Antonio Girão Barroso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O escritor Antonio Girão Barroso

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:AGBarroso.jpg_-_Copie.jpg

Escritor cearense (Araripe, 1914 – Fortaleza, 1990). Poeta modernista, jornalista e professor da Universidade Federal do Ceará, iniciou suas atividades literárias nos anos 30, tendo fundado jornais e revistas, entre eles a revista - e grupo - CLÃ em 1946, que ganhou notoriedade nos círculos intelectuais do Brasil durante quatro décadas. Um dos precursores do Modernismo no Ceará, Girão se deixou influenciar igualmente pela Poesia Concreta, tendo sido um de seus principais representantes. Foi membro da Academia Cearense de Letras e presidente do Sindicato dos Jornalistas. Casou-se com Alba Aragão Cavalcante, professora primária, com quem teve onze filhas e filhos, entre eles o também escritor Raimundo Oswald Cavalcante Barroso. Autor de uma poesia que reflete sua alma inquieta e sensível às emoções mais profundas do ser humano, escreveu textos de grande repercussão nos meios literários cearenses, orientou e deu apoio à várias gerações de novos poetas. Correspondente de jornais e páginas de cultura ( Jornal de Letras, Jornal do Escritor e O Estado de S. Paulo, entre outros), criou o jornal JOSÉ de artes e literatura. Além de poesia, escreveu crônicas e artigos, correspondendo-se frequentemente com escritores do sul: Mário de Andrade e Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes e Paulo Mendes Campos. Textos poéticos de Girão Barroso foram incluídos em antologias brasileiras e estrangeiras. Professor das faculdades de Direito e Economia da UFC, foi ainda redator-chefe na Rádio Nacional de Brasília (DF) e na Televisão Educativa do Ceará, destacando-se entre os jornalistas mais ativos do seu tempo em Fortaleza. Faleceu em 11 de dezembro de 1990.


OBRASAlguns Poemas (1938); Os Hóspedes ( com Otacílio Colares, Aluízio Medeiros e Artur Eduardo Benevides,1946); Novos Poemas (1950); 30 Poemas para Ajudar (com Cláudio Martins e Otacílio Colares, 1968); Dois Tempos (com Inácio Almeida, contos e crônicas, 1981); Poesias Incompletas (poesias reunidas,1994).

[1]

Referências

  1. Dicionário Prático de Literatura Brasileira, de Assis Brasil (Editora Tecnoprint,1979); Poesias Incompletas, obra póstuma (Editora Universidade Federal do Ceara, 1994); Os Cem Melhores Poetas Brasileiros do Século, seleção de José Nêumanne Pinto (Geração Editorial, 2001).