Argumentum ad nauseam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Argumentum ad nauseam (em português, "argumentação até provocar náusea")[1] é uma expressão em latim que refere-se à argumentação por repetição, ou seja, a mesma afirmação é repetida insistentemente até o ponto de causar "náusea" a crença incorreta de que quanto mais se insiste em algo e mais se repete algo, mais correto algo se torna.[2]

Nesse sentido o argumentum ad nauseam assemelha-se ao argumentum ad infinitum, que é a argumentação constituída de infinitos passos lógicos, ou seja, uma argumentação sem fim - lembrando que, em termos aristotélicos, uma série conceitual infinita não é inteligível.[3] A falácia do argumentum ad infinitum, assim como a do argumentum ad nauseam, consiste no pressuposto incorreto de que, se ninguém rebate uma afirmação, ela está correta.

O argumentum ad nauseam pode ser sintetizado na famosa frase, atribuída a Goebbels - "uma mentira repetida mil vezes transforma-se em verdade". Independentemente de se tratar de proposição verdadeira ou falsa, o martelar constante de determinadas afirmações pode ser eficaz para produzir crenças, que gradativamente se consolidam no indivíduo e na sociedade, convertendo-se em "verdades" incontestáveis.[4]

Discussão sobre o texto anterior do presente verbete

Em sentido contrário ao que foi acima escrito por outro contribuidor da Wikipedia, é o que podemos encontrar na versão em inglês do presente verbete:

Ad nauseam is a Latin term for a discussion that has continued so long that it has continued "to [the point of] nausea". For example, the sentence "This topic has been discussed ad nauseam" signifies that the topic in question has been discussed extensively, and that those involved in the discussion have grown tired of it.[5]

Traduzindo-se o texto obtém-se a seguinte definição em português:

Ad nauseam é um termo latino para uma discussão que continuou "até [o ponto da] náusea". Por exemplo, a frase "Este tópico foi discutido ad nauseam" significa que o tópico em questão foi discutido extensivamente, e que aqueles envolvidos na discussão ficaram cansados dela.

Assim, ao contrário do que consta antes no presente verbete, não se trata de repetir tanto um argumento, possivelmente mentiroso, até o ponto de todos o terem por verdade, como pretendia Goebbels, mas de se discutir tanto um argumento, mesmo e especialmente se verdadeiro, até o ponto de quem o discute não suportar mais discutí-lo, porque chegou ao ponto da náusea.

Referências

  1. "ad nauseam" definição no Dictionary.com
  2. Leônidas Hegenberg; Flávio E. Novaes Hegenberg (2009). Argumentar. Editora E-papers. p. 376. ISBN 978-85-7650-224-1.
  3. "El infinito domado. Hacia una nueva logica operativa", por Celina Lértora Mendoza. In De Boni, Luis A. (org.). Lógica e linguagem na Idade Média.
  4. Paralogismos y sofismas del discurso político español. La falacia en un corpus de debates parlamentarios. Por Francisco José Sánchez.
  5. Ad nauseam, from Wikipedia, the free encyclopedia [http://en.wikipedia.org/wiki/Ad_nauseam


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia


Ícone de esboço Este artigo sobre Lógica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.