Argirópolis (Creta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Argyroupoli (Rethymno)» na Wikipédia em alemão e também na página de discussão.
Grécia Argirópolis
Αργυρούπολη
Argyroúpolis, Lappa, Lampa, Stimboli, Polis
 
—  Localidade  —
Vista parcial de Argirópolis
Vista parcial de Argirópolis
Argirópolis está localizado em: Creta
Argirópolis
Localização de Argirópolis em Creta
Argirópolis está localizado em: Grécia
Argirópolis
Localização de Argirópolis na Grécia
35° 17' 9" N 24° 20' 6" E
Região Creta
Unidade regional Retimno
Município Retimno
Unidade municipal Lapa
Área
 - Total 6,124 km²
Altitude 260 m (853 pés)
População (2001)
 - Total 398
    • Densidade 64,99/km2 

Argirópolis (em grego: Αργυρούπολη; transl.: Argiroupoli ou Argyroúpolis), no passado chamada Lapa, Lampa, Stimboli, Stimpolis ou Pólis, é uma aldeia do interior de Creta, Grécia, pertencente à unidade municipal de Lapa e município de Retimno. Situa-se 5 km a sul de Episkopi, 8 km a sul da costa do mar Egeu e 20 km a sudoeste de Retimno (distâncias por estrada).

A aldeia ocupa parte da encosta noroeste do monte Azonas, que se ergue sobre o vale do rio Mouséllas (em grego: Μουσέλας), que tem as suas 10 nascentes na aldeia, chamadas Agia Dynami. Esta tem duas partes distintas, uma situada mais abaixo e outra mais acima. A parte mais alta ocupa o local da antiga cidade de Lapa, que alcançou grande prestígio durante o período greco-romano. A parte mais baixa cresceu em volta de nascentes célebres desde a Antiguidade, que dão origem a várias cascatas existentes na aldeia e abasteciam as termas romanas das quais ainda se podem ver alguns restos. A água é de tal forma abundante que abastece toda a cidade de Retimno.[1]

Entre as atrações turísticas de Argirópolis, além da beleza natural do local e arredores, densamente florestado, com belas vistas sobe o vale e propício a caminhadas na natureza, destacam-se, na parte alta, a Igreja veneziana de Áyios Ióannis (São João) datada do século XVII e um mosaico romano, e na parte baixa vários antigos moinhos de água, uma grande árvore com vários séculos de idade, uma pequena capela e a necrópole da antiga cidade, onde há centenas de túmulos. Entre os moinhos destaca-se um excecionalmente bem preservado, de construção veneziana do século XVII, com uma rara máquina hidraúlica de madeira, onde era fabricado tecido.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A antiga Lapa é de origem dórica (final do 2º milénio a.C.[1] e é possível que antiga Lapa tivesse sido fundada como uma colónia de Tarra, uma cidade situada perto da garganta de Samária e da atual Agia Roumeli que foi um importante centro religioso dedicado a Apolo Tarraios.[carece de fontes?] Em 221–219 a.C. Lapa foi uma das cidades aliadas de Licto na guerra contra Cnossos e os seus aliados pelo controlo de Creta. Em 67 a.C. opôs-se tenazmente contra a invasão romana, mas foi conquistada de surpresa e quase completamente destruída. Mais tarde, apoiou Otaviano Augusto nas guerras contra Marco António; como recompensa, Augusto permitiu que Lapa fosse reconstruída, concedeu-lhe o direito de cunhar moeda e ofereceu uma cisterna em 27 a.C. que ainda hoje abastece a localidade. A cidade antiga só recentemente começou a ser escavada, principalmente a sua necrópole, situada mais a norte, no vale.[1]

Na Idade Média a aldeia passou a chamar-se Stimpolis ou Stimboli, que significa algo como "na cidade" e é o mesmo termo que deu origem ao nome da maior cidade da Turquia, Istambul. O nome evoluiu depois para simplesmente Pólis. O nome atual data do século XIX e significa cidade (em grego: ποληpoli) da prata (Αργυρούargiroú).[2] O nome da atual unidade municipal, Lapa, provém da antiga cidade.

História eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Com o advento do cristianismo, Lapa ou Lampa tornou-se uma sé episcopal sufragânea de Gortina. Michel Le Quien faz menção aos seguintes bispos de Lampa:[3] [4]

  • Prosdocius, em 458;

A sé episcopal é mencionada no Notitiae Episcopatuum até aos séculos XII e XIII. Foi restabelecida pela Igreja Ortodoxa no fim do século XIX, residindo o bispo no mosteiro de Preveli.[4] Lapa é uma sé titular da Igreja Católica que anteriormente tinha o nome de Lampa.[5] [6]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Partes do texto foram inicialmente baseados na tradução do artigo «Argyroupoli, Rethymno» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).

  1. a b c d Fisher, John; Grvey, Geoff (2007) (em inglês), The Rough Guide to Crete (7ª ed.), Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guides, pp. 231–232, ISBN 978-1-84353-837-0 
  2. Rackham, Oliver; Moody, Jennifer Alice (1996), The Making of the Cretan Landscape, p. 104, ISBN 9780719036460 
  3. Oriens Christianus, II, 268
  4. a b Knight, Kevin. Lampa (em inglês) www.newadvent.org Robert Appleton Company, New Advent Catholic Encyclopedia. Visitado em 4 de janeiro de 2014.
  5. Annuario pontificio (2013), Libreria Editrice Vaticana, ISBN 9788820990701 
  6. Cheney, David M. Lappa (Titular See) (em inglês) www.catholic-hierarchy.org. Visitado em 4 de janeiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Argiroupoli

Wikisource-logo.svg Lampa na Catholic Encyclopedia (1913) no Wikisource em inglês.

Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Grécia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.