Arlequina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arlequina
Arlequina por Adam Hughes.jpg

Arte de Adam Hughes
Dados da publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição Batman: A Série Animada Episódio #22 "Joker's Favor" (1992)
Criado por Paul Dini
Bruce Timm
Características do personagem
Alter ego Harleen Frances Quinzel
Afiliações Sociedade Secreta dos Super-Vilões
Sexteto Secreto
esquadrão suicida
Ocupação Ex-psiquiatra, criminosa companheira do Coringa
Situação presente Ativa
Habilidades Força e agilidade sobrehumanas, talentosa ginasta e imunidade a qualquer tipo de veneno.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Arlequina (Harley Quinn, no original), cujo nome real é Harleen Frances Quinzel, é um personagem fictício, supervilã inimiga do Batman no Universo DC. Não deve ser confundida com a vilã da Era de Ouro, Arlequim (Molly Mayne), inimiga e mais tarde esposa do Lanterna Verde (Alan Scott).

Seu nome é baseado no arlequim e foi proposto pelo Coringa como um trocadilho ao seu nome original, Harleen Quinzel. Isto é explicado no romance gráfico Mad Love, criado por Paul Dini e Bruce Timm em fevereiro de 1994 (depois adaptada na série animada The New Batman Adventures em 1999[1] ), premiada com o Prêmio Eisner de Melhor História no mesmo ano.[1] essa história foi publicada no Brasil 2 vezes, a primeira em 2 edições em formatinho na revista Batman - O Desenho da TV pela Abril Jovem em 1995[2] . Em 2002 foi republicada pela Opera Graphica no formato 16 x 23 cm e em preto e branco.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Harleen Quinzel destacou-se durante o período escolar como uma ágil ginasta, o que lhe permitiu obter uma bolsa de estudos para estudar Psiquiatria na Universidade de Arkham. Em algumas histórias, para conseguir boas notas, usou por diversas vezes de artifícios censuráveis, como paquerar seus professores.

Posteriormente, trabalhou como psiquiatra no Manicômio Arkham, onde conheceu Coringa, seu paciente. Enganada pela história de que ele havia tido uma infância infeliz, Quinzel apaixona-se profundamente. As autoridades suspeitaram que ela tenha sido a responsável por ajudar o Coringa a escapar por diversas vezes do asilo e, por isso, a aprisionaram. Durante um terremoto em Gotham City, Quinzel escapa da prisão e transforma-se Arlequina, parceira de Coringa no crime. Ajudante, parceira de crime, amante e eventual empregada doméstica do Príncipe Palhaço do Crime, a bela Arlequina está sempre a postos para atender as vontades do seu amado Coringa, e sua devoção ao criminoso chega a tal ponto que ela só chama o sorridente vilão de “Senhor Coringa”, “Senhor C.” ou – pior ainda – “Pudim” ou “Pudinzinho”. O relacionamento entre Coringa e Arlequina é um dos mais complexos do Universo DC. Todos acreditam que ela é a única pessoa nesse mundo que ele criou sentimentos de amor. Coringa já demonstrou certas vezes ter amor por ela, apesar de sempre ter um episódio onde ele abusa dela, verbal ou fisicamente.

No episódio "Harley and Ivy" do desenho animado Batman: A Série Animada, Arlequina está frustrada e, então, resolve roubar o Diamante Arlequim do museu de Gotham City para provar o seu valor. No mesmo instante, Hera Venenosa rouba plantas tóxicas do museu. As duas rapidamente tornam-se amigas e Hera Venenosa a leva para o seu lar, em um local de despejo de lixo tóxico. Hera Venenosa aplica-lhe uma injeção de soro que torna Arlequina imune a todas as toxinas e venenos. Juntas, praticam diversos delitos, ficando conhecidas como as "Rainhas do Crime" de Gotham City. A amizade é várias vezes abalada pela reprovação de Hera ao relacionamento entre Arlequina e Coringa, pois sente que o Coringa não dá o devido valor a sua companheira, sabendo que ele a maltrata quase constantemente. Por isso, Hera está sempre tentando persuadir Arlequina a desistir de sua paixão, sem sucesso.

