Argumentum ad consequentiam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A expressão latina argumentum ad consequentiam ("argumento por consequência") é o argumento pelo qual uma premissa é verdadeira ou falsa em função das consequências desejadas ou indesejadas a que ela conduz[1] . Este raciocínio é uma variedade do apelo à emoção é uma forma de falácia lógica, uma vez que o valor de uma premissa não depende do nosso desejo. Além disso, este raciocínio possui sempre um conteúdo subjetivo.

Estrutura lógica[editar | editar código-fonte]

O argumentum ad consequentiam pode assumir duas formas distintas, a forma direta e a forma por contradição.

Forma direta[editar | editar código-fonte]

Se P, então Q vai acontecer.
Q é desejável.
Então P é verdade.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Se Deus existe, então temos direito à vida eterna.
Cobiçamos a vida eterna.
Então Deus existe.

Forma por contradição[editar | editar código-fonte]

Se P, então Q vai acontecer.
Q é indesejável.
Então P é falso.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Se Deus não existe, não precisamos temer punições no pós-vida.
Não tememos penas no pós-vida.
Então Deus não existe.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Ícone de esboço Este artigo sobre Lógica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.