Aretha Franklin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Aretha Franklin
Aretha Franklin cantando "My Country 'Tis Of Thee" na Posse de Obama, 2009.
Informação geral
Nome completo Aretha Louise Franklin
Também conhecido(a) como Rainha do Soul
Nascimento 25 de março de 1942 (72 anos)
Local de nascimento Memphis, Tennessee
 Estados Unidos
Gênero(s) Rhythm & Blues, soul, gospel
Instrumento(s) Vocal, piano
Gravadora(s) Columbia Records (1960-1966)
Atlantic Records (1967-1979)
Arista (1980-2003)
Aretha (2004-presente)
Afiliação(ões) Ray Charles, James Brown, Whitney Houston, Mary J. Blige, George Michael, Luciano Pavarotti
Influência(s) Arizona Dranes, Nat King Cole, Nina Simone, Ella Fitzgerald, Bessie Smith, Ruth Brown, Sarah Vaughan, Sam Cooke, Billie Holiday, Mahalia Jackson, Dinah Washington, Clara Ward

[1]

Influenciado(s) Natalie Cole, Beyoncé Knowles, Patti LaBelle, Whitney Houston, Mariah Carey, Jennifer Hudson, Fantasia, Luther Vandross, Amber Riley

Aretha Louise Franklin (Memphis, 25 de março de 1942) é uma cantora norte-americana de gospel, R&B e soul que virou ícone da música negra. Foi considerada a maior cantora de todos os tempos pela revista Rolling Stone[2] [3] e, pela mesma revista, a nona maior artista da música de todos os tempos.[4]

Nascida em Memphis, criada em Detroit, Michigan, Aretha tornou-se a primeira mulher a fazer parte do Rock & Roll Hall of Fame em 3 de janeiro de 1987. Recebeu os apelidos de "Rainha do Soul" ou "Dama do Soul". Reconhecida por suas habilidades na música soul e R&B, também é uma adepta de jazz, rock, blues, pop e até mesmo ópera. Ela é geralmente reconhecida como uma das melhores vocalistas da história da música por publicações de porte da revista Rolling Stone e do canal de televisão VH1. É a segunda cantora a possuir mais prêmios Grammy na história, atrás apenas de Alison Krauss. Aretha possui dezoito prêmios competitivos e três honorários.

Apesar de todo o sucesso, Franklin possui apenas dois singles que foram para o primeiro lugar na lista dos mais vendidos dos Estados Unidos segundo a revista Billboard: "Respect", na década de 1960 (sua canção mais conhecida) e "I Knew You Were Waiting (For Me)", um dueto com George Michael. No entanto, vários singles dela já apareceram entre os 20 mais vendidos na lista daquela publicação, como "Think", "I Say a Little Prayer", "Until You Come Back to Me", "Chain of Fools", "(Sweet, Sweet Baby) Since You've Been Gone", "Call Me", "Ain't No Way", "Don't Play That Song (for me)", "Freeway of Love", entre outros.

Carreira[editar | editar código-fonte]

1942 - 1961: Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nascida em Memphis (1942), filha de Barbara Siggers e Clarence LaVaughn Franklin, um pregador itinerante de Igreja Batista, Aretha Louise Franklin se mudou para Buffalo, Nova York, aos dois anos de idade e aos quatro foi com sua família para Detroid. É em Detroit que seu pai constrói sua própria congregação, a New Bethel Baptist Church.[5]

Ainda aos dez anos, Aretha começa a cantar na igreja de seu pai, que se torna bastante conhecido em Detroit a ponto de ser chamado de “a voz de um milhão de dólares” e receber constantemente “celebridades” em sua casa. Nomes do gospel como Mahalia Jackson, Dinah Washington, James Cleverland, além de nomes do soul como Sam Cooke e Jackie Wilson, passam a frequentar a casa de seu pai, C.L. Franklin, e se tornam desde cedo grandes influências para a jovem Aretha. [5]

É com o apoio de seu pai que Aretha dá seus primeiros passos dentro da indústria musical. Em 1956, a cantora grava seu primeiro álbum, o gospel Songs of Faith, lançado quando ela tinha apenas 14 anos. Mais tarde, decidida a ingressar na música secular, Aretha vai para Nova York onde grava uma demo com duas canções, a qual foi distribuída para varias gravadoras da cidade.[5]

Não demorou muito para a jovem cantora chamar a atenção de boas gravadoras, como a Motown Records, especializada em música negra, e que logo se dispões a assinar com ela. Entretanto, Aretha optou por assinar contrato com a Columbia Records, em 1961, onde ela passaria a trabalhar com o renomado produtor John Hammond, responsável por grande nomes do jazz como Billie Holliday, Count Basie. [5] [6]