A revista Batman: Harley Quinn apresenta outra versão sobre a origem da amizade entre Arlequina e Hera Venenosa. Em dúvidas se realmente sente algo por Arlequina ou não, Coringa deixa o seu lado mau prevalecer. Ele a amarra em um foguete, que aterrissa em Robinson Park. Hera Venenosa a encontra e a salva, quando reconhece que se trata da Dra. Harleen Quinzel, que ela conheceu no Asilo Arkham. O plano inicial de Hera Venenosa é matá-la, porém tal ideia foi vencida pela curiosidade. Hera convence Arlequina a contar toda sua história e acaba notando alguma semelhança na história de Arlequina com a sua. Ela propõe a Arlequina a proposta de juntas elas se vingarem de Batman/Coringa. Arlequina aceita.

Poderes e Habilidades[editar | editar código-fonte]

Harley não tem nenhum super poder, porém, ainda assim pode ser considerada muito perigosa. Ao contrário do que muitos pensam, ela é muito inteligente, e uma ótima estrategista, como visto na série animada do Batman, no episódio Mad Love (ou "Louco Por Amor" no Brasil) onde conseguiu enganar o Morcego e capturá-lo, pendurando-o de cabeça pra baixo, acima de um tanque cheio de piranhas. Embora o plano tivesse sido originalmente bolado pelo Coringa, o mesmo descartou-o rapidamente quando viu que seria impossível fazer as piranhas sorrirem, mas Harley conseguiu colocar o plano em prática, porém como sempre, foi menosprezada por seu pudinzinho. Esse epísódio é com certeza um dos mais importantes na história da Palhaça Princesa do Crime, pois além de mostrar suas origens, faz da Harley uma das personagens que mais chegou perto de descobrir a verdadeira identidade do Morcego, e isso foi dito pelo próprio encapuzado.

Além de ser muito inteligente, Harley é formada em psiquiatria (ou psicologia, dependendo da história), e tem um grande conhecimento na área, sendo capaz de fazer rápidos diagnósticos de outros vilões e heróis que se colocam em seu caminho.

Harley é uma ginasta altamente habilidosa, com sua agilidade sendo classificada muitas vezes como sobre humana. Também foi dito inúmeras vezes que suas habilidades ginásticas e acrobáticas poderiam "deixar qualquer campeão olímpico no chinelo".

Graças a injeção dada por Hera Venenosa, Arlequina teve sua velocidade, força, agilidade e resistência aumentadas significativamente, fazendo dela "quimicamente" mais forte e mas rápida que o próprio Batman. Muitas discussões são levantadas se a Harley seria capaz de vencer o Morcego em uma luta. Os argumentos são inúmeros, mais levando em consideração as informações que temos dos quadrinhos, podemos afirmar que a Harley poderia sim vencer o Batman em uma luta, mas teria de estar muito bem preparada, e ainda assim, seria um desafio para ela. Mas em relação ao resto da Bat-família, a Arlequina com certeza seria capaz e vencê-los. (.)(.)

Assim como seu namorado, Quinn pode ser extremamente imprevisível (como visto no episódio da série animada da "Liga da Justiça": 'Wild Cards' - 'Cartas Selvagens' no Brasil - onde, durante uma conversa com o Batman ela lhe dá um soco, e o próprio Coringa, assistindo a situação das câmeras de segurança, diz surpreso: "Tenho que admitir. Eu não esperava por essa."). Embora sua imprevisibilidade seja marcante, Harley tem um estilo de luta muito diferente do de seu amante. Este tem um estilo de luta mais terreno e mais focado, se utilizando de armas brancas, socos e revólveres, mas de maneira que seja extremamente difícil saber qual será seu próximo movimento (como visto no início do jogo Batman: Arkham Asylum, onde o Coringa derruba dois guardas sem dar nenhum sinal prévio de hostilidade). Já Arlequina tem um estilo de luta mais "aéreo", por assim dizer (não, ela não voa). Seus combates são repletos de chutes altos (mirando na cabeça) e saltos, emendados com acrobacias, como estrelas e cambalhotas, que confundem o inimigo. Harley sabe exatamente onde acertar seu inimigo (tanto fisicamente quanto psicologicamente) e não demonstra remorso algum em feri-los gravemente.

