Arapuca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Por seu caráter arredio, o tapiti sempre foi uma tradicional presa caçada com arapuca pelos índios.

Arapuca (também arataca ou urupuca)[1] é um artefacto sul-americano de origem indígena,[2] o qual consiste numa armadilha com formato piramidal destinada a pegar aves vivas, pequenos mamíferos ou outros animais de caça.[1] Tal estrutura é feita como uma gaiola de gravetos cada vez menores na parte superior, em geral amarrados tradicionalmente com lianas ou fibras vegetais e que o homem do campo em contato com a cultura indígena adaptou ao usar barbante ou arame, na amarração da superposição de camadas. Para a estrutura, geralmente são usadas fibras de cipó ou de árvores como a embaúba devido a sua resistência e leveza.

Nos anais do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, volume 18, de 1916, há a seguinte citação:

«Pequena armadilha de varinhas para pegar pássaros. Vocábulo de origem tupi, uma vez que para a caça de aves tinham os índios (...) armadilha a que davam o nome de arapuca, ou que assim ficou chamada, uma vez que é uma corruptela de arapug, ‘prender batendo’, segundo [o historiador] Macedo Soares.»[3] [nota 1]

A técnica consiste em colocar a armadilha num local apropriado, onde o caçador sabe ser a passagem da presa ou seu habitat preferencial, inserir embaixo da estrutura pequenas iscas (como sementes, pedaços de pão, sobras de alimentos crus etc.)[1] para quando o animal se encontrar em posição de captura o disparador ser acionado por seu peso, fazendo cair sobre si tal estrutura de gravetos, impedindo-lhe a fuga — em geral o disparador fica oculto por uma camada de folhas secas e terra, do próprio local onde está sendo armada, para não gerar desconfiança da presa.

A palavra original ara'puka é de origem tupi-guarani.[4] Tornou-se expressão de largo uso no Brasil (inclusive tema de músicas) para referir-se a armadilha (amorosa ou de trapaça).[1]

Notas

  1. O historiador Theodoro Sampaio discordantemente escreve que antigamente se dizia guirapuca, corruptela de guirá («passaro»), e puc («bater»).[3]

Referências

  1. a b c d Editores do Aulete (2007). Verbete: arapuca Dic. Caldas Aulete. Visitado em 26 de janeiro de 2015.
  2. ALMEIDA, Luiz Sávio de. Índios do Nordeste: Resistência, memória, etnografia. [S.l.]: UFAL. 230 pp. ISBN 9788571773165.
  3. a b Confraria do AHGP. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, volume 18, edições 91-94. [S.l.]: Tipografia AHGP, 1916.
  4. DONATO, Hernâni. História de usos e costumes do Brasil. [S.l.]: Editora Melhoramentos, 2005. 384 pp. ISBN 9788506045770.
Ícone de esboço Este artigo sobre cultura indígena do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.