Arlie Russell Hochschild

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Arlie Russell Hochschild (Boston, 15 de Janeiro de 1940) é uma professora universitária, feminista e socióloga estadunidense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de diplomatas, desde cedo despertou para a diferença entre os sentimentos interiores e o mundo das aparências.[1]

Formou-se em relações internacionais pelo Swarthmore College (1962), fez mestrado em 1965 e doutorado (1969) em sociologia pela Universidade da Califórnia em Berkeley, onde lecionou e tornou-se professora emérita.[2]

É casada com o escritor Adam Hochschild, com quem teve dois filhos.[2]

Ideias[editar | editar código-fonte]

É uma das autoras que procuraram consolidar os estudos da sociologia das emoções como um novo campo dentro desta ciência social; para ela o mundo evoluiu com base em dois códigos emocionais - o masculino e o feminino; o primeiro foi dominante e assimilado pelas mulheres que, em contrapartida, encontram os homens ainda a demorar a assimilar as regras do código feminino. Isto resulta numa situação em que as mulheres trabalham, os companheiros também ficam longe de casa e os idosos cuidam de si mesmos ou são entregues a cuidados comerciais: um cenário onde o capitalismo acabou por competir também com a família (especialmente no tradicional papel de mãe e esposa), tornando a família cada vez mínima. Neste contexto, o amor acaba sendo diminuído nas relações: a intimidade nos tempos atuais está distante de representar o relacionamento puro e o amor, nas relações entre os gêneros.[3]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • (2013) So How's the Family: and Other Essays. Berkeley, CA: University of California Press (ISBN 9780520272286).
  • (2012) The Outsourced Self: Intimate Life in Market Times]]. New York: Metropolitan Books. ISBN 978-0-8050-8889-2
  • (2003a) The Commercialization of Intimate Life: Notes From Home And Work. San Francisco e Los Angeles: University of California Press (ISBN 9780520214880).
  • (2003b) Global Woman: Nannies, Maids and Sex Workers in the New Economy, co-editado com arbara Ehrenreich para o Metropolitan Books, Nova York: Metropolitan Press. ISBN 978-0-8050-7509-0
  • (1997) The Time Bind: When Work Becomes Home and Home Becomes Work. New York: Metropolitan/Holt. (ISBN 9780805066432).
  • (1989) The Second Shift: Working Parents and the Revolution at Home, (com Anne Machung). New York: Viking Penguin. Reeditado em 1997 com acréscimos. (ISBN 9780143120339).
  • (1983) The Managed Heart: The Commercialization of Human Feeling. Berkeley: The University of California Press. Reeditado em 2012 com novo prefácio (ISBN 9780520272941).
  • (1973) The Unexpected Community. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall. Second edition (1979): Berkeley, CA: The University of California Press. ISBN 978-0-13-936385-6

Referências

  1. Hochschild. The Managed Heart: The Commercialization of Human Feeling. [S.l.: s.n.], 1983. p. ix.
  2. a b Arlie Hochschild. Curriculum UCLA-Berkeley. Página visitada em 13/2/2014.
  3. Maria da Gloria Bonelli (Jan/Jun 2004). Arlie Russell Hochschild e a sociologia das emoções Caderno Pagu, no.22, Campinas (in: www.scielo.br). Página visitada em 13/2/2014.