Aracnofobia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Aracnofobia é o medo (ou fobia) de aracnídeos. É possivelmente a fobia de animais mais extensa. As reações dos aracnofóbicos parecem frequentemente bem irracional às pessoas, e ao próprio afetado mesmo. Tentam permanecer longe de todo o local onde pensam que habitam aranhas, ou onde observaram aracnídeos. Se virem uma aranha perto de algum lugar onde vão entrar, evitam entrar nesse lugar, mesmo que a distância entre o local e onde está a aranha seja grande, ou ao menos terão antes que fazer um esforço para controlar seu medo, que pode ser caracterizado na respiração rápida, por taquicardia e por náuseas.

O medo às aranhas pode determinar o lugar onde o fóbico decide viver, ou o local a que irá nas férias, e limitar os esportes ou passatempos que deseja apreciar. Como a maioria dos fobias, o aracnofóbico pode ser curado com tratamento psicológico. A forma habitual é usar os métodos que expõem gradualmente o fóbico ao animal que lhe dá medo, mas também existe um sistema de choques em que a exposição é de grande intensidade, e se realiza subitamente com um medo continuo.

Origem do Medo[editar | editar código-fonte]

Como um animal tão pequeno pode despertar um medo tão grande? Esse é um mistério ainda para muitos psicólogos. Porém, existem hipóteses satisfatórias. Existe o lado biológico, em que o medo às aranhas seria uma vantagem evolutiva para a sobrevivência e, consequentemente, a perpetuação da espécie.

Mas ao que tudo indica a explicação é cultural. O medo existe sobretudo na mente ocidental. O pesquisador Geoffrey Isbister afirma sobre o assunto: "muitas culturas reverenciam aranhas ou veem-nas como símbolos de boa sorte".

Isbister ainda diz que o motivo para a fobia pode se encontrar em raízes históricas, como a história do Tarantismo, doença surgida na cidade de Taranto (Itália) que teria ameaçado a Europa entre os séculos XV e XVII. Como explica Aline Gatto Boueri:

Aranhas da espécie Lycosa tarantula foram acusadas de causar esse mal cujos sintomas eram suor, tremor, insônia, dor, rigidez corporal e fraqueza. Curiosamente, acreditava-se que, para curar-se, o doente deveria dançar freneticamente durante quatro dias. Enquanto em alguns lugares a doença acabou associada à loucura por conta disso, em outros se tornou um pretexto para orgias ou festivais de dança, o que deu origem à famosa tarantela.

Cinema[editar | editar código-fonte]

A aracnofobia foi representada no cinema pelo filme de suspense Arachnophobia do diretor Frank Marshall. O filme conta a história da família de um médico que decide se mudar para o interior, sendo que em sua casa começam a surgir aranhas e mortes começam a acontecer. O médico, Dr. Ross, era aracnofóbico. O que se passa na cidade pode ser a solução para ele acabar com o medo que o persegue desde a infância.

O filme foi a estreia de Frank Marshall como diretor. As aranhas utilizadas no filme vieram da Nova Zelândia e eram inofensivas aos atores. O filme estreou nas bilheterias em 1990.

Em Harry Potter, o personagem Ronald Weasley tem aracnofobia. O ator que o interpreta, Rupert Grint, também é aracnofóbico.

No seriado Friends, o personagem Ross Geller tem aracnofobia.

No seriado Todo mundo odeia o Chris, o personagem Drew tem aracnofobia.

Na série de livros Percy Jackson e os Olimpianos, a personagem Annabeth tem aracnofobia, assim como todos os outros filhos de Atena, devido a sua aversão a deusa Aracne.

Ver também[editar | editar código-fonte]