Aporia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Aporia [Do gr. aporia, “caminho inexpugnável, sem saída”, “dificuldade”.] é definida como uma dificuldade, impasse, paradoxo, dúvida, incerteza ou momento de autocontradição que impedem que o sentido de um texto ou de uma proposição seja determinado.

Ao estudo das aporias designa-se de aporética.

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Aristóteles definiu a aporia como uma “igualdade de conclusões contraditórias” (Tópicos, 6.145.16-20).

Na filosofia de Zenão de Eleia, por exemplo, podemos falar de aporias nos juízos sobre a impossibilidade do movimento. Mais tarde, designaram-se alguns diálogos platónicos como aporéticos, isto é, inconclusivos.

Mais recentemente o termo vem sendo utilizado com frequência por autores do desconstrucionismo como Derrida e Paul de Man, que, de alguma forma, são responsáveis pela sua utilização dentro da teoria literária do pós-estruturalismo. A aporia é identificada pela leitura desconstrutiva do texto, que terá como fim mostrar que o sentido nele inscrito atingirá invariavelmente o nível da indeterminação ou da indecidibilidade.

Uma aporia é um núcleo que cria uma tensão lógico-retórica que impede que o sentido de um texto se possa fixar. Um texto, por definição, conterá sempre aporias que servirão para mostrar que esse mesmo texto pode querer dizer algo que escapa a uma qualquer leitura convencional. Nem o texto nem o seu autor estão obrigados a ter conhecimento prévio ou consciência da presença de aporias. Compete ao leitor, pela desconstrução - se se quiser, segundo os exemplos de Jacques Derrida e Paul de Man - identificar tais impasses. Os efeitos do que na desconstrução de Derrida se chama différance dependem da presença inquietante destas aporias.

Retórica[editar | editar código-fonte]

A aporia pode também ser definida como uma figura de retórica dizendo respeito aos momentos em que uma personagem dá sinais de indecisão ou dúvida sobre a forma de se expressar ou de agir. O melhor exemplo é o célebre solilóquio de Hamlet, de William Shakespeare, consagrado na expressão “to be or not to be” (Acto III, 1)

Referências[editar | editar código-fonte]

E-Dicionário de Termos Literários [1]