Antropia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Antropia (AFI[ˌænθɹəˈpi], do grego original ἄνθρωπος, transliterado anthropos = "ser humano" + ia[1] = suf. subst.) é a ciência que estuda a ação do ser humano sobre o meio ambiente ou a natureza[2] . Também pode ser a ação, o ato ou o resultado da atuação humana sobre a natureza, com intencionalidade de modificação, independentemente do juízo de valor que se lhe (à modificação da natureza) atribua.[3]

Algumas vezes se utiliza antropismo como forma sinônima de antropia. Contudo, dado antropismo ter significação diferenciada, própria, deve-se evitar tal sinonímia. (Ver: antropismo).

Antropia e Natureza[editar | editar código-fonte]

Antropia, como ação humana capaz de produzir modificações no ambiente natural — quer construtivamente (ou "produtivamente"), quer destrutivamente — pertence ao domínio amplo da antropologia[4] e ciências afins. Antropia, dado à complexa e multivariada (pleni-variada) natureza humana e suas relações internas e externas, merece tratamento inter–, multi– e trans-disciplinar, razão pela qual não se deve restringir a sua apreciação ao cenário antropológico stricto sensu.

Ações humanas modificam a natureza. À diferença das ações levadas a efeito por outros seres, inanimados ("elementos ou forças naturais sem vida) ou animados — estes, vegetais ou animais — as ações humanas são, pelo menos, de duas classes, sob a ótica da modificação:

  • ações humanas estritamente vegetativas: referentes, sine qua non, à sobrevivência do ser humano;
  • ações humanas estritamente volitivas: referentes à natureza empreendedora do ser humano.

Conquanto ambas sejam, de uma forma ou doutra, antrópicas (detentoras, em si, da mutabilidade da natureza), interessam, sob o título de antropia, particularmente as ações da segunda classe, posto que as da primeira classe dizem respeito à sobrevivência do ser humano apenas nos aspetos biológico e também psicológico, eventualmente, porém nunca no aspecto conjugado noossociológico — aspeto que reporta ao domínio espiritual (noológico) e ao social (sociológico) de modo conjugado. Isso é especificamente humano.

Referências

  1. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro (RJ, Brasil): Nova Fronteira, 2000: " tônico que ocorre em substantivos eruditos ou semi-eruditos, já existentes no grego, ou formados no vernáculo, com as noções de: 'qualidade'; 'condição'; 'estado (físico ou moral)'; 'afecção', 'moléstia', 'deformidade física'; 'propriedade'; 'dignidade'; 'profissão', 'cargo'; 'lugar onde'; 'nome de ciência'; 'doutrina'; 'coleção'; 'conjunto'; 'arte ou ação de fazer algo': alegria, cortesia; abasia, ablastia; ablefaria, ablepsia, abraquia, mioplegia; algesia; andadoria, chefia; diretoria; monandria, diandria, triandria, tetrandria, pentandria, hexandria, heptandria; correria, flebotomia, etc.."
  2. Aulete Digital. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. São Paulo (SP, Brasil): Lexicon, 2008.
  3. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda, op. cit..
  4. WOLF, Eric. Perilous Ideas: Race, Culture, People.Current Anthropology. (1994) 35: 1-7. p.227.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.