Aparelho ortodôntico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um aparelho fixo

O aparelho ortodôntico, ou aparelho dentário, é um dispositivo utilizado por ortodontistas em seus pacientes para fazer o alinhamento dos dentes quando eles se desenvolvem com uma má formação. Serve para corrigir a posição dos dentes para fins estéticos e funcionais.

Tipos de aparelhos ortodônticos[editar | editar código-fonte]

Existem vários tipos de aparelhos ortodônticos, dentre eles os aparelhos fixos e os aparelhos removíveis. O tipo de aparelho ideal para a correção dos dentes depende de uma avaliação criteriosa do ortodontista. Os aparelhos removíveis estão mais indicados para pequenos movimentos dentários e pacientes em fase de crescimento onde pode-se aproveitar o crescimento deste paciente, é a denominada Ortopedia Funcional dos Maxilares, onde o objetivo principal é a alteração do crescimento ósseo da face. Já a aparelhagem fixa, composta de bráquetes colados aos dentes, estão mais indicados para pacientes onde se necessita de uma movimentação maior dos dentes impedindo inclinações indesejáveis, tendo em vista a possibilidade de controlar o dente tridimensionalmente nestes tipos de aparelhos. Existem vários tipos de técnicas tanto para aparelhos removíveis como fixos, cabendo ao ortodontista avaliar a mais adequada para cada tipo de má oclusão.

Aparelho ortodôntico na história[editar | editar código-fonte]

Em 1881, pesquisadores ingleses encontraram uma múmia, nas margens do rio Nilo, no Egito, com idade estimada por arqueólogos entre 3000 e 2500 anos de idade, que tinha uma espécie de aparelho dentário. Era uma tira de metal, que prendia os dentes mais tortos da múmia.

Hipócrates e Aristóteles, na Grécia antiga, já discutiam ideias sobre como corrigir dentes tortos. Já os etruscos, prendiam as arcadas de seus mortos com tocos de madeira para que eles não caíssem no túmulo. Pois acreditavam que, assim, o falecido manteria um belo sorriso na vida após a morte. E no século 1 a.C., o fisiologista romano Aurelius Cornelius Celsus escreveu um tratado em que recomendava a pressão dos dedos para corrigir os dentes.

Nada se desenvolveu na ortodontia durante a Idade Média. Porém, em 1728, o dentista francês Pierre Fauchard escreveu o livro O Cirurgião Dentista. Nele, dedicou um capítulo inteiro às formas de corrigir os dentes. Fauchard inventou um aparelho chamado bandeau (em português, bandô) - uma peça de metal em forma de ferradura de cavalo, que ajudava a expandir a arcada dentária e assim acomodar dentes amontoados uns sobre os outros na boca. Daí a expressão "dentes encavalados".

Mas a ortodontia moderna só veio 90 anos depois, em 1819, quando o doutor francês Gaston Delabarre inventou o fio metálico que é fixado entre os dentes. Em 1841, o dentista Joachim Lafoulon criou o termo "ortodontia". Porém, quem alavancou essa nova ciência foi o norte-americano Norman W. Kingsley. Em 1880, ele escreveu o Tratado sobre Deformidades Orais, que exerceu enorme influência até a primeira metade do século 20. Entretanto, o que popularizaria o aparelho dentário seria a adoção, pelos dentistas, do aço inoxidável para fabricação de fios, bandas e braquetes - as três peças que formam o aparelho dentário -, que só veio a ocorrer no fim dos anos 1950.

Até o fim da década de 1970 o aparelho dentário era um objeto horrível, com extensões por fora da boca, conhecidas pelo apelido de estribo. Isso só mudou quando, em 1975, surgiu um adesivo que prendia com sucesso os braquetes diretamente nos dentes. No mesmo ano, um dentista de Beverly Hills, doutor Craven Kurz, inventou o aparelho oculto, cujos braquetes são colados na parte interna da arcada dentária. Sua clientela, formada por artistas de cinema de Hollywood, como a atriz Farrah Fawcett, de As Panteras, incentivou-o a buscar soluções ortodônticas invisíveis. Por fim, em 1997, surgiu o alinhador dentário transparente e removível, criado pela doutora Zia Chishti, também na Califórnia.

Aparelho ortodôntico na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Braceface.jpg

Assim como os óculos, o aparelho ortodôntico era visto na segunda metade do século XX com preconceito e como uma caracteristíca típica de nerds ou CDFs, devido à má aparência provocada na estética e, sabendo que há uma relação estereotipada da sociedade que associa a má aparência com os nerds. Atualmente essa "ideia" está ficando cada vez mais decadente, tendo em vista a necessidade de correção das falhas dentárias, não somente durante a juventude, mas em qualquer idade. Além disso, a utilização de aparelhos estéticos, órteses de cor branca ou transparentes, não chamam tanta atenção como o metálico.

Entre as celebridades que têm sido vistas usando aparelho durante a idade adulta, estão Tom Cruise, Gwen Stefani, Lil Bow Wow, Ashley Judd, Lee Ann Womack, Lila McCann, Linda Gray, Cher, Nancy Kissinger, Brett Favre, Randy Moss, Marquis Daniels, Josh Howard, Alyssa Milano, Thalia e Svetlana Kuznetsova.

O uso de aparelho como um adorno é cada vez mais comum em algumas partes do mundo. Na Croácia em 1967 foi identificado o uso de aparelhos extra bucais onde constatou-se a eficácia do tratamento. Em 2006, foi noticiada como moda o uso de aparelhos ortodônticos falsos na Tailândia. As autoridades passaram a considerar punições para vendedores de aparelhos falsos com seis meses de prisão ou uma multa de $1,300.[1]

O aparelhos ortodônticos carregam uma conotação de juventude, e como tal se tornou um fetiche para alguns (ver fetiche por aparelho ortodôntico).

Aparições notavéis de aparelhos na cultura popular incluem:

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]