Ao contrário do Coringa, Quinn utiliza muito o ambiente a sua volta em favor de sua vitória, como mesas, cadeiras, andaimes e até mesmo lustres. (como visto no episódio da Série Animada do Batman: "Harlequinade" - "Arlequinada" no Brasil - onde Harley se alia ao Batman e se envolve em uma "briga de bar" com a máfia de Gotham).

Raramente usa armas de fogo em combates físicos, pois acredita que suas habilidades marciais e acrobáticas são superiores aos da maioria, e que são o suficiente para derrotar o adversário.

Outra característica atribuída à Harley é a imunidade a qualquer tipo de veneno existente, devido a injeção (anteriormente mencionada) que recebeu de Hera Venenosa (como visto no episódio da Séria Animada do Batman: Harley & Ivy - no Brasil, Harley e Hera). Essa injeção incluí imunidade aos famosos: Gás do Riso (a Toxina inventada pelo Coringa) e o Gás do Medo (toxina inventada por Jonathan Crane, conhecido também como Espantalho).

Fraquezas[editar | editar código-fonte]

As fraquezas da Harley nunca foram formalmente definidas, mas suas fraquezas mais conhecidas são o próprio Coringa (por quem está disposta a largar tudo para ficar com. Mesmo que isso signifique abandonar seus "amigos) e a Dra. Harleen Quinzel. Sim, ela mesma.

Nos Novos #52 pode se ver que a Harley, acreditando que seu namorado está morto, entra em um sério conflito interno, entre a Harley e Harleen, oscilando entre a loucura e a sanidade. Porém, não se pode caracterizar como transtorno de múltipla personalidade, já que, quando Harley, a personagem tem total consciência de seu passado e da existência de Harleen, e vice versa.

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

A primeira vez que Arlequina é retratada nos quadrinhos foi em Batman: Harley Quinn, lançada em outubro de 1999, tendo surgido primeiramente nos desenhos animados (mais precisamente em Batman: A Série Animada). O sucesso da personagem no desenho levou ao seu aparecimentos também nas histórias do Batman em quadrinhos. Entretanto, assim como as histórias em quadrinhos do Coringa, as de Arlequina são mais psicóticas e com menos humor excêntrico do que as da série animada.

Uma série da Arlequina foi publicada mensamente pela DC Comics durante 38 edições, entre 2001 e 2003[4] . Entre os criadores do título estão Karl Kesel, Terry Dodson, A.J. Lieberman e Mike Huddleston. A série termina com Arlequina retornando por conta própria ao Asilo Arkham. Ela então aparece na série Batman: Hush, de Jeph Loeb. Reaparece na edição de Villains United como um dos principais vilões que escapam de Arkham, porém perde a consciência durante a fuga. É brevemente mencionada em Detective Comics #823, voltando a aparecer em Batman #663 (onde ajuda o plano do Coringa em matar seus capangas, sem perceber que é uma armadilha onde é a verdadeira vítima; quando descobre ser o alvo, Arlequina dá um tiro no ombro de Coringa).

A aparição seguinte de Arlequina se dá na Detective Comics #831, escrita por Paul Dini. Ela ainda esta à beira da loucura, mas aparentemente curada. Seu pedido de liberdade condicional fora rejeitado por Bruce Wayne, membro da comissão médica de Arkham. É seqüestrada por Sugar, a versão feminina do Ventríloquo, que lhe oferece um serviço. Arlequina recusa o serviço em respeito à memória de Arnold Wesker, o Ventríloquo original, e ajuda Batman e o Comissário Gordon a capturar Sugar. Apesar da fuga da nova Ventríloquo, Wayne impressiona-se com o esforço de Arlequina e lhe concede a liberdade condicional.

