Aristotele Fioravanti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aristotele Fioravanti ou Fieraventi, de nome real Ridolfo Fioravanti, de alcunha Aristotile, e transcrito para russo como Фиораванти, Фьораванти, Фиеравенти, ou Фиораванте (Bolonha c. 1415 ou 1420 – c. 1486), foi um arquiteto e engenheiro italiano da época do Renascimento.

Sabe-se muito pouco dos seus primeiros anos, salvo a sua cidade natal e que a sua família era de arquitetos e engenheiros hidráulicos.

Tornou-se famoso pelas máquinas inovadoras que usou para a reconstrução das torres dos palácios das famílias nobres da sua cidade (Palazzo del Podestà, Palazzo Salaroli e Palazzo Felicini). Entre 1458 e 1467 trabalhou em Florença para Cosme de Médici o Velho, e em Milão, antes de regressar a Bolonha. Aí desenhou os planos do Palazzo Bentivoglio, mas a construção não terminou senão na década 1484-1494, por Giovanni II Bentivoglio.

Em 1467 trabalhou para o rei da Hungria Matias Corvino, tendo sido nomeado primeiro arquiteto militar do reino. Matias Corvino conceder-lhe-ia o privilégio nobiliárquico de Cavaleiro do reino. Iniciou o projeto do castelo de Buda e obteve o direito de cunhar moeda com a sua efígie, a única concedida a um estrangeiro na Hungria. Tal privilégio criou-lhe grandes problemas, quando em Roma pagava com moedas com o seu retrato, tendo sido aí preso como falsário. O próprio Matias Corvino teve de intervir em sua defesa enviando o seu embaixador ao Papa, que esclareceu o caso.

Em 1475 foi para a Rússia convidado por Ivan III por intercessão de Sofia Paleóloga e construiu no Kremlin de Moscovo a Uspensky Sobor (Catedral da Dormição, 1475-1479), inspirada na Catedral da Dormição de Vladimir.

Segundo algumas fontes, terá sido preso pelo czar quando quis regressar a Itália, e morreu na prisão. Segundo outras fontes, participou como engenheiro militar e comandante de artilharia nas campanhas contra Novgorod (1477-1478), Kazan (1482) e Tver (1485).[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Victor Lasareff, Le opere di Pietro Antonio Solari in Russia ed i rapporti artistici italo-russi nel tardo Quattrocento, in Edoardo Arslan (a cura di), Arte e artisti dei laghi lombardi, Tipografia Editrice Antonio Noseda, Como 1959, 423, 426, 427, 428-432, 435, 438.(Gennaio 2004):9-45.
  • Michael C. Paul, "The Military Revolution in Russia 1550-1682," The Journal of Military History


Referências

  1. Michael C. Paul, "The Military Revolution in Russia 1550-1682," The Journal of Military History (Jan. 2004):9-45.