1961 - 1966: Era Columbia[editar | editar código-fonte]

Sob a tutela do lendário produtor da Columbia, John Hammond, entre 1961 e 1966, Aretha lança 9 álbuns pelo selo. Apesar de que, infelizmente, nenhum tenha atingido o tão esperado sucesso que se gostaria. John enxergava Aretha com uma próxima Billie Holliday, o que o levou a ignorar o talento da jovem para o R&B e o Soul e empurrá-la a incorporar mais dos estilos jazz, doo-wop e blues em suas canções. Ainda sim, Aretha consegui emplacar alguns hits modestos nas paradas musicais da época. São desse período: “Today I Sing The Blues”, “Won’t Be Long”, “Cry Like a Baby”, “Sweet Bitter Love” e “Rock-a-bye Your Baby with a Dixie Melody”, tendo esta última, inclusive, alcançado um lugar entre as 40 músicas mais tocadas do momento. Ainda na tentativa de alcançar o sucesso, Aretha chegou a regravar algumas canções de cantoras contemporâneas que eram sensações na época, como Walk On By (Dionne Warwick), “You’ll Lose A Good Thing” (Barbara Lynn), People (Barbra Streisand), além de tentar regravações de clássicos do jazz e do blues como “Misty” e I’d Rather Drink Muddy Water, entre outras. Pela Columbia Aretha também gravaria um álbum tributo à cantora Dinah Washignton, falecida em 1963, e uma das grandes influências em sua carreira. [5] [6]

1967 - 1979: Sucesso comercial[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1967, após não renovar contrato com a Columbia depois de seis anos, Franklin migrou para a Atlantic Records. No mesmo mesmo mês, viajou para Muscle Shoals para gravar a canção I Never Loved a Man the Way I Love You diante dos famosos músicos da Muscle Shoals Rhythm Section.[7] A canção foi lançada no mês seguinte e tornou-se nº 1 nas paradas de R&B, enquanto também atingiu a 9ª posição na Billboard Hot 100, dando a Aretha seu primeiro sucesso Pop. O lado B do single continha a canção Do Right Woman, Do Right Man, que figurou no "Top 40 R&B" na 37ª posição. Em abril, a Atlantic lançou a versão de Aretha de Respect, que atingiu a primeira posição tanto nas paradas de R&B quando de música Pop simultaneamente e tornou-se sua canção assinatura.[8] Tempos depois, a canção ganhou uma nova interpretação e tornou-se símbolo dos direitos civis e do Feminismo.[7]

1980 - 2008: Anos recentes[editar | editar código-fonte]

Em 1980, Franklin assinou com a Arista Records, dirigida por Clive Davis, no mesmo ano realizou uma performance no Royal Albert Hall na presença da Rainha Elizabeth II. Aretha também foi artista convidada em um musical de comédia, The Blues Brothers. O primeiro álbum de Franklin pela Arista, chamado "Aretha", foi lançado ainda em 1980 e emplacou duas canções entre "Singles de R&B" nos Estados Unidos: United Together e I Can't Turn You Loose. Em 1981, "Love All the Hurt Away" incluiu um aclamado dueto com George Benson na faixa-título e uma regravação de "Hold On, I'm Comin", de Sam & Dave. Franklin retornou à disputa pelas primeiras colocações nas paradas com o álbum Jump to It, cuja faixa-título figurou entre os "40 Singles Pop" durante seis anos.

Em 1985, desejando um "som mais jovem" em sua música, Aretha lançou um estilo diferente em Who's Zoomin' Who, que se tornou o seu primeiro álbum a receber certificação de platina ao ultrapassar a marca de 1 milhão de cópias vendidas. "Freeway of Love", "Sister Are Doing It for Themselves" e a faixa-título tornaram-se alguns dos maiores sucessos da cantora. No ano seguinte, o álbum de Aretha alcançou o sucesso com os singles "Jumpin' Jack Flash", "Jimmy Lee" e "I Knew You Were Waiting For Me", sendo este último seu dueto mais conhecido no exterior com George Michael. Durante este período, Aretha também gravou os temas de abertura das séries A Different World e Togheter, produzidas pela NBC. Em 1987, lançou seu terceiro álbum gospel, "One Lord, One Faith, One Baptism", gravado na Igreja Nova Betel, que costumava ser liderada pelo pai da cantora. Apesar do sucesso comercial deste período, o álbum "What You See is What You Sweat" falhou nas paradas musicais. Mas, Franklin retornou ao topo em 1993, com a canção dance "A Deeper Love" e a balada romântica "Willing to Forgive", de 1994.