Na versão em Quadrinhos de Aves de Rapina, Arlequina aparece como o sexto membro do Sexteto Secreto na edição #105, e descobre que um companheiro do sexteto traiu o grupo e foi assassinado, o que a levou a sair do grupo (edição #108).

Em Countdown to Final Crisis #43, Harleen Quinzel é mostrada como uma amazona, tendo abandonado a roupa de bobo-da-corte. Ela ajuda Holly Robinson a subsitituir a Mulher-Gato e a convence a juntar-se a ela no hospício em que trabalha como assistente. Ambas são levadas até Temiscira por "Atena" e são treinadas como amazonas (na realidade, esta "Atena" é Vovó Bondade disfarçada, e o treinamento era para se juntarem às Fúrias de Darkseid).

Reapareceu como co-protagonista em "Gotham City Sirens", ao lado da Mulher Gato e de Hera Venenosa; na série mensal, as três decidem dividir um esconderijo. Elas têm uma série de bons momentos juntas, até que Harley decide ir sozinha ao Asilo Arkham para matar o Coringa - porém, ele rapidamente a convence a voltar para o lado dele, iniciando uma rebelião e traindo suas companheiras. Harley acaba presa, mas Hera a liberta pouco depois.

Após o reboot da DC comics (com "Os Novos 52"), Arlequina aparece como uma das protagonistas da revista mensal "Suicide Squad", publicada no Brasil como "Esquadrão Suicida & Aves de Rapina"; nela, após o desaparecimento e suposta morte do Coringa (desmentida em Batman#2), Harley é presa e recrutada para o grupo de mesmo nome da revista, formado por ela e outros vilões em busca de redução da pena.

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Batman Triunfante[editar | editar código-fonte]

Antes do lançamento de Batman & Robin, Mark Protosevich foi autorizado pela Warner Brothers a escrever um roteiro para o quinto filme do Batman, intitulado Batman Triunfante, que seria dirigido por Joel Schumacher. Arlequina estaria incluída no filme como um dos três vilões, junto com Espantalho e Morcego Humano.

Em julho de 2000, Protosevich confirmou Arlequina e Espantalho como os dois únicos vilões. Especulava-se que Arlequina seria interpretada por Madonna, sendo que o roteiro foi reescrito de forma que Arlequina seria a filha do Coringa em busca de vingança, ao invés de sua amante ou ajudante. Devido à fraca bilheteria de Batman & Robin, maus rumores circulando na internet e a análise negativa dos críticos, Batman Triunfante nunca foi rodado e a franquia enfrentou um hiato de oito anos.

Liga da Justiça: A Nova Fronteira[editar | editar código-fonte]

Arlequina faz uma rápida aparição na animação longa metragem 'Liga da Justiça: A Nova Fronteira' (2008). Ela é vista durante o discurso do presidente John F. Kennedy.

Batman: Assault on Arkham[editar | editar código-fonte]

No longa metragem 'Batman Assault on Arkham" (2014), Harley é uma dos seis personagens principais (junto com: Pistoleiro; Aranha Negra; Nevasca, Tubarão Rei e Capitão Bumerangue). No filme, está em uma missão especial da Força Tarefa X (mais conhecida como Esquadrão Suicida) comandada por Amanda Waller, com o intuito de matar o Charada, que tem em mãos informações confidencias.

Margot Robbie ira interpretar a personagem nos cinemas.

Universo Cinematográfico DC

A personagem ira ser introduzida no Universo Cinematográfico DC, fazendo sua estreia no filme Esquadrão Suicida e sera interpretada pela atriz Margot Robbie. O filme tem estreia prevista para 5 de agosto de 2016.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Batman: A Série Animada[editar | editar código-fonte]

A primeira aparição de Arlequina foi no desenho animado Batman: A Série Animada, no episódio 22 intitulado Joker's Favor, em setembro de 1992. Na ocasião, Arlequina era apenas uma figurante, seguidora do Coringa. Sua voz foi feita por Arleen Sorkin, a qual serviu de inspiração para a criação da personagem. Sorkin estrelou a novela Days of our Lives, onde aparecia vestida como bobo-da-corte, o que levou Paul Dini a criar a personagem do desenho exclusivamente para que Sorkin fizesse a voz. Além disso, Dini acrescentou aspectos da personalidade de Sorkin em Arlequina.

