Areia movediça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Março de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Areia movediça e sinal de aviso em uma mina de cascalho

A areia movediça, também conhecida, no norte do Brasil, como areia gulosa ou areia engolideira, é um fenômeno natural que a maioria das pessoas conhece do cinema, televisão e quadrinhos, onde um personagem que cai em areia movediça é tragado por ela até desaparecer por completo, a menos que consiga se agarrar num galho, cipó ou raiz e se içar para fora, ou que seja salvo por outro personagem.

Ao contrário da imagem criada pelos filmes de cinema, no entanto, ninguém desaparece dentro da areia movediça. A ocorrência da areia movediça dá-se quando finas e soltas partículas de areia são submetidas a um fluxo ascendente de água, que preenche os espaços entre os grãos, reduzindo o atrito entre eles, o que faz com que a areia se comporte como um líquido. A viscosidade da areia movediça diminui com movimentos bruscos. Portanto, a pessoa deve movimentar-se devagar e tentar boiar, o que é muito fácil na areia movediça por causa da densidade (muito maior que na água salgada). Em alguns lugares à beira-mar, porém, há o perigo da vítima se afogar em água se ainda estiver presa na areia movediça quando a maré subir, ou de hipotermia.

Existe ainda a areia movediça seca, por muito tempo considerada uma lenda dos desertos, mas recentemente reproduzida em laboratório por cientistas holandeses. Os pesquisadores injetaram ar comprimido pelo fundo de uma caixa contendo areia com grãos de 0,04 mm de diâmetro e a deixaram assentar; o resultado foi uma areia movediça onde bolas de pingue-pongue afundaram rapidamente a uma profundidade de até seis vezes o seu diâmetro e, um décimo de segundo depois, um esguicho de areia se eleva até cinco vezes o tamanho do objeto que afundou.[1] Acredita-se que a areia movediça dos desertos se forme pela ação das tempestades de areia.

As tensões efetivas são as que realmente controlam todas as características de deformação e resistência dos solos. No caso dos solos arenosos, é a tensão efetiva, atuando em determinado plano, que determina a resistência ao cisalhamento desses solos. Essa tensão efetiva (δ'), multiplicada pelo correspondente coeficiente de atrito (Tg θ') fornece a resistência do cisalhamento do solo(s).

s = δ' Tg θ' = (δ' - u )Tgθ'

Mythbusters[editar | editar código-fonte]

Uma simulação científica do fenômeno foi reproduzida no programa de televisão Mythbusters, do canal Discovery Channel, em 2004, utilizando uma bomba de água e dez toneladas de areia. O experimento demonstrou que é possível ficar preso a areia, mas devido as propriedades de densidade, não é possível que afunde nele até o fim. Os perigos que podem justificar mortes relacionadas ao fenômeno são causadas por desidratação ou inanição, de acordo com o programa.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lohse, Detlef; Rauhé, Remco; Bergmann, Raymond & van der Meer, Devaraj (2004), "Creating a dry variety of quicksand", Nature 432 (7018): 689–690, doi:10.1038/432689a, Bibcode2004Natur.432..689L .