Em 1998, Franklin retornou ao Top 40 com o lançamento de "A Rose Is Still a Rose", produzido pela também cantora Lauryn Hill. A faixa viria a tornar-se o título do álbum lançado depois. No mesmo ano, Franklin atraiu a atenção internacional por sua performance de "Nessun dorma" na cerimônia do Grammy Awards, quando substituiu o tenor italiano Luciano Pavarotti.[9] Em 2004, Franklin anunciou sua saída da Arista Records após 20 anos de contrato. Em 2007, para concluir suas determinações profissionais com a gravadora, Franklin lançou uma compilação de duetos da sua carreira chamada "Jewels in the Crown: All-Star Duets with the Queen", que alcançou relativo sucesso comercial e de crítica. No ano seguinte, lançou o álbum natalino "This Christmas, Aretha" pela DMI Records.

Voz e estilo[editar | editar código-fonte]

Franklin têm sido descrita como uma grandiosa cantora e música devido à sua "flexibilidade vocal, inteligência interpretativa, habilidade no piano, audição e experiência".[10] A voz de Franklin já foi citada como "uma mezzo-soprano poderosa" e foi inúmeras vezes elogiada pela crítica por seus arranjos e interpretações da obra de outros artistas.[11] A imagem de Franklin, entretanto, sofreu várias alterações ao longo de sua carreira. Durante os anos 1960, a cantora era notória por manter o cabelo em estilo Bouffant e vestuário extravagante. Nos anos de 1970, abraçando suas origens, Franklin voltou-se para os penteados de inspiração afro-americana. Nos anos recentes, a artista adotou um figurino mais trabalhado, porém mais discreto.

Legado[editar | editar código-fonte]

Franklin recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em 1979. Em 1987, tornou-se a primeira artista feminina a entrar para o Rock and Roll Hall of Fame.[12] Dois anos antes, o governo do Michigan havia decretado sua voz como um "fenômeno natural".[13] Em 1991, foi premiada com o Grammy Legend Award por "sua contribuição para a música" e quatro anos depois, recebeu uma medalha do Kennedy Center, uma das mais prestigiadas instituições de arte do país.[14] Em 2005, o então Presidente George W. Bush condecorou Franklin com a Medalha Presidencial da Liberdade por "seus serviços aos Estados Unidos".[15] No mesmo ano, a artista foi incluída no UK Music Hall, tornando-se a segunda artista feminina a conseguir tal reconhecimento; (a primeira havia sido Madonna).[16]

Uma artista de grande quilate, Aretha já foi descrita também como "A voz do Movimento dos Direitos Civis", "a voz da América Negra" e "um símbolo da igualdade racial".[10] A revista Rolling Stone a considerou uma entre "os 10 maiores artistas musicais"[2] e a 1ª na lista dos "Maiores Cantores de Todos os Tempos".[17] Em 2011, após recuperar-se de uma cirurgia, Aretha foi homenageada pelas cantoras Christina Aguilera, Florence Welch, Jennifer Hudson, Martina McBride e Yolanda Adams na cerimônia do Grammy Awards.[18]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Songs of Faith (1956)
  • Aretha (1961)
  • The Electrifying Aretha Franklin (1962)
  • The Tender, the Moving, the Swinging Aretha Franklin (1962)
  • Laughing on the Outside (1963)
  • Unforgettable: A Tribute to Dinah Washington (1964)
  • Runnin' Out of Fools (1964)
  • Yeah!!! (1965)
  • Soul Sister (1966)
  • Take It Like You Give It (1967)
  • I Never Loved a Man the Way I Love You (1967)
  • Aretha Arrives (1967)
 
  • Lady Soul (1968)
  • Aretha Now (1968)
  • Soul '69 (1969)
  • This Girl's in Love with You (1970)
  • Spirit in the Dark (1970)
  • Young, Gifted and Black (1972)
  • Hey Now Hey (The Other Side of the Sky) (1973)
  • Let Me in Your Life (1974)
  • With Everything I Feel in Me (1974)
  • You (1975)
  • Sparkle (1976)
  • Sweet Passion (1977)
 

Singles de sucesso[editar | editar código-fonte]

Singles que atingiram o Top 10 da lista Hot 100 da Revista Billboard:

Ano Título Maior posição atingida
1967 "I Never Loved A Man (The Way I Love You)" 9
1967 "Respect" 1
1967 "Baby I Love You" 4
1967 "(You Make Me Feel Like) A Natural Woman" 2
1967 "Chain Of Fools" 2
1968 "(Sweet Sweet Baby) Since You've Been Gone" 5
1968 "Think" 7
1968 "The House That Jack Built" 6
1968 "I Say a Little Prayer" 10
1971 "Bridge Over Troubled Water" / "Brand New Me" 6
1971 "Spanish Harlem" 2
1971 "Rock Steady" 9
1972 "Day Dreaming" 5
1973 "Until You Come Back to Me (That's What I'm Gonna Do)" 3
1985 "Who's Zoomin Who?" 7
1985 "Freeway of Love" 3
1987 "I Knew You Were Waiting (For Me)" (com George Michael) 1

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios recebidos[editar | editar código-fonte]

Aretha em 1967
Aretha em 2007

Prêmios Grammy[editar | editar código-fonte]

Prêmios Grammy ganhados por Aretha Franklin
Ano Categoria Título da canção ou álbum
1968 Melhor Gravação de R&B "Respect"
1968 Melhor performance vocal feminina de R&B "Respect"
1969 Melhor performance vocal feminina de R&B "Chain Of Fools"
1970 Melhor performance vocal feminina de R&B "Share Your Love With Me"
1971 Melhor performance vocal feminina de R&B "Don't Play That Song"
1972 Melhor performance vocal feminina de R&B "Bridge Over Troubled Water"
1973 Melhor performance vocal feminina de R&B Young, Gifted and Black
1973 Melhor performance feminina de soul/gospel "Amazing Grace"
1974 Melhor performance vocal feminina de R&B "Master Of Eyes"
1975 Melhor performance vocal feminina de R&B "Ain't Nothing Like The Real Thing"
1982 Melhor performance vocal feminina de R&B "Hold On I'm Comin'"
1986 Melhor performance vocal feminina de R&B "Freeway Of Love"
1988 Melhor performance vocal feminina de R&B Aretha
1988 Melhor performance vocal de R&B por dupla ou grupo "I Knew You Were Waiting (For Me)" (com George Michael)
1988 Melhor performance feminina de soul/gospel "One Lord, One Faith, One Baptism"
1991 Prêmio de lenda da música --
1994 Prêmio pelo conjunto da obra --
2004 Melhor performance vocal tradicional de R&B "Wonderful"
2006 Melhor performance vocal tradicional de R&B "A House Is Not A Home"
2008 Melhor performance vocal de soul/gospel por dupla ou grupo "Never Gonna Break My Faith" (com Mary J. Blige)

Referências

  1. [1]
  2. a b 20 The 100 Greatest Singers of All Time Rolling Stone (12-3-2008).
  3. Título ainda não informado (favor adicionar).
  4. Jerry Wexler. 100 Greatest Artists: Aretha Franklin (em inglês). Visitado em 3 de setembro de 2011.
  5. a b c d e Sony Music. The Queen of Soul.
  6. a b All Music"Richie Unterberger". Aretha Franklin Biography.
  7. a b Gilliland, John - Pop Chronicles. Show 52 - The Soul Reformation: Phase three, soul music at the summit (audio).
  8. Rolling Stone. 500 Greatest Songs of All Time.
  9. RadioTimes (26 de janeiro de 2014). Five of the Best Grammy Award performances. Visitado em 02 de outubro de 2014.
  10. a b Dobkin, Matt (2006). I Never Love A Man The Way I Love You: Aretha Franklin, Respect and the Making of a Soul Music Masterpiece.
  11. Icons of Black America: Breaking Barriers and Crossing Boundaries. [S.l.]: ABC-CLIO, 2011.
  12. Ebony (Abril de 1995). Aretha Talks About Men, Marriage, Music & Motherhood.
  13. Bego, Mark. Aretha Franklin: The Queen of Soul. [S.l.]: Da Capo Press, 2010. ISBN 978-0-78675-229-4.
  14. The Milwaukee Journal Sentinel (6 de setembro de 2005). Franklin not ready to rest another laurel. Visitado em 2 de outubro de 2014.
  15. BBC News (10 de novembro de 2005). Singer Franklin awarded US medal. Visitado em 02 de outubro de 2014.
  16. IMDb. Aretha Franklin > Biography. Visitado em 2 de outubro de 2014.
  17. Rolling Stone (20 de abril de 2011). 100 Greatest Artists of All Time.
  18. GRAMMY.com. Grammy Awards tribute to Aretha Franklin.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]