Birds of Prey[editar | editar código-fonte]

No seriado "Birds of Prey", a personagem foi a principal vilã da série, estando por trás de todos os inimigos combatidos por Oráculo, Caçadora e Dinah, apesar de só se revelar no último episódio. Foi interpretada por Mia Sara, aparecendo como uma psicanalista da heroína, Helena Kyle (a Caçadora, filha de Batman e da Mulher-Gato).

Arrow

A aparição da Arlequina na verdade foi um enorme easter-egg da série, com a personagem sendo interpretada por Cassidy Alexa e sendo dublada por Tara Strong, a mesma voz utilizada pela personagem na série de jogos Batman: Arkham. No episódio "Suicide Squad", a personagem foi listada simplesmente como uma "fêmea desajustada no Esquadrão". A personagem possui apenas uma fala (Vocês queridinhos precisam se consultar? Sou uma terapeuta treinada), porém, a personagem pode vir a aparecer outras vezes durante a série.

Batman: Return of The Joker[editar | editar código-fonte]

Arlequina aparece no flashback do que ocorreu com Tim Drake, e foi dada como morta após cair num abismo junto a Arkham. Ao final do filme ela reaparece viva e idosa, como a avó das gêmeas Dee Dee, que faziam parte da gangue de Jokerz, pagando a fiança das mesmas, mas dando-lhes uma bronca por se envolverem com o crime.

The Batman[editar | editar código-fonte]

Introduzida no episódio Two of a Kind da série animada The Batman, na quarta temporada, Arlequina é Harlene Quinzelle, anfitriã de um programa de TV sobre psicologia popular intitulado "Heart to Heart with Harley". É o programa favorito de Coringa. Com o pretexto de obter a graduação online de Psicologia, ela dá consulta a seus visitantes. Seu chefe cancela o programa após ela tentar constranger Bruce Wayne, convidado do programa, com a justificativa de que esta havia distorcido o real objetivo do programa, de ajudar as pessoas e que Harley o havia transformado num circo. Sua demissão é transmitida ao vivo e vista pelo Coringa, que decide tomar vantagem da situação e acaba convencendo-a a ser sua cúmplice. Sua voz foi interpretada pela atriz e dubladora Hynden Walch.

Batman: The Brave and the Bold[editar | editar código-fonte]

Arlequina aparece no episódio "Emperor Joker", da segunda temporada, tendo um breve caso amoroso com o Batmirim. Ao invés do traje tipicamente associado a ela, Harley aparece com um visual típico da década de 1920, e em preto-e-branco.

Videogames[editar | editar código-fonte]

Arlequina faz algumas aparições em alguns jogos sobre as séries animadas de Batman. Ela aparece como personagem secundário em The Adventures of Batman & Robin para Super Nintendo e como chefe para Sega Genesis. Aparece em "Injustice Gods Among Us" como uma personagem selecionável, em The Adventures of Batman & Robin para Sega CD e também em Batman: Chaos in Gotham. Ela não é chefe no jogo Batman Vengeance, mas desempenha importante papel no enredo. Inicialmente, ela se apresenta como sendo Mary Flynn em uma armadilha do Coringa para o Batman. Então, Arlequina atua do começo ao fim do jogo, fazendo o trabalho sujo do Coringa após ele fingir ter morrido. Nos dois jogos para Sega CD, sua voz é feita por Arleen Sorkin.

