Antivegetativo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Tinta antivegetativa ou Antiincrustante é uma tinta especial aplicada nas obras vivas do casco de um navio com o objectivo de impedir ou demorar o crescimento de organismos (incrustações) que se agarram à superfície, e que afectam o desempenho da embarcação, nomeadamente diminuindo a sua velocidade. As tintas Antivegetativas são usadas como camada(s) final do revestimento, pelo que são aplicadas em cima das tintas de protecção que protegem o caso da corrosão.

Por vezes usa-se também o termo em Língua inglesa – "Anti-Fouling", do termo Fouling, que significa Incrustações

Incrustações[editar | editar código-fonte]

Craca
Percebas
Algas

Por incrustações deve-se entender todos os organismos, animais ou vegetais que se agarram a qualquer estrutura submersa, formando colónias.

Geralmente divide-se as incrustações em[1] :

  1. Macro incrustações: Todos os animais e plantas
  2. Micro incrustações: Algas unicelulares e bactérias (Lodo)

Existem cerca de 4000 espécies diferentes, que geralmente são divididos em:

  1. Algas (verdes, castanhas e vermelhas);
  2. Invertebrados, os quais são classificados em[2] :
    1. Invertebrado de casca dura (Bálanos, Anatifes, Bivalves, Briozoários incrustantes e Poliquetas calcárias);
    2. Organismos tipo relvado (Hidróides ou Briozoários);
    3. Organismos tipo pequenos arbustos (Hidróides ou Briozoários);
    4. Organismos moles (Ascídias, Esponjas e Actínias).

Nos cascos dos navios, a extensão do ataque das incrustações depende de vários factores[3] :

  1. Salinidade da água;
  2. Luz;
  3. Temperatura da água;
  4. Poluição da água;
  5. Disponibilidade de nutrientes
  6. Estação do ano e zona do globo onde o navio navega.

Estudos levados a cabo nos anos 60, pela OCDE, definiram 3 zonas geográficas onde o ataque das incrustações era distinto[4] :

  • Zona Polar (T < 5 °C) – Risco Baixo - Onde praticamente não ocorre ataque, com excepção dos meses de verão;
  • Zona Temperada (5 °C <T< 20 °C) – Risco Médio – O ataque ocorre durante todo o ano, com picos na Primavera/Verão
  • Zona Tropical (T > 20 °C) – Risco elevado – O ataque ocorre durante todo o ano.





História[editar | editar código-fonte]

Os navios Astrolabe e Zélée varados no Estreito de Torres em trabalhos de remoção de incrustações

A necessidade de proteger os cascos das embarcações das incrustações existe desde que o homem começou a utilizar as embarcações como meio de transporte a longas distâncias. Periodicamente os navios tinham que ser varados e tombados, de modo a que o fundo pudesse ser raspado para serem retiradas as incrustações e assim puderem manter uma velocidade comercial aceitável.

Os Fenicios e Cartagineses descobriram que usando Cobre, as incrustações diminuíam. Os gregos e os romanos, usaram para além do cobre, o Chumbo, sempre misturado com ceras, alcatrões e asfaltos.

A partir do Século XVII, nos tempos dos Clippers, onde a velocidade máxima e a capacidade de velejar contra o vento eram fundamentais, os navios começaram a ter o fundo revestido a Folhas de Cobre, ou Metal de Muntz (Liga de Latão), que eliminou o problema.

No entanto, a partir do século XIX, com a introdução de navios com casco de ferro/aço, as placas de cobre deixaram de poder ser usadas, devido aos problemas de corrosão catódica do ferro que provocavam.

A partir daí surgiu a ideia de dispersar produtos tóxicos como o Cobre, Arsénio, Óxido de Mercúrio em Óleo de Linhaça, Colofónia ou Goma-laca. A primeira patente foi registada pelo Capitão Dinamarquês, Ferdinand Gravert.

Este tipo de tintas foi usado até aos anos 50 do século XX.


Antivegetativos modernos[editar | editar código-fonte]

A partir de 1950, foram introduzidos os antivegetativos à base de compostos tóxicos como o Cobre, e Organoestanhados ou outros Biocidas – Compostos que impedem o crescimento dos organismos marinhos.

Os antivegetativos à base de compostos Organoestanhados foram proibidos de serem aplicados em 1 de Janeiro de 2003 e a partir de 17 Setembro de 2008 nenhum navio os podia ter no seu casco [5]

As tintas antivegetativas modernas podem-se dividir em dois grandes grupos:

As tintas ablativas, que são tintas que sofrem uma erosão gradual, e que assim vão libertando os produtos antivegetativos.

As tintas ablativas podem ser ainda divididas em:

  1. Tintas de copolímeros autopolimentantes', ("Self Polishing Copolymer") em que um copolímero, que contém o produto biocida, sofre uma hidrólise por acção da água e ao degradar-se libertam o produto biocida;
  2. Tintas auto-polimentantes, ("Self Polishing Antifouling") em que o produto biocida está rodeado por um polímero. Este ao hidrolisar, expõe o produto biocida à água do mar;
  3. Tintas com polímero de deplecção controlada ("Controlled Depletion Polymer") é uma tinta à base de colófónia com produtos biocidas. A resina permite a entrada da água do mar, que dissolve o produto biocida libertando-o por difusão;
  4. As tintas duras – tintas que possuem um acabamento duro que não sofre erosão pela acção mecânica ou pela acção do movimento de água mas possuem poros que libertam o produto biocida muito lentamente.

Dentro das tintas duras, incluem-se as tintas de Teflon e Silicone, as quais são 100% isentas de rodutos tóxicos. Neste dois tipos de tintas, a acção anti-vegetativa é conseguida pelo facto destas tintas possuírem uma superfície tão lisa que as incrustações a ela não conseguem aderir. O único senão destas tintas (Teflon e Silicone) é o facto de o Navio ter que navegar a uma velocidade elevada (> 18 Nós), para este efeito ser alcançado.

As tintas ablativas possuem o produto biocida no seu interior. Hoje em dia o produto mais usado é o oxido cuproso que apesar de tóxico não acumula no ambiente.

Referências

  1. Coatings Technology: What is Fouling (pdf) (em Inglês). Marine Paint Guide pp. 42 (13). Página visitada em 13 de Novembro 2012.
  2. Almeida, Elisabete; Teresa Diamantino e Orlando Sousa. (Julho 2006). "Breve história das tintas antivegetativas" (em Português). Corrosão e protecção de materiais 26 (1). Lisboa: LNEG. ISSN 2182-6587.
  3. Coatings Technology: What is Fouling (pdf) (em Inglês). Marine Paint Guide pp. 42 (13). Página visitada em 13 de Novembro 2012.
  4. Coatings Technology: What is Fouling (pdf) (em Inglês). Marine Paint Guide pp. 42 (13). Página visitada em 13 de Novembro 2012.
  5. International Maritime Organization. Antifouling paints. Página visitada em 22 de Novembro de 2012.