Arambaré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Município de Arambaré
"Capital das Figueiras"
Praia de Arambaré

Praia de Arambaré
Bandeira de Arambaré
Brasão de Arambaré
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 20 de março de 1992 (22 anos)
Gentílico arambareense
Prefeito(a) Joselena Mª Becker Scherer (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Arambaré
Localização de Arambaré no Rio Grande do Sul
Arambaré está localizado em: Brasil
Arambaré
Localização de Arambaré no Brasil
30° 54' 54" S 51° 29' 52" O30° 54' 54" S 51° 29' 52" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Camaquã IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes N: Tapes, O/S: Camaquã, L: Lagoa dos Patos
Distância até a capital 156 km
Características geográficas
Área 519,124 km² [2]
População 3 693 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 7,11 hab./km²
Altitude 5 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,743 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 62 284,293 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 15 844,39 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura www.portalarambare.com

Arambaré é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. Localiza-se a uma latitude 30º54'54" sul e a uma longitude 51º29'52" oeste. Localizada no km 396 da BR-116, à 33 km do município de Camaquã. foi emancipada de Camaquã a maior cidade da região.

História[editar | editar código-fonte]

Arambaré inicialmente chamava-se "Barra do Velhaco", por estar situada na Foz do Arroio Velhaco. Em 1938 passou a denominar-se "Paraguassu" e, em 1945, adotou o nome de "Arambaré", que quer dizer "o sacerdote que espalha luz". Nesta localidade, conhecida desde os tempos coloniais de 1714, moravam índios com costumes especiais - pescadores e comerciantes de peles que tinham mãos e pés bem desenvolvidos.

Eram os índios Arachas, também conhecidos como Arachanes ou Arachãs, que na língua tupi significa "patos". Por volta de 1763 casais açorianos vindos para o sul estabeleceram-se na margem esquerda do estuário do Guaíba e na margem direita da Lagoa dos Patos, fundando fazendas e charqueadas até o Rio Camaquã.

Desde essa época, os habitantes do então distrito de Arambaré, uniram-se na busca do desenvolvimento através da agricultura, da pecuária e sobretudo pelo grande potencial turístico e pela beleza natural da localidade, emancipada em 20 de março de 1992 do município de Camaquã e de parte do município de Tapes.

Economia[editar | editar código-fonte]

No período de veraneio, o turismo impulsiona o comércio no município. Na área rural, destaca-se a cultura do arroz e a criação de gado.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Na época de verão a temperatura máxima alcança os 40°C e a mínima é 20°C. No Inverno os ventos que vem da lagoa deixam o município muito frio.

Turismo[editar | editar código-fonte]

A cidade é famosa por seu Carnaval onde milhares de turistas visitam fazendo uns dos melhores carnavais da região sul do estado. No verão, a cidade banhada pela Lagoa dos Patos é tomada por banhistas dos mais diversos cantos do estado.

Figueira da Paz[editar | editar código-fonte]

Arambaré preserva um patrimônio do estado do Rio Grande do Sul, a maior figueira do estado, a Figueira da Paz, com aproximadamente 141m de perímetro. Sua copa abrange um raio de 50m. e a circunferência do tronco é de 12m. Com idade aproximada entre 400 e 700 anos, encontra-se no centro da cidade, cercada por bancos e é iluminada à noite, realizando o espírito de convívio com a natureza.

A figueira é uma árvore originária da região da Mata Atlântica, que recebe o nome científico de Fícus Organensis, compondo uma bela paisagem natural em toda a Costa Doce. Na cidade de Arambaré, a imagem da figueira é utilizada como um símbolo da emancipação política e administrativa do município. Segundo a história verbal relatada, junto a esta área habitavam índios Arachanes, que no passado viviam da caça e da pesca na Laguna dos Patos. Conta a lenda que uma índia de nome “Justa”, teria se abrigado junto à figueira e ali permanecido até a sua morte.

A administração municipal no ano de 1998, quando a cidade integrou-se às atividades dos jogos da Paz, celebrada em vários países, inaugurou uma placa alusiva ao evento, denominando o espaço de “Figueira da Paz”.

As figueiras estão protegidas por lei estadual que as torna imunes ao corte, pois as mesmas abrigam várias espécies da flora e da fauna. Seus frutos servem como alimento para diversas espécies de aves e constituem abrigo para episitos (Orquidea e Bromeliaceae)

Atualmente a figueira vem passando por um problema estrutural delicado. Uma rachadura num dos seus principais galhos está colocando as autoridades numa situação complicada. O IBAMA não quis se responsabilizar e passou o problema para a FEPAM, que é o orgão ambiental do estado. Podar é a solução que logo aparece, mas com a poda a figueira pode perder o equilíbrio e tombar. A outra solução seria a de colocar cimento nas rachaduras, evitando assim que a umidade apodreça mais o galho.

Estações de Rádio[editar | editar código-fonte]

Rádio Farol FM

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]