Antropia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Antropia (AFI[ˌænθɹəˈpi], do grego original ἄνθρωπος, transliterado anthropos = "ser humano" + ia1 = suf. subst.) é a ciência que estuda a ação do ser humano sobre o meio ambiente ou a natureza2 . Também pode ser a ação, o ato ou o resultado da atuação humana sobre a natureza, com intencionalidade de modificação, independentemente do juízo de valor que se lhe (à modificação da natureza) atribua.3

Algumas vezes se utiliza antropismo como forma sinônima de antropia. Contudo, dado antropismo ter significação diferenciada, própria, deve-se evitar tal sinonímia. (Ver: antropismo).

Antropia e Natureza[editar | editar código-fonte]

Antropia, como ação humana capaz de produzir modificações no ambiente natural — quer construtivamente (ou "produtivamente"), quer destrutivamente — pertence ao domínio amplo da antropologia4 e ciências afins. Antropia, dado à complexa e multivariada (pleni-variada) natureza humana e suas relações internas e externas, merece tratamento inter–, multi– e trans-disciplinar, razão pela qual não se deve restringir a sua apreciação ao cenário antropológico stricto sensu.

Ações humanas modificam a natureza. À diferença das ações levadas a efeito por outros seres, inanimados ("elementos ou forças naturais sem vida) ou animados — estes, vegetais ou animais — as ações humanas são, pelo menos, de duas classes, sob a ótica da modificação:

  • ações humanas estritamente vegetativas: referentes, sine qua non, à sobrevivência do ser humano;
  • ações humanas estritamente volitivas: referentes à natureza empreendedora do ser humano.

Conquanto ambas sejam, de uma forma ou doutra, antrópicas (detentoras, em si, da mutabilidade da natureza), interessam, sob o título de antropia, particularmente as ações da segunda classe, posto que as da primeira classe dizem respeito à sobrevivência do ser humano apenas nos aspetos biológico e também psicológico, eventualmente, porém nunca no aspecto conjugado noossociológico — aspeto que reporta ao domínio espiritual (noológico) e ao social (sociológico) de modo conjugado. Isso é especificamente humano.

Referências

  1. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro (RJ, Brasil): Nova Fronteira, 2000: " tônico que ocorre em substantivos eruditos ou semi-eruditos, já existentes no grego, ou formados no vernáculo, com as noções de: 'qualidade'; 'condição'; 'estado (físico ou moral)'; 'afecção', 'moléstia', 'deformidade física'; 'propriedade'; 'dignidade'; 'profissão', 'cargo'; 'lugar onde'; 'nome de ciência'; 'doutrina'; 'coleção'; 'conjunto'; 'arte ou ação de fazer algo': alegria, cortesia; abasia, ablastia; ablefaria, ablepsia, abraquia, mioplegia; algesia; andadoria, chefia; diretoria; monandria, diandria, triandria, tetrandria, pentandria, hexandria, heptandria; correria, flebotomia, etc.."
  2. Aulete Digital. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. São Paulo (SP, Brasil): Lexicon, 2008.
  3. FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda, op. cit..
  4. WOLF, Eric. Perilous Ideas: Race, Culture, People.Current Anthropology. (1994) 35: 1-7. p.227.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.