Lego[editar | editar código-fonte]

Aparece no jogo Lego Batman: The Videogame, lançado em 2008; no jogo Lego Batman 2: DC Superheroes, de 2012, e no mais recente, Lego Batman 3: Beyond Gotham, de 2014. Nas duas últimas versões, a Palhaça Princesa do Crime é dublada por Laura Bailey. Em todos os jogos de Lego (e nos apresentados anteriormente), o "uniforme" de

Arkham Asylum[editar | editar código-fonte]

Arlequina também tem importante importante papel no jogo de 2009 Batman Arkham Asylum, onde ela ajuda Coringa a executar seu plano de tomar o controle do Asilo Arkham e obter a fórmula da toxina Titan - químico projetado pela Dra. Penelope Young, que torna simples homens, em verdadeiros tanques de guerra - além de sequestrar o diretor do Asilo Arkham, Quincy Sharp, e roubar seu cartão de acesso à todas as alas do hospital, se tornando assim, brevemente, a "diretora" do Asilo. No jogo, sua roupa é parecido com um uniforme de enfermeira bem sensual mostrando parte de seu busto, saia de enfermeira com meias longas e isso deixando ela bem sexy (provavelmente uma adaptação radical no seu antigo uniforme de psiquiatra), e suas cores passam ser, não mais vermelho e preto, mas branco, vermelho e azul.

Abandonando seu característico martelo, sua "arma" no game é um cajado (ou um cetro) confiscado de Quincy, com o símbolo de Arkham (uma letra A) no topo, envolto com uma esfera rosada.

Sua dublagem é feita por Arleen Sorkin.

Arkham City[editar | editar código-fonte]

A personagem também aparece em Batman-Arkham City, continuação (um ano após) de Batman: Arkham Asylum para as plataformas PC, PS3, XBOX 360 e Wii U, lançado em 2011. Sua participação na história principal não é tão notória quanto fora a vista em Arkham Asylum, [SPOILER], mas é a personagem destaque na DLC "Harley Quinn's Revenge". ou "A Vingança da Arlequina", que se passa uma semana após o final de Arkham Ciry, onde a mesma sequestra vários policias do DPGC, para chamar atenção da Bat-família, e se vingar pela morte de seu pudinzinho no final do jogo.

No jogo, sua roupa é muito diferente da vista no anterior. A essência da Arlequina Clássica foi retomada pelos produtores da Rocksteady (produtora da série Arkham, com exceção do jogo de 2013, Batman Arkham Origins), e ela adota novamente as cores vermelho e preto, mas de uma maneira um tanto sexy. Duas tatuagens são vista, uma no braço direito, e uma na barriga, do lado esquerdo. [SPOILER] Na DLC HQ's Revenge, sua roupa continua a mesma vista em Arkham City, mas a roupa se tornou inteira preta, com alguns detalhes em vermelho. Assim como seu cabelo, pintado muito mal de preto, com a ponta de sua maria-chiquinha direita pintada de preto.

Arkham Origins[editar | editar código-fonte]

Harley também faz uma aparição no novo jogo da série Arkham, Batman Arkham Origins, 2013. No jogo, ela ainda é psiquiatra e trabalha na prisão Blackgate e corresponde por seu nome real: Harleen Frances Quinzel. Ela aparece inicialmente quando Batman derrota o Coringa (logo após a luta com o Bane, na cobertura do hotel Royal de Gotham), que é levado para Blackgate, onde tem uma consulta com a Dra. Quinzel; no final da consulta, pode-se notar o início da paixão de Harley pelo Joker. Depois de um tempo no jogo, Batman tem de salvá-la, pois está sendo refém dos capangas do Coringa. Ao completar o "resgate" o jogador adquiri um modelo 3D da Doutora Quinzel, que pode ser acessado no menu principal do jogo. Algo curioso sobre esse modelo de persongame, é que Harleen está segurando uma prancheta, e se o jogador der um zoom nela, poderá levar com certa dificuldade que está escrito Suicide Squad. O que indica que Harley fora convocada, juntamente com Slade Wilson, ou, o Exterminador, um dos assassinos contratados para matar o Batman no jogo.

