Aristófanes de Bizâncio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nome completo Ἀριστοφάνης (em grego)
Nascimento 257 a.C
Bizâncio
Morte 185–180 a.C
Ocupação lexicógrafo, gramático, humanista, filólogo e crítico
Principais trabalhos Diretor da Biblioteca de Alexandria

Aristófanes de Bizâncio (em grego: Ἀριστοφάνης; c. 257 a.C. – c. 185180 a.C.) foi um lexicógrafo, gramático, humanista, filólogo e crítico grego, particularmente célebre pelos seus trabalhos sobre Homero onde sempre mostrou grande erudição, mas também pelos seus manuscritos sobre outros autores clássicos como Píndaro e Hesíodo[1] ,. Nascido em Bizâncio por volta do ano 257 a.C., logo se mudou para Alexandria onde foi aluno de Zenódoto de Éfeso e de Callimachus. Foi sucessor de Eratosthenes como diretor da Biblioteca de Alexandria quando tinha sessenta anos.

Aristófanes foi o primeiro a negar que a obra poética Preceitos de Quiron tivesse sido criada por Hesíodo. Seu trabalho de pesquisa homérica localiza-se entre a obra de Zenódoto de Éfeso e a de Aristarco de Samotrácia[1] ,.

Deve-se a Aristófanes a invenção do sistema de inflexão usado em grego para auxiliar na pronúncia, porque o sistema de entonação e de compasso do grego arcaico e clássico estava dando lugar (ou tinha dado lugar) ao sistema de grego koiné com base na flexão oral[1] ,. Este também foi um período em que o grego, com o despertar das conquistas de Alexandre, estava começando a crescer como a lingua franca do Mediterrâneo Oriental (em substituição a várias línguas semíticas). Os acentos foram criados para auxiliar na flexão da pronúncia do grego das obras literárias mais antigas.

Ele foi também o inventor de uma das primeiras formas de pontuação do século III a.C.; o uso de pontos exclusivos (distinctiones) para separação do versos (colometria), e que indicavam a respiração necessária para completar cada fragmento do texto ao ler em voz alta (os quais não tinham nenhuma relação com as regras gramaticais, onde seriam utilizados os sinais de pontuação somente milhares de anos mais tarde). Para um período curto (um precursor da vírgula), foi sugerido um ponto de distinção mediano colocado a meio plano(•). Esta foi a origem da vírgula, um sinal de pontuação moderno e do seu nome. Para um período mais longo (dois pontos), era usado um ponto com sub-distinção, colocado no mesmo nível com o fundo do texto(.), muito similar aos dois pontos ou ponto-e-vírgula usados atualmente, e para pausas muito longas (chamadas de períodos), utilizava-se um ponto de distinção perto do topo da linha do texto(•).

Na qualidade de lexicógrafo, ele compilou coletâneas de palavras arcaicas e não usuais. Morreu na Alexandria por volta 185–180 a.C.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Ulrich von Wilamowitz-Moellendorff, Homers Ilias (1887-1888). Zurique: Georg Olms, 2006, pp. 215-217
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Eratóstenes de Cirene
Diretores da

Biblioteca de Alexandria
195 a.C. - 180 a.C.

Sucedido por
Apolônio Eidógrafo