de Guelfo, ou Casa de Guelfo-Este.

Membros notáveis do grupo borgonhês[editar | editar código-fonte]

Membros notáveis do grupo suabiano[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antiga Casa de Guelfo