Para a decepção de muitos fãs, Harleen nunca apareceu com sua roupa clássica nos games Arkham. Mas é possível encontrar o capuz que ela usava em sua sala no asilo Arkham e no seu "esconderijo" na Siderúrgica, em Arkham City

Arkham Knight[editar | editar código-fonte]

No novo (e último) game da série Arkham, Batman Arkham Knight (antes previsto para 14/10/14 mas com a data oficialmente mudada para o dia 02/06/15), Harley é umas das vilãs principais. E é um personagem jogável! Com um novo look, que parece ser uma mistura dos visuais apresentados em Arkham Asylum e Arkham City. Mas não é falta de criativade! O novo "uniforme" ficou bom (ou seja sexy), na opinião de muitos fãs, muito bom, já na de outros...

Injustice: Gods Among Us[editar | editar código-fonte]

No jogo lançado dia 3 de abril de 2013, para Android, iOS, PlayStation 4, PlayStation 3, PlayStation Vita, Xbox 360, Wii U, Microsoft Windows, a Harley faz uma participação como personagem jogável (fazendo também sua participação na campanha principal). Suas duas versões (Insurgência e Regime) no jogo tem aparências bem distintas, mas não deixa de ser a Harley que se conhece. As 'skins' para Harley no jogo são: Regime (que já vem com o jogo); Insurgência (liberada com pontos, adquiridos no próprio jogo); Arkham City (liberada ao comprar qualquer carta do Coringa na versão para IOS); Clássica (de Arlequim - adquirida via DLC); Ame-Comi (adquirida via DLC); Clássica (textura da série animada - que pode ser adquirida APENAS na versão para IOS). No game, a dublagem é feita originalmente por Tara Strong, e no Brasil, por Iara Riça.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Série Arkham[editar | editar código-fonte]

- No segundo jogo da série Arkham (Batman: Arkham City), na Siderúgica, é possível encontrar um teste de gravidez de Harley, cujo resultado é positivo. Nos créditos do jogo, é possível ouvir a Arlequina cantando sua própria versão mórbida de "Hush Little Baby" - uma canção de ninar, muito conhecida nos EUA. A música, na versão da Harley, em tradução livre, diria algo como: "Silêncio bebezinho, não diga uma palavra, mamãe vai matar a droga do mundo inteiro pra você"

- No entanto, durante a DLC: Harley Quinn's Revenge, no local onde antes havia o teste de gravidez positivo, há inúmeros outros teste de gravidez, de resultado negativo.

Injustice[editar | editar código-fonte]

- Na HQ intitulada "Injustice: Gods Among Us - Ano Dois: Capítulo 13", durante uma luta com Canário Negro, momentos antes de acertar um martelo em sua cabeça, Harley descobre que Canário está grávida(do Arqueiro Verde, é claro), e se recusa a continuar lutando, pois, em suas palavras, se lembra de "como é se sentir assim". É então revelado que, quatro anos antes, tivera uma filha (cujo o pai é o Coringa) chamada Lucy, mas que mora com a irmã de Harleen longe o suficiente para que o pai não saiba de sua existência, já que, com anos convivência com o palhaço, Harley sabe que ele mataria a filha. Isso mostra que embora Quinn seja uma psicopata, no fundo ela tem um lado maternal, responsável e piedoso, se recusando a matar a heroína grávida.

Série Animada

- No episódio da Série Animada do Batman intitulado "Harlequinade" (''Arlequinada' no Brasil), a própria Harley revela não ser loira de verdade. Mas ainda não se sabe a verdadeira cor de seu cabelo.

Referências

  1. a b CORINGA - O PALHAÇO DO CRIME - PARTE 3 HQManiacs (29/07/2008). Visitado em 21/05/2010.
  2. HQ: com cronologia ou sem cronologia? site sobrecarga (27 de outubro de 2004). Visitado em 21/05/2010.
  3. Batman: Louco Amor, de Paul Dini e Bruce Timm, chega às lojas do HQ Club Universo HQ (08/11/2002). Visitado em 21/05/2010.
  4. André Craveiro. BATMAN - HARLEY QUINN Universo HQ.